A Internazionale vive uma reformulação e o seu principal dirigente, o diretor Giuseppe Marota, conhecido também como Beppe Marotta, deixou claro que Mauro Icardi e Radja Nainggolan não fazem parte dos planos para a próxima temporada, 2019/20. Icardi foi o principal jogador do clube por alguns anos, era o capitão do time, mas perdeu a faixa em fevereiro. Nainggolan foi a principal contratação na temporada passada, vindo da Roma. Com a chegada de Antonio Conte, houve especulação da saída dos dois, que se confirmou neste fim de semana, ao menos em intenção. Se depender da vontade do diretor, e também do técnico, pelo que ele falou, os dois jogadores deixarão o clube.

Icardi e Nainggolan no mercado

“Quando construímos um projeto, você tem que encontrar os perfis certos”, afirmou Beppe Morata em entrevista à Sky Sport Italia. “Quando tivemos a oportunidade de falar com os próprios jogadores, com todo respeito às suas situações contratuais, mas explicada a posição do clube, o que eu acho que é o mais importante”.

“Os dois jogadores sabem muito bem que eles não fazem parte dos planos. Isso não quer dizer que nós duvidamos dos seus talentos ou capacidades, já que eu os considero dois excelentes jogadores”, continuou o dirigente. “O talento pode vencer jogos, mas o elenco ganha a liga, que é o principal objetivo que nós miramos. Eles não são parte do nosso projeto, com todo respeito devido”

“Nós não somos estúpidos, nós sabemos que esses jogadores são patrimônio nosso e nós não temos intenção de desperdiçar isso, mas é preciso ter coragem das suas convicções e nós estamos certos do que estamos fazendo é o melhor para o clube, sem desrespeitar os dois profissionais”, explicou Marotta.

Há rumores que Icardi pode processar a Inter por assédio moral no local de trabalho, mas Marotta negou, até porque afirmou que o jogador continuará treinando normalmente “Uma coisa é dizer que o Icardi está no mercado, o que nós já confirmamos, mas outra coisa diz respeito às obrigações contratuais. Há um acordo no contrato que o jogador deve ser autorizado a participar dos treinamentos e não temos intenção de negar a ele esse direito”, afirmou o dirigente. “Depois disso, o técnico é que escolhe a escalação”.

Uma das especulações é que Icardi pode ir para a Juventus, mas o dirigente despistou. “Eu excluiria isso neste momento, já que não há condições para fazer isso. Você se sabe, hoje em dia o desejo do jogador tem a prioridade sobre qualquer decisão que o clube faça, mas nós ainda temos que tomar uma decisão”, afirmou Marotta. “O clube vendedor dita o preço e isso também requer paciência, já que nós precisamos que qualquer contratação tenha uma etiqueta de preço que seja coerente com o seu valor”.

Conte, primeira opção

“A ideia de trazer Conte começou comigo, mas foi compartilhada completamente com o resto da administração e o presidente. Nós consideramos que ele é a figura mais adequada para este preciso momento da Inter, alguém com o perfil e mentalidade vencedora”, disse Marotta sobre a escolha do treinador.

“Nós não entramos em contato com nenhum outro técnico quando a temporada terminou, nós começamos as conversar com Conte e rapidamente elaboramos um plano ambicioso e inovador”, continuou o dirigente da Inter. “Nós estamos trabalhando no mercado, Piero Ausilio está fazendo um grande trabalho e juntos estamos trabalhando para construir um time competitivo. Nós nunca devemos esquecer que a administração de um clube de futebol é definir objetivos ambiciosos, mas acima de tudo para manter um equilíbrio esportivo e econômico”.

“Estamos tentando aproveitar as oportunidades, estamos conscientes dos jogadores que Antonio Conte quer, mas nós não apressamos as coisas, já que ser apressado pode levar a erros. Leva tempo, porque os objetivos que nós queremos atingir são muito importantes”, disse ainda Marotta.

Conte: “Escolher a Inter foi fácil”

Antonio Conte em treino na pré-temporada da Inter (Getty Images)

Antonio Conte falou sobre a sua escolha pela Inter. “Escolher a Inter foi fácil porque nós temos a mesma visão. Nós compartilhamos a mesma ambição, o desejo de construir algo importante, embora sabendo que será uma longa e dura jornada”, afirmou o treinador. “É um clube com muita tradição, uma das mais importantes histórias no mundo, então foi uma decisão simples para aceitar”.

“Eu sou uma pessoa que não vê limites e eu não quero que os outros vejam também. Isso só cria álibis para todo mundo na temporada”, disse Conte. “Não é segredo que há uma enorme diferença entre Inter e Juventus, enquanto o Napoli também mostrou serem muito consistentes. Nós temos que diminuir essa diferença sem recriminação ou arrependimento”.

“É um caminho difícil, mas também um intrigante. A maioria de nós vive nossas vidas para esse tipo de desafio, um que é muito difícil de atingir. É um desafio difícil para mim, mas também o melhor”, analisou Conte. “Eu gosto desses desafios em que você tem 1% de chance de vitória e trabalhar por esse 1%”.

“Eu não considero este como o teste mais difícil da minha carreira, contudo eu queria aproveitar o momento para destacar as conquistas de Luciano Spalletti. Ele chegou depois de anos em que a Inter não se classificou para a Champions League, então ele fez isso em duas temporadas consecutivas, então ele me deixa sólidas fundações para trabalhar”, afirmou Conte. “Nosso objetivo é ser mais estável, mais confiável, olhar para frente em vez de olhar para trás”.

O treinador já deixou claro o que espera do time. “Este é o verão, é o período de falação, mas eu sinto que nós temos que falar menos e trabalhar mais duro. Nós temos que ser ferozes e focados no nosso objetivo, dar estabilidade ao time com um espírito de sacrifício. Se nós queremos ter uma temporada importante como protagonistas, então temos que ter essas características. É o nosso dever deixar o campo todo fim de semana com a camisa encharcada de suor”, disse o técnico italiano.

Perguntado sobre a questão de Icardi e Nainggolan, Conte deixou claro que a decisão não foi dele, mas que ele apoia. “Com relação a Icardi e Nainggolan, o clube teve tempo suficiente para avaliar a situação e tomar a decisão. Tudo que eu fiz foi apoiar a visão do clube. O técnico e o clube devem trabalhar como um e nós estamos totalmente unificados nisso”.

Marotta: “É um novo começo para a Inter”

Antonio Conte (esq.) e Beppe Marotta, da Inter (Getty Images)

Beppe Marotta falou sobre o que pretende no comando da Inter, estando no mesmo cargo que exerceu na reconstrução da Juventus. “Eu estou muito orgulhoso de ser parte do projeto envolvendo Suning como um modelo vencedor, a família Zhang e acima de tudo a história da Inter”, disse o dirigente à Sky Sport Italia.

“Vamos dizer que esta temporada representa um novo começo. O clube está trabalhando para criar uma identidade precisa. Nós deixamos o acordo com o Fair Play Financeiro com a Uefa e agora uma nova era começa onde podemos aumentar a barra”, disse.

“Nós primeiro pensamos em Conte porque nós queremos trazer um perfil que ajude o clube a crescer. Nós estamos muito orgulhosos dessa escolha”, continuou.

Um dos objetivos é acabar com o apelido de “Pazza Inter”, algo que significa “Louca Inter”. “O objetivo é encontrar estabilidade”, disse Marotta. “Conte continua coo um grande motivador para o time e clube. Ele realmente foca em detalhes e isso permite atingir importantes resultados. Nós podemos todos crescer com ele ao nosso lado”.

“Eu acredito firmemente que quem quer que seja que gaste mais dinheiro não necessariamente vença. É trabalho da administração estabelecer objetivos, o que para nós é regularmente participar da Champions League, aumentar a barra na Serie A e tentar vencer a Copa da Itália”, continuou o dirigente.

“Você atinge isso ao construir um time forte enquanto respeitando os parâmetros financeiros. No esporte, você nunca tem que estabelecer seus próprios limites, mas tentar dar o seu melhor. Se você não cria uma cultura de álibis, então eu posso encontrar o caminho certo para atingir resultados extraordinários”, afirmou Marotta.

Beppe Marotta e Antonio Conte fizeram um trabalho importante na Juventus quando o clube deixou a Serie B e vinha ainda tentando recuperar o seu espaço entre os principais clubes do país. Foi com os dois que a Juventus começou a era de dominação com oito títulos consecutivo dos bianconeri na Serie A.

“A Juve representa o passado para mim e então eu olho para o presente, que é a Inter. Rivalidade é a essência do futebol, mas eu irei tentar levar a Inter tão longe quanto possível”, afirmou Marotta. “Todo mundo tem em seu DNA o desejo de novos desafios. Agora eu quero vencer com a Inter, apenas como no passado eu queria vencer com o Varese”, disse o dirigente.