InglaterraPremier League

Gullit pensa em voltar a ser técnico e se oferece para treinar o Aston Villa

Na lanterna do Campeonato Inglês e quase rebaixado, o Aston Villa não viu outra alternativa a não ser demitir o técnico Rémi Garde, depois de seis derrotas seguidas e apenas uma vitória nas últimas nove rodadas. Os mais diversos nomes já foram especulados para o posto de próximo comandante do tradicional time de Birmingham, e agora, a lista ganhou mais um: Ruud Gullit.

LEIA MAIS: Homenagem do West Ham a Noble teve gol inusitado do goleiro Adrián e bicicleta de Dean Ashton

Um dos maiores craques da Holanda, Gullit teve uma carreira errática como treinador. Começou-a no Chelsea, quando ainda era jogador e se dividia nas funções. Conquistou a Copa da Inglaterra, primeiro título importante do clube de Stamford Bridge desde o final da década de sessenta e terminou a Premier League em sexto.

Gullit ainda passou uma temporada no Newcastle (13º na liga nacional), Feyenoord (quarto) e Los Angeles Galaxy, no qual brigou com praticamente todo mundo que viu pela frente e foi demitido depois de uma série ruim de resultados. Na Rússia, sentou no banco do Terek Grozny e acabou sacado com uma campanha de apenas três vitórias.

Se parece ser um ex-jogador inteligente, Gullit também não tem nenhum grande trabalho como treinador para pleitear a vaga no Aston Villa. Mas seria um nome grande que atrairia atenção para o clube e, na prática, convenhamos, não dá para a situação ficar muito pior.

“Se eles vierem conversar comigo, eu realmente consideraria, se eu tivesse pessoas à minha volta para realizar o trabalho”, afirmou Gullit na beINsport, na qual trabalha como comentarista. “Eu gostaria de voltar (a ser treinador). Eu tinha outras coisas para fazer na minha vida”.

Veja a entrevista aqui.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo