Inter e Flamengo fizeram no Beira-Rio uma ode ao futebol bem jogado e em máxima intensidade

Internacional e Flamengo fizeram a grande partida que se esperava entre os dois melhores times do Campeonato Brasileiro até agora. Foi um noite disputada em altíssima intensidade no Beira-Rio, entre duas equipes que buscaram o resultado e apresentaram a qualidade do trabalho coletivo realizado por seus treinadores, além de talentos individuais. O empate por 2 a 2, no fim, terminou por coroar os méritos de ambos os lados – ainda que o gol sofrido aos 50 do segundo tempo tenha saído mais amargo aos gaúchos. O Inter fez uma excelente primeira etapa, com a marca de Eduardo Coudet na pressão alta para ficar em vantagem duas vezes. Contudo, o Fla não desistiu um minuto sequer, com muito do volume ofensivo cobrado por Domènec Torrent, e buscou a igualdade no apagar das luzes, depois de muita persistência.

O jogo não precisou nem de um minuto para ter sua primeira chance claríssima de gol. Abel Hernández recebeu o cruzamento de Heitor e cabeceou para fora, sozinho na risca da pequena área. E a pressão colorada seguiu fortíssima, com mais uma oportunidade no minuto seguinte. Heitor tabelou com Thiago Galhardo e se infiltrou na área. Hugo Souza realizou excelente defesa no tiro rasante. Era uma blitz dos gaúchos, com o time postado no campo de ataque e mantendo o abafa sem a bola. Isso seria determinante ao primeiro tento.

O Inter abriu o placar aos sete minutos. Quando Isla tentava sair jogando, Patrick apertou a marcação e roubou a bola. O volante avançou pela esquerda e rolou para Abel Hernández se redimir, concluindo às redes. A sorte do Flamengo é que a resposta seria imediata. O gol de empate logo veio aos dez minutos, com Pedro. Depois de escapar da marcação no domínio, o centroavante avançou pela intermediária sem ser incomodado, enquanto a linha defensiva recuava para fechar as opções de passe. Então, o artilheiro desferiu o chute de fora da área, no canto de Marcelo Lomba.

Everton Ribeiro chegaria a levar perigo pouco depois e o Flamengo teria mais posse de bola, mas o Inter seguiria com sua postura agressiva na marcação. Empurrando os rubro-negros contra a parede, os colorados já anotaram o segundo aos 25. Desta vez quem falhou foi Gustavo Henrique, em nova pressão dos anfitriões, com o zagueiro recuando pessimamente e entregando a bola a Galhardo. O artilheiro dominou livre, ajeitou e tirou do alcance de Hugo Souza dentro da área.

Apesar do segundo gol, o Flamengo seguiu jogando em cima do Inter. Avançou em campo e trabalhou mais no setor ofensivo, mas com dificuldades para achar os espaços. Os colorados, por outro lado, apresentavam enorme confiança em sua estratégia e se protegiam bem. Mais do que isso, esperavam o terceiro gol num contra-ataque, explorando a defesa alta do Fla. Galhardo avançou por trás da zaga e quase ampliou aos 38, mas Hugo Souza salvou outra vez. Já aos 40, em mais uma bola em profundidade, o artilheiro até balançou as redes. O tento seria anulado por impedimento.

O segundo tempo seguiria no mesmo ritmo alto do primeiro. Tanto é que, logo aos cinco minutos, o Inter carimbou a trave. A partir de um passe de Edenílson, Abel Hernández fez a parede e Marcos Guilherme acertou a base do poste. Mas logo o Flamengo melhoraria. Subaproveitado no primeiro tempo, Gerson inverteu de posição com Vitinho, da ponta esquerda ao centro do meio-campo. O camisa 8 pôde exercer uma influência muito maior ao jogo e ajudaria os rubro-negros a crescerem na metade final da partida.

O Fla trabalhava bem melhor os passes, com mais fluidez, e achava as brechas na defesa do Inter, menos intensa. Pedro também aparecia bastante, enquanto Gérson ajudava a desafogar o time. Uma grande chance de empate veio aos 13, quando Isla passou a Pedro e o atacante viu Marcelo Lomba realizar ótima defesa. A sobra ainda ficou com Filipe Luís e o foguete do lateral só parou no travessão. O caminho ao Inter era responder nos contragolpes e de novo a equipe assustou. Numa trama entre Edenílson e Patrick, o camisa 88 finalizou para fora, muito perto da trave.

A necessidade do empate era do Flamengo. E os rubro-negros, diante de todo o volume de jogo, ficariam com o grito preso outra vez aos 22. Depois de ótima enfiada de Pedro, Vitinho driblou Lomba e parou em Heitor, quase em cima da linha. Logo depois, o lateral também salvaria o arremate de Pedro que seguia em direção às redes. Coudet tentou mexer no Inter com as entradas de D’Alessandro e Dourado. A partida ficou mais pegada, com alto índice de cartões amarelos, sobretudo aos colorados. Foram cinco advertências, quatro aos gaúchos, em apenas sete minutos. E o Fla permanecia martelando, com um Pedro incessante. Num ótimo lance, o artilheiro quase virou garçom, mas o cruzamento seria completado por Gérson para fora.

Coudet usou mais seu banco na noite. Também tiraria Galhardo para colocar William Pottker, além de mandar a campo Damián Musto e Moisés. Domènec Torrent esperou até os 43 para fazer suas primeiras trocas, com Lincoln e Michael. De qualquer maneira, seriam os titulares que manteriam a força do Fla até o final. A insistência era enorme, sem reduzir a marcha e ainda trabalhando a bola em busca de uma fresta. Nos acréscimos, Gustavo Henrique cabeceou para fora e Pedro chutou em cima de Lomba. Aos 50, o alívio viria com Everton Ribeiro. Gérson seria o responsável pela jogada, ao cortar da esquerda para o meio e fazer o cruzamento frontal. O capitão nem precisou saltar para a cabeçada, acertando o canto de Lomba. Foi o final emocionante a um jogaço que não deixou a desejar em nenhum momento.

É difícil fazer críticas em uma partida de tamanha qualidade, que poderia ter um placar ainda mais amplo e viu duas equipes excelentes. O Inter de fato recuou no segundo tempo, mas construiu sua vantagem graças à postura sedenta da primeira etapa e poderia ter matado o jogo nos contragolpes. Já o Fla, apesar dos ajustes que faltaram na primeira etapa, soube se refazer na partida e não se desesperou com o tempo que passava, até salvar um ponto. O elenco qualificado também contribuiu. Além do mais, os protagonistas foram bem de ambos os lados, seja Pedro ou Galhardo, seja Patrick ou Gérson.

O Inter permanece na liderança por diferença mínima. Os dois concorrentes somam 35 pontos, mas com saldo de gols favorável aos colorados. Quem agradece é o Atlético Mineiro, que segue três pontos atrás, mesmo com o novo tropeço deste sábado, no empate sem gols contra o Sport. Na próxima rodada, enquanto o Inter visita o Corinthians, o Fla faz outro jogo na parte de cima da tabela ao receber o São Paulo.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore