Internazionale e Milan apresentaram imagens de seus novos projetos para substituir o San Siro. A nova arena será construída na área do atual estádio – que, no entanto, não será demolido. Ambos os planos, criados por dois escritórios de arquitetura diferentes, visam reaproveitar parte da antiga estrutura do San Siro. O velho estádio comporá a região anexa às novas arenas, com museus, edifícios comerciais e uma ampla área verde para uso da população. O novo documento elaborado pelos clubes com as ideias foi enviado à prefeitura de Milão. O projeto vencedor ainda será escolhido.

A arquitetura do novo estádio, em si, não muda em relação ao que já tinha sido desenhado. Ainda são os projetos originais, apresentados em setembro de 2019: “Os Anéis de Milão”, do escritório Manica/Sportium, e “A Catedral”, do Populous. A novidade se concentra na preservação de parte do San Siro. Em ambos, a partir de agora, o antigo estádio é absorvido pelo parque anexo. A estrutura original é mantida no Populous, enquanto uma torre e parte da estrutura seguem em pé no Manica/Sportium.

“As duas novas propostas são o resultado de um diálogo construtivo com a prefeitura e foram desenvolvidas de acordo com 16 condições apontadas pelo município. Os novos conceitos preveem a manutenção de parte do atual Giuseppe Meazza, em um novo distrito comercial e esportivo que pode ser usado por 365 dias no ano, incluindo 106 metros quadrados de área verde – quase o dobro da área verde atual”, explicam os clubes.

“Será um centro dedicado a atividades comerciais, esportivas, culturais e de lazer. Os serviços esportivos estarão disponíveis gratuitamente para a população. Ambos os conceitos oferecem um distrito inovador à próxima geração, com baixo impacto ambiental e alta sustentabilidade, criando um novo ponto de encontro às atividades sociais e recreativas na vizinhança. Inter e Milan acreditam que é essencial, à luz do momento, iniciar um projeto que represente mais de um bilhão de euros em investimento privado, que gerará milhares de novos empregos e servirá de base ao futuro desenvolvimento da cidade de Milão e do futebol italiano”, complementam.

O novo estádio escolhido será erguido na área do atual estacionamento do San Siro, o que não impedirá Inter e Milan de seguirem mandando seus jogos no local. O objetivo é concluir as obras em 2023/24, para que o estádio sirva de sede aos Jogos Olímpicos de Inverno em 2026. O investimento previsto é de €1,2 bilhão e ambas as ideias preveem capacidade a 60 mil torcedores. Os estudos dos escritórios mostraram que a construção de um novo estádio do zero seria mais viável do que a reforma do San Siro.

Todavia, diante da insatisfação pública com a possível demolição do antigo estádio e da intervenção da prefeitura, os clubes concordaram em reaproveitar as velhas estruturas de outras maneiras. Em fevereiro, o prefeito de Milão revelou que os planos de derrubar o San Siro haviam ficado para trás. “Nosso pedido era muito simples: salvar o San Siro, não tanto como era no passado, mas tornando-o uma realidade viva sem precisar destruí-lo. Eu realmente não estava convencido pela ideia de derrubar o estádio”, declarou Giuseppe Sala, na época. As novas imagens reiteram esse compromisso dos clubes.