Depois de anos de domínio do Partizan na virada da década, o Campeonato Sérvio voltou a ser disputado a tapa. O Estrela Vermelha recobrou o seu gosto pelas glórias, mas competindo ferozmente com os maiores rivais. E, neste final de semana, o Partizan celebrou a reconquista da taça, dando o troco pela conquista dos alvirrubros no último ano. Triunfo forjado no clássico e, sobretudo, empurrado pelos torcedores. Após o compromisso final contra o Mladost Lucani, os fanáticos alvinegros fizeram uma festa impressionante nas arquibancadas do Estádio Partizan.

A energia transmitida pela torcida do Partizan ao longo dos 90 minutos foi enorme. E, motivado pela massa ensandecida, o time não deixou de devorar os adversários. Goleou por 5 a 0, com dois tentos de Leonardo, dois de Marko Jankovic e dois de Neboja Kosovic. A vitória do Estrela Vermelha por 4 a 0 sobre o Radnicki Nis pouco adiantou, já que os alvinegros se mantiveram três pontos à frente no octogonal decisivo. Já ao final, o espetáculo ficou por conta dos ultras, que acenderam sinalizadores por toda a volta das arquibancadas, criando um enorme “anel de fogo”. Enquanto isso, o Marakana tinha a sua festa, um pouco menos feliz, de despedida da temporada.

A arrancada do Partizan na reta final contribuiu enormemente para a conquista. O Estrela Vermelha terminou a temporada regular com seis pontos de vantagem, diferença que se reduziu a três pontos na fase decisiva. Entretanto, enquanto os alvirrubros não mantiveram a regularidade, os alvinegros vieram babando. Sem perder na liga desde agosto, ganharam todos os seus sete jogos no octogonal. Inclusive o clássico diante dos rivais, anotando 3 a 1 em pleno Marakana.

Entre os destaques da campanha, vale ressaltar o papel fundamental do meia brasileiro Leonardo. O paranaense de 25 anos, que começou nas categorias de base do Matsubara e peregrinou por seis países diferentes da Europa desde então, desequilibrou para os alvinegros. Foram 24 gols na campanha, três deles contra o Estrela Vermelha, além de sete nos sete jogos do octogonal decisivo. Terminou dividindo a artilharia do campeonato com Uroš Đurđević, seu companheiro na linha de frente. Ambos foram responsáveis por mais da metade dos gols da equipe treinada por Marko Nikolic, que teve o segundo melhor ataque e a melhor defesa.

Este é o 27° título nacional do Partizan, o oitavo desde a separação do Campeonato Sérvio, em 2006/07. Os alvinegros não ficavam com a taça desde 2015 e se garantiram na segunda fase preliminar da Liga dos Campeões. Além disso, o clube pode faturar a dobradinha no país, decidindo a Copa da Sérvia justamente contra o Estrela Vermelha, em final marcada para o próximo final de semana. Deve pegar fogo, e nos mais diferentes sentidos.

Destaque para o material das páginas Mundo das Torcidas e O Canto das Torcidas: