Bola lançada na área do Tottenham. Antes que Romelu Lukaku pudesse alcançá-la, o bravo goleiro Hugo Lloris jogou-se aos pés do atacante e a agarrou. Como nenhum ato de coragem passa impune, o joelho do belga atingiu o rosto do francês, que ficou desacordado.

Ainda assim, Lloris continuou em campo no empate sem gols do último domingo. A decisão foi duramente criticada por uma entidade especializada em lesões no cérebro chamada Headway, que chamou a decisão do clube de “irresponsável”. “Quando um jogador, ou qualquer um, sofre uma pancada na cabeça severa o suficiente para que ele perca consciência, é vital que ele urgentemente procure atenção médica”, disse a entidade para a BBC.

“Um fisioterapeuta ou médico tratando o jogador na beira do gramado simplesmente não consegue avaliar precisamente a severidade do dano causado ao cérebro do jogador, em uma situação que em que às vezes os sintomas demoram para aparecer”, completou.

Além da Headway, o médico chefe da Fifa, Jiri Dvorak, criticou a decisão, pois acredita que há 99% de chance de Lloris ter tido uma concussão. “O fato de o outro jogador ter colocado gelo no joelho significa que obviamente a pancada foi muito forte”, explicou.

O treinador do Tottenham, André Villas-Boas, assumiu a responsabilidade pela decisão pouco prudente. “Ele estava determinado a continuar e parecia concentrado e motivado o suficiente para eu não substitui-lo. As defesas que ele fez depois do incidente provam que eu estava certo”, justificou. Veja o lance: