O Internacional começou e terminou o jogo de ida da terceira fase da Copa Libertadores contra o Tolima plenamente satisfeito em sair da Colômbia com o placar de 0 a 0 e, depois de 90 minutos defendendo bem e atacando muito pouco, alcançou o seu objetivo.

Na prática, como na fase anterior contra a Universidad de Chile, o Internacional arrumou um empate fora de casa e agora terá 90 minutos no Beira-Rio para chegar à fase de grupos, o que deve ter sido a estratégia de Eduardo Coudet porque, quando teve a bola, o Colorado agrediu muito pouco.

Os visitantes tiveram 56% de posse de bola no primeiro tempo e 73% no segundo. E criaram menos oportunidades justamente na etapa final, quando ficaram mais tempo com a bola no pé e deram quase 150 passes a mais. Foram muitas trocas horizontais, sem agressividade ou criatividade, de um time que tentou se defender com a bola.

O Internacional começou o jogo levando perigo logo no segundo minuto, com um bom chute de Boschilia de fora da área, após tabela com Rodrigo Lindoso. Álvaro Montero foi ao ângulo e espalmou a escanteio. Na cobrança, Guerrero apareceu na segunda trave e cabeceou para fora.

Por volta dos 22 minutos, Guerrero arriscou de fora da área, sem perigo para Montero, e o Tolima conseguiu ameaçar graças a Jaminton Campaz. Primeiro, ele soltou a canhota de longe e colocou a bola perto da trave esquerda de Marcelo Lomba. Quase no apagar das luzes do primeiro tempo, fez fila pela esquerda, entrou na área, mas finalizou fraco, sem problemas para o goleiro brasileiro.

No começo do segundo tempo, Marcos Guilherme soltou um chute cruzado de fora da área que, desviado, saiu para escanteio, mas tinha na passagem de Edenílson pela direita uma opção melhor.

Enquanto o Internacional não criava – chegou aos minutos finais com nenhum chute a gol na etapa final, nem no alvo, nem para fora, apenas alguns bloqueados, como o de Marcos Guilherme -, o Tolima esperava vacilos para tentar encontrar um gol.

O melhor surgiu em um passe errado de Lindoso que gerou um contra-ataque puxado por Francisco Rodríguez. Ele passou bem para Campaz, que ficaria cara a cara com Lomba não fosse o corte perfeito de Bruno Fuchs para escanteio. Na cobrança, a bola ficou viva dentro da área colorada até Lomba a agarrar.

Quiñones teve uma cabeçada mais ou menos perigosa, a cinco minutos do fim, em cobrança de falta de Campaz, e o Internacional deixou apenas para os acréscimos as tentativas de vencer a partida, inspirado pelo belo chute cruzado de Boschilia de fora da área, bem defendido por Montero. Na sequência, Fuchs chapou da entrada da área e exigiu outra intervenção do goleiro do Tolima.

Mas era tarde demais.

.