A Internazionale conseguiu uma vitória suada contra o Bayer Leverkusen nas quartas de final da Liga Europa. A vitória por 2 a 1 em jogo único em Düsseldorf passou longe de ser fácil, ainda que o time italiano tenha sido melhor no confronto e criado mais chances. Apesar disso, o placar ficou apertado praticamente o tempo todo, o que manteve o jogo aberto em um jogo muito movimentado.

Assim como na fase anterior, a disputa foi em jogo único, na Merkur Spiel-Arena, em Düsseldorf. A Inter veio com o mesmo time da fase anterior, com os mesmos 11 titulares. E quem se destacou foi o camisa 9, Romelu Lukaku. O centroavante participou dos dois gols do time. Para além dos gols, quem se destacou foi o zagueiro Diego Godín, que teve uma atuação impecável na defesa. Atuando ao lado de Stefan De Vrij e Alessandro Bastoni, o uruguaio mostrou ótimo posicionamento, bloqueando finalizações e atuando bem também pelo alto. Ashley Young, como ala pela esquerda, também foi bem na partida.

O Leverkusen contou com Kai Havertz titular e muito bem mais uma vez. Foi o principal nome do time alemão, embora os zagueiros Jonathan Tah e Edmond Tapsoba tenham ambos feito uma boa partida. O que faltou ao Leverkusen foi conseguir dominar o meio-campo, onde os jogadores da Inter tiveram uma ótima atuação, inclusive com Nicolò Barella, um dos destaques e autor do primeiro gol.

Duas vezes a Inter chegou com perigo ao ataque. Ashley Young acionou o centroavante Lukaku, que dominou e girou, mas foi travado. Mas a jogada se repetiria. Em nova descida pela esquerda, Ashley Young novamente acionou Lukaku, que recebeu a bola rasteira dentro da área, fez o giro e chutou. A bola bateu na defesa e sobrou na entrada da área. Nicolò Barella dominou e batendo bonito e bateu de três dedos para acertar o cantinho e marcar: 1 a 0.

Aos 19, Lautaro Martínez recebeu pela direita, fez a jogada até a linha de fundo e cruzou para o meio. Barella chegou batendo forte, mas o goleiro defendeu depois de uma reação muito rápida. A Inter era melhor no jogo e tentou pressionar mais.

Melhor na partida, a Inter chegou novamente ao ataque no minuto seguinte. Ashley Young avançou pelo lado esquerdo, tocou para Lukaku dentro da área e o centroavante, forte, protegeu a bola e, em uma disputa física com o zagueiro Edmond Tapsoba, girou e tocou, já caindo no chão, para o gol. A bola entrou mansa no fundo da rede. Inter 2 a 0. Foi o sexto gol em seis jogos seguidos da Liga Europa.

O Leverkusen reagiu rápido. Aos 24 minutos, depois de uma troca de passes pelo meio, Kevin Volland recebeu e tocou para Kai Havertz, livre. O camisa 29 recebeu e chutou forte, vencendo o goleiro Handanovic, que ainda tocou na bola, mas não evitou o gol: 2 a 1.

O jogo era movimentado e no ataque seguinte, Danilo D’Ambrosio recebeu pela direita, dominou e tentou o cruzamento. A bola tocou no lateral Daley Sinkgraven e o jogador da Inter imediatamente pediu pênalti. O árbitro Carlos Del Cerro Grande imediatamente apontou a marca do pênalti. Só que o VAR ajudou: como todo pênalti é revisado, o árbitro espanhol foi chamado a revisar, foi até o monitor e ficou muito claro que a bola bateu só no ombro do lateral, não no braço. Com isso, o árbitro, corretamente, anulou o pênalti que tinha marcado.

O segundo tempo começou mais aberto, com os dois times tentando criar chances de ataque, mas a Inter era melhor. E chegava com perigo à frente, com boas jogadas pelos lados do campo, aproveitando a boa presença dos alas. Aos 14 minutos, Antonio Conte fez duas mudanças, colocando em campo Christian Eriksen e Victor Moses nos lugares de Roberto Gagliardini e Danilo D’Ambrosio. Com isso, tornou o time ainda mais ofensivo.

Pouco depois, aos 19, fez mais uma substituição. Desta vez, tirou o argentino Lautaro Martínez e colocou Alexis Sánchez, que foi contratado em definitivo depois do empréstimo. Com poucos minutos em campo, o atacante teve uma grande chance depois de uma jogada pela esquerda que passou por Lukaku, que tentou finalizar, e sobrou para Sánchez bater forte. O goleiro Lukas Hradecky fez uma boa defesa.

Foram minutos de pressão interista em Frankfurt. O time de Conte criava chances, fosse cruzando pelo alto, fosse trabalhando as jogadas pelos lados. Em uma dessas, pela direita, Moses recebeu, fintou para o meio, dividiu e conseguiu finalizar, para mais uma defesa do goleiro Hradecky.

Do outro lado, o Leverkusen tentou ir mais ao ataque com a entrada de Leon Bailei no lugar de Exequiel Palacios. Depois, o técnico ainda levou a campo Wendell e Ndiem Amiri, nos lugares de Sinkgraven e Julian Baumgartlinger. O time alemão buscava o ataque pelos lados e levava perigo especialmente com a velocidade de Moussa Diaby. Por vezes, o atacante se viu cercado de defensores da Inter e acabou não conseguindo criar uma chance clara.

A Inter apostava em velocidade. Em um desses lances, Sánchez tocou em profundidade para Lukaku e o zagueiro Tapsoba desta vez foi precisa: atrapalhou o atacante e não deixou que ele finalizasse com liberdade. A bola acabou indo para escanteio. Com o passar dos minutos, chegando aos 10 minutos finais do tempo regulamentar, o Leverkusen conseguiu ficar mais com a bola e tentava pressionar. O técnico Peter Bosz ainda colocou em campo Karim Bellarabi e Lucas Alaria nos lugares de Lars Bender e Kevin Volland.  Ainda que a Inter fosse melhor no jogo, o placar mantinha tudo em aberto.

Aos 44 minutos, já chegando perto dos acréscimos, Eriksen tocou para Barella, que tentou devolver, a bola ficou curta e o dinamarquês colocou na frente e caiu na área. O árbitro deu pênalti. Mais uma vez, o VAR salvou o árbitro. O replay mostrou que a bola tocou no braço de Barella quando ele caiu no chão, o que anula a jogada. Invalidou o lance e manteve tudo aberto.

Apesar das tentativas do Leverkusen, o jogo acabou mesmo 2 a 1 para a Inter, que avança para a próxima fase da Liga Europa. Antonio Conte ainda tenta um título na temporada, depois de ficar longe do scudetto na Serie A e perder a Copa da Itália.

A semifinal da Liga Europa será no próximo domingo. A Inter espera o vencedor de Shakhtar x Basel, que jogam nesta terça-feira.