A Data Fifa não costuma respeitar os feriados. E a seleção iraniana viveu uma situação atípica nesta terça, quando recebeu a Coreia do Sul pelas Eliminatórias da Copa de 2018: a partida em Teerã aconteceu na Tasu’a, data na qual os xiitas costumam guardar luto. Diante da ocasião, os torcedores iranianos precisaram apoiar a equipe de um jeito diferente. Seguindo as tradições religiosas, vestiram preto, ao invés da camisa branca do Irã. Além disso, substituíram as tradicionais músicas de arquibancada por cânticos religiosos, especialmente quando a bola não estava rolando. Apesar do ambiente diferente no Estádio Azadi, o time da casa honrou o esforço dos 75 mil espectadores presentes, batendo os sul-coreanos por 1 a 0, gol de Sardar Azmoun.

VEJA TAMBÉM: O acordo nuclear do Irã deverá também ter um grande impacto no futebol do país

Tasu’a é o nono dia do Muharram, primeiro mês do calendário islâmico. Nele e no décimo dia, chamado de Ashura (também sagrado para os sunitas), os xiitas relembram a Batalha de Karbala, quando Husayn ibn Ali (uma das principais figuras da religião, neto de Maomé) foi martirizado ao lado de outros 72 seguidores e membros de sua família. Para respeitar o acontecimento, os xiitas guardam luto durante ambos os dias. Além do jejum, é comum os homens iranianos saírem em procissões de autoflagelo, enquanto os clérigos recontam o episódio nas mesquitas. Rádio e televisão costumam veicular apenas músicas de luto. Já o comércio, a indústria e as repartições públicas se mantêm fechadas.

Apesar do pedido para que o jogo tivesse sua data alterada, não houve conversa. Os jogadores iranianos entraram com uma braçadeira negra, em referência à Tasu’a. Já nas arquibancadas, poucos torcedores vestiram a camisa da seleção, enquanto até os sul-coreanos estavam de preto. Além disso, algumas procissões seguiram ao Azadi e os líderes xiitas realizaram atos religiosos no estádio, orientando os presentes para que não se exaltassem muito na hora de torcer. Porém, mesmo que as arquibancadas estivessem mais silenciosas que de costume, ninguém conseguiu se conter nos lances de perigo, e os iranianos não deixaram de comemorar quando Azmoun fez o gol da vitória. Há rivalidade futebolística entre iranianos e sul-coreanos, aquecida nas Eliminatórias da Copa de 2014, quando membros das duas seleções trocaram acusações publicamente e se provocaram.

VEJA TAMBÉM: A Copa da Ásia dá voz às mulheres iranianas na luta por seus direitos

A vitória teve grande importância para o Irã nas Eliminatórias. Os persas, que estavam empatados com os sul-coreanos no início da rodada, assumiram a liderança isolada do Grupo A. Já a Coreia do Sul caiu para a terceira colocação, ultrapassada pelo Uzbequistão, que venceu a China. Passadas quatro rodadas, as três seleções despontam como principais candidatas às duas vagas diretas ao Mundial oferecidas pela chave. O terceiro colocado precisará disputar a repescagem.