O ex-presidente da Premier League, Richard Scudamore, foi mais uma voz a se levantar contra a reformulação da Champions League. Como contamos, a Uefa considera uma ideia da ECA [Associação Europeia de Clubes] para ter 24 times fixos, transformando a competição em uma liga, de fato, com rebaixamento e tudo. Só que há oposição pesada: os ingleses. Richard Scudamore, ex-presidente da Premier League e uma pessoa influente, foi muito crítico à ideia.

Em um momento de domínio completo dos clubes ingleses nas competições europeias, com Liverpool e Tottenham na final a Champions League, e Arsenal e Chelsea na final da Liga Europa, essa é uma oposição que pesa. Ainda mais porque antes mesmo da ideia vir a público, os clubes da Premier League já tinham se manifestado contrários à ideia de uma Superliga.

“A proposta da ECA sob a presidência de [Andrea] Agnelli da Juventus, do que eu vi até agora, parece completamente fora de ordem para mim”, disse o executivo. “Se você seguir pela rota do senhor Agnelli que é mais competição europeia e menos competição doméstica, ela está fadada a prejudicar as ligas nacionais. Não apenas a Premier League, mas por toda a Europa”, afirmou o dirigente.

“Eu acho que é um ecossistema muito delicado que nós temos, e você tem que apoiar as ligas domésticas e a competitividade dentro das ligas e garantir que o mérito esportivo diga que você teoricamente comece o clube, seja promovido por todo o caminho pelas ligas e chegue ao topo, e se você terminar em primeiro, segundo, terceiro ou quarto, então você tem que ir para a Europa”, afirmou Scudamore.

O ex-presidente da Premir League, que segue como consultor da liga mais rica do mundo, espera que o presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, pense bem nas consequências dessa ação. “Eu acho que ele precisa dar uma real e dura olhada para o que isso poderia causar nas ligas domésticas, que são efetivamente a fundação do futebol por toda a Europa e por todo o mundo”, disse. “Eu espero que isso seja o começo de uma consulta, não o fim disso, e eu confio que o senhor Ceferin fará a coisa certa”. Certamente uma pressão a mais no presidente da Uefa.

Os representantes das ligas nacionais se reuniram no último dia 7 de maio para se posicionarem contra a ideia de uma Superliga. Entre os principais opositores está o presidente de La Liga, Javier Tebas. Ter La Liga e Premier League como contrários à ideia de uma Superliga, ou mesmo dessa Champions League como um clube exclusivo, é algo importante, ainda que haja diferenças.

No caso da Espanha, Barcelona e Real Madrid parecem mais inclinados à proposta da ECA. Já os clubes ingleses, que estão entre os mais ricos e importantes da Europa no momento, são contrários. Deve ser uma briga ainda muito grande nos bastidores. As ligas sabem que precisam tentar impedir a todo custo que a Champions League se torne uma liga transnacional, como os clubes parecem querer. A questão é: será que é evitável?