Por Paulo Silva Junior

Depois de parar três vezes nas semifinais, a seleção da Rússia, finalmente, alcançou a decisão da Copa do Mundo de Futsal. Num jogo eletrizante contra o Irã na noite desta terça-feira em Medelín, os russos venceram por 4 a 3 um duelo aberto até o último lance, e agora esperam o rival que sai de Portugal x Argentina, marcado para quarta.

A melhor campanha da história russa conta com quatro atletas nascidos no Brasil no elenco – Gustavo, Eder Lima, Robinho e Rômulo, sendo que este último cumpriu suspensão diante dos iranianos. A presença de jogadores do país mantém uma tradição recente da modalidade na Rússia, que tem entre seus grandes ídolos os pivôs Pula e Cirilo, destaques nas Copas de 2008 e 2012.

VEJA TAMBÉM: Brasil e Espanha derrubados: nova ordem no futsal?

Agora, a Rússia busca uma nova grande conquista depois de 17 anos, já que única Euro da história do país é a de 1999, disputada na Espanha. A equipe vem de três vices seguidos no continental.

Já o Irã, que tem como melhor campanha o quarto lugar na Copa de 1992, espera a disputa da terceira posição no sábado, às 14h. A final acontece na sequência, às 16h30, e a rodada dupla acontece no Coliseo El Pueblo, em Cali.

Jogão

No primeiro tempo, a Rússia teve muito mais presença ofensiva. Apesar da posse de bola ser dividida de forma equilibrada, os europeus tiveram até o intervalo 32 tentativas de finalização contra apenas 10 dos asiáticos. E os iranianos ainda tiveram uma péssima notícia aos 11 minutos com a saída do capitão Keshavarz, autor de um gol decisivo nas oitavas de final contra o Brasil e que deixou a quadra num lance em que parece ter torcido o joelho.

Na sequência, aos 14, a Rússia abriu o placar com Lyskov, que fez uma bonita jogada individual e marcou um golaço, com um chute indefensável para Samimi. Pouco depois quase saiu o segundo com Robinho, que limpou a marcação com o giro e tocou por cima do goleiro, mas acertou a trave.

Só dava Rússia, mas o empate do Irã veio na bola parada, também um gol muito bonito em Medelín. Em cobrança de falta aos 16 minutos, Esmaeilpour bateu no ângulo, por fora da barreira, que acabou armada de forma que não fechou o canto do gol de Gustavo. Era só a sétima tentativa de finalização dos iranianos, que levaram o jogo empatado para o intervalo.

Na volta, o Irã chegou com perigo e, na sequência da defesa de Gustavo, Robinho respondeu acertando a trave. Aos 2 minutos, um lance incrível: Gustavo defendeu no primeiro chute, Esmaeilpour acertou a trave com o gol vazio e na terceira bola o goleiro russo conseguiu voltar à meta para salvar novamente.

O jogo não parava, e a Rússia fez 2 a 1 ainda antes dos 3 minutos. O escanteio no lado esquerdo viajou por cima da área, e Abramov pegou de primeira para fazer um golaço. E o novo empate iraniano veio na metade da etapa final, quando Hassan Zadeh limpou Robinho e deixou tudo igual.

Dessa vez, o desempate russo foi ainda mais rápido. Só 13 segundos depois, Shayakhmetov fez 3 a 2 e jogou a pressão novamente para o lado asiático.

O Irã veio com o goleiro-linha nos 4 minutos finais. Na empolgação, Tayebi acabou levando cartão amarelo por tentar chutar uma bola que já estava sob controle do goleiro Gustavo. A tática de atacar com cinco jogadores seguiu funcionando como nos outros jogos, e o Irã manteve um bom volume de jogo atrás do empate.

Num vacilo, o goleiro da Rússia quase marcou ao arriscar um chute com o gol vazio, mas, faltando 42 segundos, o chute longo foi certeiro: Chishkala aproveitou o erro do ataque iraniano para tocar do campo de defesa e marcar 4 a 2 – o Irã reclamou que a bola foi interceptada com o braço do jogador russo. Na pressão, o time da Ásia diminuiu com Javid restando 11 segundos para o fim. Ainda deu tempo de um último ataque com um chute bloqueado de Esmaeilpour, e a Rússia, aliviada, celebrou a vitória por 4 a 3 e a vaga na final.