Premier League

Bravo com o Southampton, Van Dijk força saída e revive interesse de seus pretendentes

Virgil Van Dijk consta na lista de transferências de pelo menos três grandes clubes ingleses – Liverpool, Chelsea e Manchester City -, mas enfrentou uma forte resistência do seu clube, o Southampton, que não quer perdê-lo de jeito nenhum, apesar de propostas na casa das £ 60 milhões. O zagueiro holandês, porém, perdeu a paciência. Em um comunicado, informou que entregou um pedido de transferência oficial e reviveu o interesse dos seus pretendentes.

LEIA MAIS: Southampton tira sarro da moda de anunciar contratações com vídeos engraçadinhos

O clube mais próximo de assegurar seus serviços era o Liverpool. Chegou a ser noticiado que ele havia feito a sua escolha, mas os Reds tiveram que recuar, depois de o Southampton denunciá-los à Premier League por abordagem ilegal. O Liverpool chegou a emitir um comunicado para tirar o corpo da briga, mas, segundo a imprensa local, continuou monitorando Van Dijk e o manteve como principal – e único – possível reforço para a defesa.

Também por isso, aguarda uma manifestação pública dos Saints de que está finalmente disposto a negociar seu zagueiro. O Manchester City gastou bastante para reforçar a sua defesa, principalmente nas laterais, e ainda não contratou nenhum zagueiro central. O Chelsea, que perdeu John Terry, aposentado, e Nathan Aké, para o Bournemouth, trouxe Antonio Rüdiger, da Roma, mas estaria interessado em reforçar ainda mais o setor com Van Dijk.

“É com pesar que confirmo que entreguei, nesta segunda-feira, um pedido de transferências para sair do Southampton. Eu sinto que não tenho alternativas depois de ser notificado da intenção do clube de me impor uma sanção disciplinar em multa de duas semanas de salário”, afirmou o jogador de 26 anos, que tem treinado separado do resto do elenco desde o final de julho por, de acordo com o técnico Mauricio Pellegrino, “não estar 100% psicologicamente”. O comandante disse que Van Dijk pediu para não jogar porque queria sair.

“Eu gostaria de deixar claro que nunca me recusei a treinar. Como um profissional orgulhoso, fico insultado com a sugestão de que fui eu que me recusei a treinar e sinto que é importante pontuar a verdadeira versão dos eventos”, disse. “Eu esperava manter a boa relação que sempre tive com todos no clube, especialmente os torcedores, mas, diante de tudo que aconteceu, isso foi seriamente afetado. Não tenho nada além de gratidão pelo Southampton por ter me dado a oportunidade de jogar na Premier League. No entanto, chegou a hora de ir embora, e espero chegar uma solução com o clube que seja boa para todo mundo”.

Van Dijk afirmou que o tempo que ficou afastado do futebol por lesão colocou as coisas em perspectiva para ele, com pressa de alcançar grandes glórias. “Sou incrivelmente ambicioso e quero vencer o máximo que o meu potencial permitir, em uma carreira muito curta de futebol profissional. Quero jogar futebol europeu novamente e disputar grandes títulos, e, por isso, eu gostaria que o Southampon considerasse o interesse de grandes clubes em mim, se ele ainda existir. Eu fiquei frustrado com a posição do clube de que não estou à venda”, encerrou.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo