InglaterraPremier League

Acredite: Sean Connery recusou uma proposta do Manchester United antes de ser 007

James Bond, Professor Henry Jones, Rei Arthur, Allan Quartermain, William de Baskerville, Capitão Marko Ramius, Robin Hood. Não dá para interpretar tantos personagens míticos do cinema sem ser um verdadeiro mito – e, na verdade, eu preferia adjetivá-lo com um palavrão, mas vou poupar as crianças. Sean Connery é um monstro das telonas. Quis a Academia que o 007 mais famoso só ganhasse um Oscar, de ator coadjuvante: como o veterano policial Jim Malone em Os Intocáveis. Não dimensiona a sua real importância para o cinema. E pensar que, por causa do futebol, o escocês poderia nunca ter sido ator. Mas não um jogador qualquer. Connery teve a chance de ser um Busby Babe no Manchester United, mas escolheu outro caminho.

MÚSICA: Conheça o tamanho da paixão de Bob Marley pelo futebol

Quem conta essa história é o próprio Connery. Durante a juventude, o escocês tinha qualidade no trato com a bola. Tanto que defendeu equipes amadoras do sul de seu país, como o Bonnyrigg Rose, famoso por suas categorias de base. Aos 21 anos, o ponta direita chegou a ser convidado para um teste no East Fife, a terceira força do Campeonato Escocês no início dos anos 1950. Mas naquela época já começava a ser fisgado pelo teatro. Entrou para o elenco do musical South Pacific, de muito sucesso no Reino Unido. Até que, durante a turnê pela ilha, disputou com o elenco da peça um amistoso em Manchester. Acabou observado pelo lendário Matt Busby, técnico do Manchester United.

Connery

Busby se impressionou com a capacidade física de Connery e logo lhe ofereceu um teste. Caso passasse, assinaria contrato de £ 25 semanais (o dobro do que ganhava no musical) para se mudar a Old Trafford. “Sean bateu no meu camarim e estava muito empolgado, porque jogara futebol por 15 anos e sabia que era bom. Ele mal podia falar, de tão eufórico que estava, repetindo de novo e de novo a importância do United, e o privilégio disso. Eu o ouvi e o lembrei de que, se podia interpretar Tolstoy, também conseguiria grandes filmes no futuro”, afirma Robert Henderson, colega do escocês no musical.

CINEMA: O dia em que Pelé quebrou um dedo de Sylvester Stallone

No entanto, Connery declinou a chance dada por seu compatriota. Aos 23 anos, viu mais futuro na carreira como ator. “Eu realmente queria aceitar, porque eu sempre amei o futebol. Mas eu parei para pensar, e perguntei a mim mesmo qual a duração da carreira de um futebolista. Quando um jogador de primeiro nível chega aos 30 anos, ele está no meio do caminho. Então, eu decidi ser ator, porque era algo que duraria, e eu me divertida. Eu não tinha experiência, mas foi uma das minhas decisões mais inteligentes da minha vida”, declarou em 1965, em entrevista à Playboy.

A estreia de Sean Connery no cinema aconteceu um ano depois, em 1954, com o filme Lilacs in the Spring. Tornou-se protagonista pela primeira vez em 1957, quando o Busby conquistava o seu terceiro Campeonato Inglês pelo Manchester United, o último antes do desastre aéreo de Munique. Em 1962, o astro viveu pela primeira vez James Bond, enfrentando o Doutor No. E já tinha filmado cinco filmes da franquia quando os Red Devils finalmente conquistaram pela primeira vez a Copa dos Campeões, em 1968, liderados por Bobby Charlton, Denis Law e George Best.

Conne

Mesmo longe dos gramados, Connery seguiu jogando as suas peladas. E também torcendo, inclusive virando a casa. “O futebol foi uma grande paixão minha desde a infância. Meu pai me incentivou a torcer pelo Celtic. Eu mantive meu amor pelo esporte, embora tenha me afastado enquanto estava muito ocupado com os filmes. Voltei e até me envolvi de novo com o Celtic, ajudando em um jogo beneficente de Jock Stein”, contou ao jornal Daily Record, em 2008. “Mas mudei minha lealdade com David Murray, então presidente do Rangers. Somos bons amigos e, agora, vão cuspir em mim se eu for ao Celtic Park”.

MÚSICA: Rod Stewart, um dos astros da música mais fanáticos por futebol

Quando completou 80 anos, o astro admitiu que continuava batendo bola com seu neto, assim como era viciado em assistir futebol na TV. Cinco anos antes, havia dado o pontapé inicial de um amistoso no Camp Nou, posando ao lado de Ronaldinho. Guardou a paixão sem grandes ressentimentos. Afinal, se fosse para Old Trafford, o mais provável é que se tornasse um coadjuvante sem nem direito a Oscar. Melhor mesmo ter escolhido os palcos e as telas, eternizado com um dos maiores símbolos do cinema. James Bond nunca seria o que é sem Sean Connery.

Abaixo, para quem quiser conferir, um trecho da grande contribuição de Sean Connery para o cinema boleiro: o escocês narrou o documentário oficial sobre a Copa do Mundo de 1982.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo