A Itália deitou e rolou no seu segundo jogo da Copa do Mundo Feminina, na França. Depois de ter sido uma das surpresas na rodada inaugural com uma vitória sobre a Austrália, favorita do Grupo C, diante da Jamaica as italianas venceram sem problemas. Goleou por 5 a 0, com direito a três gols de Cristiana Girelli e ainda dois golaços de Aurora Galli. Com o resultado, as italianas garantem a classificação e, além disso, ainda complicam para o Brasil, que será seu adversário na última rodada. Se a Itália vencer o Brasil na terceira rodada, na terça-feira, pode inclusive eliminar as brasileiras ainda na fase de grupos.

VAR rigoroso, Girelli duas vezes

Aos 10 minutos de jogo, a atacante Bonansea tenta passar por Swaby e é derrubada por um carrinho. A árbitra não marcou pênalti, mas foi chamada pelo VAR para revisar o lance. Após assistir ao replay, a árbitra muda a decisão: pênalti para a Itália. Cristiana Girelli cobrou no canto esquerdo da goleira Sydney Schneider, que defendeu. A bola foi para escanteio.

Antes da cobrança, a árbitra é novamente chamada pelo VAR. O pênalti, então, será repetido: segundo o árbitro de vídeo, a goleira se adiantou colocando os dois pés à frente da linha. Uma decisão que pareceu bastante rigorosa da arbitragem de vídeo. Girelli repetiu então a cobrança, mas mudou o lado e marcou: 1 a 0 para a Itália.

Ainda no primeiro tempo, aos 10 minutos, cobrança de escanteio para a Itália, a bola passou por Bonansea na primeira trave e sobrou no meio da área, à meia altura, para GIrelli, de quadril, tocar para o fundo do gol: 2 a 0 Itália.

Girelli comemora seu gol contra a Jamaica (Foto: Getty Images)

Atropelamento no segundo tempo

O segundo tempo foi de domínio total da Itália, com uma tranquilidade enorme. Logo no primeiro minuto da etapa final, Valentina Bergamaschi foi lançada pela direita e, bem marcada, recuou para Manuela Giugliano, que cruzou muito bem, de primeira, para a área. A bola foi na segunda trave e a goleira Sydney Schneider saiu mal do gol. Girelli tocou de orelha na bola, suficiente para colocar para dentro: 3 a 0 Itália, com tripleta da sua camisa 10.

A Jamaica até tentou fazer algo diferente e teve momentos de chegar mais ao ataque, ma a Itália consolidou não só a vitória, como transformou em goleada depois da entrada Aurora Galli, que substituiu Valentina Bergamaschi. Primeiro, porque aos 26 minutos, ela chutou de fora da área e acertou o ângulo, desta vez sem defesa para a goleira Sydney Schneider. Por fim, aos 36 minutos, Giugliano lançou Aurora Galli, na cara do gol. Ela driblou a goleira Schneider e empurrou para o gol vazio: 5 a 0 Itália.

Classificada e Brasil sob risco

A vitória classificou a Itália às oitavas de final, provavelmente em primeiro lugar. Com seis pontos e um saldo de gols de seis, a primeira posição é o mais provável. Na última rodada, as italianas serão adversárias do Brasil, que precisará da vitória para se classificar. Há a possibilidade de, caso o Brasil consiga vencer as italianas, e a Austrália confirmar o favoritismo contra a Jamaica, três times terminarem com seis pontos e o saldo de gols irá definir as posições.

Por isso, a Itália sai em vantagem. A Austrália sabe que talvez seja necessário vencer por mais de 5 a 0 para tentar ficar com o primeiro lugar, torcendo para que o Brasil vença as italianas. E, nesse caso, se o Brasil vencer a Itália por um gol de diferença, por ser que fique em terceiro lugar mesmo assim.

A primeira colocada do Grupo C, provavelmente a Itália, enfrentará a terceira colocada dos grupos A, B ou F. O segundo lugar, que ainda é uma possibilidade para o Brasil, enfrentará o segundo colocado do grupo A, que tem a França (que deve ser primeira) e Noruega (que tende a ser a segunda). Se ficar em terceiro no grupo C, o adversário mais provável é a vencedora do Grupo A, possivelmente a França, ou a vencedora do Grupo B, que tem tudo para ser a Alemanha. Ou seja: parada duríssima.

Ficha técnica

Jamaica 0x5 Itália

Local: Stade Auguste-Delaune, em Reims
Árbitra: Anna Marie Keighley (Nova Zelândia)
Gols: Cristiana Girelli aos 12’/1T, 25’/1T e 1’/2T, Aurora Galli aos 20’/2T e aos 36’/2T (Itália)
Cartões amarelos: Sydney Schneider, Khadija Shaw (Jamaica)

Jamaica: Sydney Schneider; Sashana Campbell, Allyson Swaby, Konya Plummer e Deneisha Blackwood; Olufolasade Adamolekun (Lauren Silver), Havana Marguerite Solaun, Chantelle Swaby (Marlo Sweatman) e Chinyelu Asher; Mireya Grey (Jody Brown) e Khadija Shaw. Técnico: Hue Menzies

Itália: Laura Giuliani; Alia Guagni (Lisa Boattin), Sara Gama, Elena Linari e Elisa Bartoli; Valentina Bergamaschi (Aurora Galli), Manuela Giugliano, Valentina Cernoia e Cristiana Girelli (Valentina Giacinti); Daniela Sabatino e Barbara Bonansea. Técnica: Milena Bertolini