J-League deixa de analisar suposto racismo contra Leandro

O Verdy Tokyo se irritou com a J-League. Neste sábado, a entidade anunciou que não tomará medidas legais para analisar um suposto caso de racismo sofrido pelo atacante Leandro, ex-São Paulo.

O incidente teria ocorrido durante a partida da equipe contra o Ventforet Kofu, pela segunda divisão japonesa. O defensor Arata Sugiyama teria chamado o jogador brasileiro de ‘chimpanzé’.

Leandro levou cartão amarelo por reclamar do pouco tempo de acréscimo dado pelo juiz. Na confusão, o brasileiro também se queixou de ter sofrido ofensas racistas. Sugiyama, que também teria feito gestos imitando um macaco, negou qualquer acusação de discriminação.

“O jogador negou ter feito isso e outros atletas disseram que não ouviram nada. A J-League tem agora 36 times. Termos mais jogadores estrangeiros envolvidos em problemas de racismo é algo com o qual precisamos saber lidar”, afirmou Hideyuki Hanyu, secretário chefe da entidade.

A decisão provocou indignação no Verdy Tokyo. “É extremamente decepcionante. Esperamos que a J-League siga os caminhos próprios e práticos para erradicar o racismo”, afirmou o clube em nota oficial.

Leandro também mostrou-se indignado com o episódio. “Foi algo muito chato, mas tenho que deixar para trás e ajudar o Verdy a subir de novo para a primeira divisão.”

Já Kazuyuki Umino, presidente do Ventforet Kofu, saiu em defesa do seu atleta. “Sugiyama provavelmente disse a palavra ‘shimpan’ (juiz) e deve ter soado como ‘chimpanzé’. Ele não tinha razões lógicas para chamá-lo assim”, disse, em entrevista ao diário Sports Nippon.