ItáliaSerie A

Milan tropeçou de novo e o alçapão em San Siro virou o calabouço do time

O Milan deverá permanecer mais uma temporada longe da Champions League. A derrota para a Atalanta neste domingo deixa os rossoneri a sete pontos de distância do Napoli na zona de classificação. Diferença que pode não ser tão grande assim, mas que parece difícil de reverter, sobretudo pela inconsistência do time de Filippo Inzaghi. Os milanistas chegaram à quinta derrota na Serie A, a quarta delas dentro de San Siro. Onde devia ter mais segurança para os resultados, a equipe oscila demais.

E não dá nem para colocar a culpa na qualidade dos adversários. Além da Atalanta, os outros três algozes dos rossoneri em Milão foram Sassuolo, Palermo e Juventus. Neste domingo, os visitantes construíram o placar graças a uma bela jogada coletiva, que terminou no tento de Germán Denis. Do outro lado, uma atuação bastante pobre do Milan, que criou muito pouco para conseguir virar o placar. No único lance de um pouco mais de criatividade, uma bizarra cobrança de falta com três barreiras (duas rubro-negras) que acabou defendida por Sportiello.

Com os quatro tropeços no San Siro, o Milan iguala o número de derrotas em casa das duas últimas temporadas, nas quais não passou do meio da tabela da Serie A. Se sofrer mais um revés, o clube iguala a pior marca desde 1981/82, quando foi rebaixado. E o que mais impressiona é a oscilação nas partidas em Milão. Quatro das seis vitórias também vieram como mandantes. Representa a dificuldade do time em quebrar as defesas adversárias quando elas se resguardam mais, e a satisfação pelo empate longe dos domínios – das nove partidas longe do San Siro, os milanistas ficaram com a igualdade em seis.

Sem um elenco de qualidade para arrancar no segundo turno da Serie A, o Milan também não indica muitas movimentações no restante desta janela de transferências. Deverá se virar com o que tem, e Inzaghi não parece exatamente o técnico mais revolucionário para dar um impulso ao time. E, quando nem mesmo com o calor da torcida a equipe engrena, as esperanças se esvaem cada vez mais, sob as expectativas de mais um ano de seca.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo