A Inter voltará em uma final europeia depois de 10 anos. Em 2010, o time decidiu a Champions League contra o Bayern de Munique – e venceu. Em 2020, o time garantiu classificação à final da Liga Europa com uma goleada para cima do Shakhtar Donetsk, 5 a 0 na Markur Spiel-Arena, em Düsseldorf. O destaque foi o ataque do time, com dois gols de Lautaro Martínez e dois de Romelu Lukaku. O belga chega perto da marca de Ronaldo e gols em uma só temporada, justamente na temporada que a Inter conquistou o seu último título de Liga Europa, na época, ainda chamada de Copa da Uefa.

O técnico Antonio Conte manteve os mesmos 11 titulares que tem escalado em todos os jogos da liga Europa. Com isso, Diego Godín segue titular, ao lado de Stefan De Vrij e Alessandro Bastoni, com Milan Skriniar no banco. No meio-campo, Roberto Gagliardini joga com Marcelo Brozovic e Nicolò Barella. O ataque foi formado novamente por Lautaro Martínez e Romelu Lukaku.

O Shakhtar do treinador português Luis Castro também manteve a escalação do último jogo, com seis brasileiros nos 11 iniciais. Do meio para frente, os brasileiros dominam: Marcos Antonio é volante ao lado de Taras Stepanenko e à frente deles, Marlos, Alan Patrick e Taison, com Júnior Moras à como referência.

Depois de primeiros minutos de um jogo travado, o que se via era o Shakhtar ter mais a bola, mas sem conseguir chegar ao ataque com perigo. A Inter tentava ser mais vertical. Só que o jogo só engrenou mesmo depois dos primeiros 15 minutos.

O primeiro gol surgiu de uma saída de bola errada. O goleiro Andriy Pyatov errou o passe, que Barella conseguiu interceptar. Ele driblou o adversário e foi para a ponta direita e cruzou para o meio da área. A bola foi precisa e Lautaro Martínez subiu para tocar de cabeça, no canto, com precisão: 1 a 0 para a Inter, aos 19 minutos. Pyatov, capitão do time, lamentou a falha, que acabou sendo decisiva. Foi o 20º gol de Lautaro nesta temporada pela Inter.

A Inter chegou novamente aos 33 minutos, em uma bola para Barella pela direita, o meiio-campista dominou com a cabeça, adiantou e chutou. Pyatov colocou para escanteio, em uma bola que veio forte, mas na direção do goleiro.

O Shakhtar mantinha a posse de bola, mas conseguia chegar pouco ao ataque. Aos 42 minutos, o time ucraniano conseguiu a sua melhor chance no primeiro tempo, em um chute de fora da área de Marcos Antônio. Bem posicionada, a defesa da Inter não permitia finalizações limpas e o time do Leste Europeu pouco conseguia fazer. As melhores chances eram do time de Conte.

No começo do segundo tempo, a Inter chegou com perigo em finalizações de Lukaku, que foi para fora. Pouco depois, Lautaro Martínez arriscou um chute de fora da área que obrigou Pyatov a fazer uma ótima defesa.

O Shakhtar respondeu aos 17 minutos. O atacante recebeu um belo cruzamento para a área, teve liberdade e tocou para o gol, mas a bola foi no meio do gol e Handanovic fez a defesa. O time ucraniano tocava menos a bola e tentava ser mais direto na sua abordagem. Foi o mais perto que o Shakhtar esteve de entrar no jogo.

Só que a Inter ampliou a vantagem aos 19 minutos. Em uma cobrança de escanteio de Brozovic, D’Ambrosio, na segunda trave, subiu mais que a marcação para tocar para o fundo da rede: 2 a 0 para os italianos.

O jogo estava do jeito que a Inter gosta: controlando a partida com tranquilidade, tendo espaço para atacar e correr. E aos 28 minutos, ampliou o placar. Em um lance rápido pelo meio, a bola passou por Lukaku, Gagliardini e terminou nos pés de Lautaro, que finalizou de fora da área, no cantinho, e saiu para a comemoração: 3 a 0.

Faltava um gol. Lautaro Martínez recebeu a bola, fez a jogada a arrumou espaço para fazer o passe para Lukaku. O centroavante ajeitou o corpo para tocar colocado de pé esquerdo e colocar no canto: 4 a 0, aos 33 minutos.

O Shakhtar desanimou e a Inter aproveitou. Lukaku recebeu na intermediária ofensiva e fez um gol bem ao seu estilo: arrancou para cima do marcador, ganhou na velocidade e na força e tocou por baixo, de pé direito, para ampliar o marcador: 5 a 0 para a Inter. Foi o seu 33ª gol na temporada em 50 jogos. Mais do que isso, ainda chegou a seis gols em cinco jogos de Liga Europa até aqui e fez gols em 10 jogos consecutivos da competição.

O belga está perto da marca de Ronaldo Nazário, em 1997/98, quando o brasileiro fez 34 gols. Naquela temporada, Ronaldo foi o astro do título da Copa da Uefa, contra a Lazio, em Paris, última conquista dos nerazzurri nesta competição. Não é uma marca qualquer, de um jogador que fez, naquela temporada, um dos melhores anos da sua vida – e é um dos grandes jogadores da história.

A final da Liga Europa será contra o Sevilla (próxima sexta-feira, 21 de agosto, 16h), senhor desta competição, com cinco títulos: 2005/06, 2006/07 (ainda com o nome de Copa da Uefa), 2013/14, 2014/15 e 2015/16. A Inter já conquistou o título três vezes, em 1990/91, 1993/94 e, por fim, em 1997/98, todas ainda no tempo do nome de Copa da Uefa.

Sem um título desde 2011, quando conquistou a Copa da Itália, a Inter vai para essa final querendo mostrar a força do time. Antonio Conte quer adicionais mais uma conquista ao seu currículo, o que daria mais força a ele em uma conturbada relação com a direção do clube até aqui. Além disso, fortalece ainda mais o elenco, que ganha confiança. Sua principal contratação, Lukaku, que custou o recorde de transferências da história do clube (€ 74 milhões, que ainda podem se tornar € 80 milhões no total), tem entregado tudo que se esperava dele.