Um visitante que veio jogar futebol. O Independiente del Valle mostrou um futebol de qualidade para se sobressair diante do time alvinegro paulista e saiu da Arena Corinthians com um 2 a 0 na bagagem, um futebol melhor que os mandantes e um passo gigante para a decisão da Sul-Americana. O que se viu em Itaquera foi um time visitante que sabia o que fazer e executou bem o plano. E não era se defender: era jogar, tentar tocar bem a bola, sair da pressão e provocar os erros na saída de bola. O Corinthians sempre ficou desconfortável no jogo, ao contrário dos visitantes. E agora precisará fazer algo improvável para reverter a tendência do time do Equador ir para Assunção decidir o título.

O primeiro tempo mostrou o Independiente del Valle jogando ao seu estilo: jogo com bola no chão, trocando passes em velocidade para tentar chegar rapidamente ao ataque. E pressionou a saída de bola do Corinthians, complicando por vezes o time da casa a sair com tranquilidade ou com uma bola limpa. Os corintianos tiveram muita dificuldade para jogar. Os equatorianos, por sua vez, conseguiram impor o seu jogo, especialmente com Cristian Pellerano, que iniciava as jogadas.

Logo no começo do jogo, o Independiente Del Valle abriu o placar. Cristián Dájome foi lançado pela esquerda, na cara do gol, finalizou, Cássio defendeu e, no rebote, a bola bateu em Gil e entrou. Gol do Del Valle, mas que nem deu tempo para comemorar: o auxiliar já levantava o seu instrumento marcando impedimento. Depois de revisado pelo VAR, o impedimento foi confirmado.

Aos 18 minutos, Mateus Vital vez uma boa jogada pela esquerda, puxou para o meio e bateu colocado. A bola bateu no pé da trave e saiu. Uma grande chance do time da casa. O problema é que o Corinthians sofria para conseguir finalizar no gol. Foram sete chutes a gol no primeiro tempo, nenhum deles no alvo.

Aos 43 minutos, não teve jeito. Gabriel Torres tabelou, recebeu de volta, em posição legal, e tocou na saída de Cássio para marcar 1 a 0. Só que o gol foi imediatamente anulado pelo árbitro por impedimento – algo que, curiosamente, o auxiliar não marcou. O lance foi revisado pelo VAR e o árbitro foi até o monitor, sem qualquer necessidade. A posição era legal por muito. Gol validado e, assim, Independiente Del Valle 1 a 0 no placar.

No total, quase oito minutos gastos no primeiro tempo com o VAR. Uma demora muito grande da arbitragem para lances simples. Evidentemente, o tempo não foi acrescido de forma devida. O Corinthians terminou o primeiro tempo sem conseguir jogar bem e perdendo o jogo.

Por isso, no segundo tempo, o técnico Fabio Carille já voltou com duas alterações: saíram Clayson e Gabriel, entraram Matheus Jesus e Gustavo. O time ficou mais agressivo e ao menos arriscou mais o chute. Em 12 minutos, chutou duas vezes a gol, sendo uma certa. Mas o time era muito mais ofensivo, empurrando o Independiente Del Valle para o campo de defesa.

Bastou uma bola mal passada pelo Corinthians que o Independiente Del Valle aproveitou. Pedrinho passou a bola pelo meio, interceptada pelo Del Valle, que avançou com Alejandro Cabeza, que cruzou na segunda trave para Gabriel Torres completar de primeira: 2 a 0, aos 24 mnutos. A situação do Corinthians se complicava.

Depois disso, o Corinthians derreteu em campo. Não sabia o que fazer, enquanto o adversário parecia ter plana ciência do que precisava. E procurava encontrar outros gols, chegando com perigo em alguns contra-ataques. Sempre tocando bem a bola, em velocidade. O Corinthians, que tanto pressionava no início do segundo tempo, sofria mais para chegar ao ataque e criar chances para finalizar.

Nos últimos minutos, o Corinthians foi para o abafa, mas parecia não ter muitas ideias. O Corinthians tinha espaço para jogar, mas não conseguiu fazer nada com isso. Enquanto isso, o Independiente Del Valle sabia o que fazer, com ou sem a bola. Assim, sai de São Paulo com uma imensa vitória e uma vantagem importante para classificar-se à final.

Precisará evitar uma derrota por mais de um gol de diferença. Se conseguir, o time equatoriano irá para a sua segunda final continental em quatro anos. Em 2016, decidiu o título da Libertadores contra o Atlético Nacional, mas acabou derrotado. Estará a um passo, um jogo, de chegar à sua segunda decisão. E pelo que os dois times jogaram, será preciso uma grande mudança para perder a classificação. Porque o que se viu em Itaquera foi uma espécie de Dia da Marmota. O Corinthians segue vivendo os mesmos jogando, fazendo as mesmas coisas, cada vez mais sem graça.