Premier League

Salah ganha segunda chance na Inglaterra, como um jogador talhado para o estilo do Liverpool

Salah teve a primeira chance de jogar na Inglaterra com a camisa do Chelsea, que venceu a disputa com o Liverpool pela contratação do egípcios, três anos atrás. Pagou £ 16,5 milhões pelo destaque do Basel, mas ainda não era o momento dele brilhar na Premier League. Jogou apenas seis vezes com a camisa azul antes de ser emprestado para a Fiorentina. Na temporada seguinte, foi cedido para a Roma, que o contratou em definitivo. E, agora, Salah tem a segunda chance de jogar na Inglaterra. E a segunda chance de jogar com a camisa do Liverpool.

LEIA MAIS: Klopp, 50 anos: a carreira de um jogador mediano, com um cérebro melhor que as pernas

O momento da chegada de Salah não poderia ser melhor. Seus pontos fortes caem como uma luva no estilo de jogo de Jürgen Klopp: tem velocidade, passe, gols e uma energia quase inesgotável para correr o jogo inteiro. Exatamente o que o alemão cobra dos seus atacantes. Será, provavelmente, pela esquerda, o que Sadio Mané foi pela direita. O treinador usou Philippe Coutinho por dentro, na reta final da Premier League, abrindo espaço para o Liverpool atuar com dois pontas muito rápidos, com mais dois homens de meio-campo e um atacante centralizado.

“Mohamed tem a perfeita mistura entre experiência e potencial. Conhece a Premier League, tem o pedigree da Champions League e é um dos jogadores mais importantes de seu país”, avaliou Klopp. “Seu histórico na Itália foi fenomenal e ele tem as qualidades para melhorar nosso time. Eu o sigo desde que surgiu no Basel e ele se tornou um jogador muito bom. Sua velocidade é incrível. Ele nos dá mais poder de fogo e já somos fortes nessa área. O mais importante é que ele está faminto, ansioso para ser ainda melhor. Ele acredita no que estamos querendo fazer no Liverpool e está extremamente afim de ser parte disso”.

Desde o começo do mercado, o egípcio foi o principal alvo de Klopp para a ponta, à frente até mesmo de Douglas Costa, outro especulado. E o Liverpool abriu a carteira para contratá-lo, embora haja versões diferentes para o valor pago pelos Reds. O Liverpool Echo e a ESPN citam fontes do clube colocando a taxa de transferência em £ 30.8 milhões, com bônus por desempenho que podem levar a quantia total a £ 34.3 milhões. A Roma, no entanto, alega que recebeu £ 36.9 milhões, com £ 7 milhões, em um agregado de £43.9 milhões, o que tornaria Salah o jogador mais caro da história do Liverpool, superando os £ 35 milhões investidos por Kenny Dalglish em Andy Carroll.

Isso, no entanto, é mero detalhe para o torcedor do Liverpool. Os números que realmente importam para ele são os seguintes: 19 gols e 13 assistências em 41 jogos pela Roma na última temporada. Nenhum jogador do Liverpool chegou a esses números, nem em tentos, nem em passes decisivos, em 2016/17. E Salah ainda perdeu quatro partidas pelo seu clube, em janeiro, defendendo o Egito na Copa Africana de Nações. Em seis jogos no torneio internacional, foi duas vezes às redes e deu duas assistências.

“Estou muito feliz. Darei 100% pelo clube. Eu realmente quero conquistar algo aqui. Temos um grande time e jogadores muito bons. Eu vi os jogos da última temporada e todos estavam dando 100% para ganhar algo”, afirmou Salah, ao site oficial do Liverpool.

Ainda mais importante é reforçar o elenco para uma temporada que terá competições europeias, provavelmente a Champions League, caso a equipe passe pelos playoffs. O ataque passa a contar com Firmino, Sturridge e Origi, que também podem atuar pelos lados. Com Mané, Salah e Lallana, que também pode jogar por dentro. Além de Coutinho, outro possível ponta ou segundo atacante. Ainda há Danny Ings e jovens como Ojo e Woodburn para servirem de apoio.

O Liverpool promete um mercado agitado. A imprensa inglesa fala em aproximadamente sete reforços. Ainda há a necessidade de melhorar a defesa, com pelo menos um zagueiro e um lateral esquerdo. O poder de fogo já ganha bastante com Salah, um jogador que parece caber muito bem no estilo de jogo de Klopp.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo