A tensão entre as Coreias não começou ontem. Depois de 1300 anos sendo uma só, a península coreana foi dividida em duas zonas de ocupação por consequência da rendição do Japão aos ataques de Hiroshima e Nagasaki e da vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial. Os Estados Unidos, que tinham o domínio sobre o sul do território, e a União Soviética, que ficou com o norte, entraram em um conflito, e isso resultou em uma batalha armada, a Guerra da Coreia. Desde então, os dois países, por possuírem divergências políticas e econômicas muito grandes, vivem em um constante embate, mas parece que Gianni Infantino não tem muita consciência disso.

LEIA TAMBÉM: [Especial Itália 80/90] Como um norte-coreano derrubou todos os clubes italianos

O presidente da Fifa está visitando a Coreia do Sul e hoje concedeu uma entrevista propondo uma partida amistosa entre as seleções sul e norte-coreana. Para ele, a partida destacaria o espírito do futebol como um esporte “além das fronteiras”, que pode unificar em vez de dividir. Além disso, o dirigente disse que estaria disposto a ajudar e dar assistência no que fosse necessário para que o confronto acontecesse.

É, no mínimo, muita inocência de sua parte pensar que um jogo de futebol entre as Coreias poderia ser um passo para que a paz entre os dois países fosse selada. A Coreia do Norte acabou de lançar um míssil no mar por meio de um submarino. A Coreia do Sul e os Estados Unidos se sentem ameaçados e não descartam a possibilidade até de um ataque contra os norte-coreanos. Ou seja,  o clima entre estes países não tem nenhuma previsão de melhora. Estamos falando de um país que não tem medo de fazer testes nucleares e outro que tem total apoio da potência militar que devastou duas cidades simultaneamente em menos de um dia.

Ao todo, as duas Coreias participaram de 11 edições da Copa do Mundo. A última vez que os dois países se enfrentaram em campo foi em 2005, em amistoso de comemoração dos 60 anos de independência das Coreias do domínio japonês, na capital sul-coreana. Antes disso, as seleções jogaram duas partidas consecutivas em outubro de 1990, em Seul e Pyongyang. Seja como for, um amistoso poderia até ser disputado – como, por exemplo, já aconteceu nestas datas citadas.

Se o clima entre os dois países fosse de reconciliação, como por exemplo acontece neste momento entre Cuba e Estados Unidos, seria diferente. Atualmente, um amistoso entre as duas Coreias como forma de incentivar a paz não parece uma grande ideia. Mas, claro, isso tem muito de caráter político que o presidente da Fifa faz.