Premier League

Vá em paz, Bradley: As carinhosas palavras de Defoe sobre o pequeno amigo

Os médicos já tinham constatado que o tratamento não fazia mais efeito e restavam poucos dias. Mesmo assim, dói impiedosamente a notícia da morte de Bradley Lowery. O garotinho de seis anos transformou-se em símbolo do futebol inglês. Mascote querido por todas as torcidas, mantinha um sorriso inabalável, mesmo enfrentando uma árdua luta contra um neuroblastoma, tipo raro de câncer que o afetava desde 2013. O inglesinho venceu a primeira batalha contra a doença, mas ela voltou mais forte. A visibilidade que ganhou na Premier League, como xodó do Sunderland, ajudou a arrecadar fundos para os cuidados médicos. Contudo, nos últimos meses, o estágio avançado da doença não permitia mais a cura. Nesta sexta, o menino descansou em paz.

VEJA TAMBÉM: Com Defoe de saída, xodó do Sunderland fez questão de entrar em campo com seu herói mais uma vez

“Meu bravo garoto seguiu com os anjos hoje, nos braços da mamãe e do papai, cercado por sua família. Ele foi nosso pequeno super-herói e enfrentou a maior das batalhas, mas era necessário em outro lugar”, escreveram os familiares de Bradley, em suas redes sociais. “Não há palavras para descrever o quanto nosso coração está partido. Obrigado a todos pelo seu apoio e palavras doces. Durma bem, menininho, e voe alto com os anjos”.

Fanático pelo Sunderland, Bradley criou uma ligação belíssima com Jermain Defoe. O garotinho virou amigo de seu ídolo. Entraram de mãos dadas em várias partidas. Durante uma de suas internações, o inglesinho chegou a dormir nos braços do veterano, sobre a cama do hospital. E o artilheiro também esteve presente em sua festinha de aniversário, no último mês. Já o momento mais emblemático veio em Wembley. Bradley foi convidado para ser mascote da seleção inglesa. Dias depois, Defoe acabou convocado. Juntos, mais uma vez, pisaram em campo e demonstraram um carinho mútuo. Beleza que transcende (e muito) o futebol.

Nesta quinta, o Bournemouth apresentou oficialmente Defoe, retornando ao clube após 16 anos. Mas a parte mais importante de sua entrevista aconteceu justamente quando falou sobre Bradley. Não segurou as lágrimas e explicitou os laços que criou com o garoto. Palavras que ganham um significado ainda maior nesta sexta:

VEJA TAMBÉM: Bradley Lowery recebe mais de 28 mil cartões de natal de torcedores após campanha

“Tem sido difícil. Eu carreguei isso por muito tempo. Eu tentei ser forte por minha família e pela dele, mas eu não sei botar em palavras como eu me sinto. É um momento especial, passando este tempo especial com Brads. Na vez em que eu o conheci, eu não podia acreditar que ele era o menininho que estava doente, porque ele correu até mim. A partir de então, criou-se uma conexão instantânea. Eu sabia que ele seria o mascote, mas não tinha visto uma foto e ele correu até mim. Sua energia nos vestiários, liderando as outras crianças e essas coisas – ele tinha uma grande personalidade. Eu falo com sua família todos os dias e eu estive com ele dias atrás. Foi duro vê-lo sofrer daquela maneira. Eu sentia que estava preparado por isso depois do que passei com meu pai. É tão difícil ver um garoto dessa idade enfrentando isso há tanto tempo. […] Ele estará no meu coração pelo resto da minha vida. É difícil. Você coloca as coisas em perspectiva. Não há um dia sequer em que acordo e não olho o celular, ou penso sobre o pequeno Bradley, porque seu amor é genuíno e posso ver isso em seus olhos. É especial”

A luta do menino continuará. Visando ajudar outras crianças com doenças graves, foi criada a Fundação Bradley Lowery. O novo projeto já arrecadou mais de £100,000. Bradley seguirá fazendo a diferença com seu legado e com as lindas memórias que deixou. Uma das amizades mais bonitas que o futebol já viu, assim como uma das maiores forças para seguir sorrindo, apesar de todas as dificuldades.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo