Uma noite do improvável. Wellinton e Deivid marcaram pelo Flamengo no Engenhão em dia de vitória fácil por 3 a 0 sobre o Lanús. O rubro-negro torcia. Depois de torcer pelo Emelec para empatar, a massa rubro-negra queria gol do Olimpia. Nos acréscimos, ele veio. Empate por 2 a 2. Fla levaria vaga de maneira inacreditável. Só que mais do que inacreditável foi o gol do Emelec nos acréscimos, de cabeça, que deu a vitória e a classificação ao time equatoriano. Inacreditável e improvável.

Dia decisivo na Libertadores, principal torneio internacional para um time brasileiro. Um time conhecido por ser o mais popular do país. É preciso uma combinação de resultados para que o time se mantenha vivo. O estádio, porém, não tem grande público. Talvez uma forma de a torcida se manifestar sem dizer uma palavra.

Fez-se luz. Aos nove minutos, Ronaldinho lembrou que foi um grande jogador e deixou Vagner Love em boas condições para finalizar. O atacante chutou cruzado de pé esquerdo, mas a bola foi para fora. No Paraguai, o Olimpia ameaçou. E com uma bola na trave de Marín, quase abriu o placar. O jogo, porém, seguia 0 a 0.

Um herói improvável. Darío Botinelli fez passe em profundidade para Júnior Cesar, que tentou o cruzamento e ganhou o escanteio. Quem fez a cobrança foi o próprio Botinelli, com muita curva, na segunda trave. E quem subiu para vencer a zaga de cabeça e meter a bola na rede foi, talvez, o jogador mais perseguido pela torcida do Flamengo desde 2011: Wellinton.

O Emelec, no Defensores Del Chaco, mostrou que estava vivo e quase marcou. Em duas chances em um mesmo lance, o time desperdiçou a oportunidade de ficar em vantagem. E o time equatoriano era quem mais chegava.

De volta ao Engenhão. Eis que, aos 27 minutos, Mariano Pavone ajeitou para trás e Diego Valeri finalizou com força. Felipe fez uma boa defesa, aliviando a torcida rubro-negra no Engenhão. Alívio que viria mesmo aos 42 minutos, quando Ronaldinho teve outro lampejo do jogador que um dia foi. Segurou a bola entre os defensores do Lanús e abriu para Deivid, com liberdade, finalizar cruzado: 2 a 0 Flamengo.

O juiz apitou o fim do primeiro tempo no Rio de Janeiro. O torcedor rubro-negro torcia para que o mesmo tivesse acontecido no Paraguai. Aos 46 minutos no Defensores Del Chaco, Arnaldo Castorino pegou o rebote de um chute que o goleiro rebateu e mandou para as redes. Os paraguaios estavam na frente e, assim, com a classificação nas mãos.

Início do segundo tempo. Em um contra-ataque, Luis Antonio sai jogando com um chapéu no adversário e toca para Deivid, que acha Ronaldinho na ponta esquerda. O camisa 10 parece ter lembrado mais uma vez que foi um grande jogador e fez dois dribles fantásticos, chegou à linha de fundo e cruzou pelo alto para Luis Antonio completar de primeira. Flamengo 3 a 0.

Em Assunção, o começo do segundo tempo foi tenso. O Olimpia parecia nervoso, ficava mais com a bola. O primeiro lance de perigo da segunda etapa no Paraguai, porém, foi o time equatoriano. Em uma falha do goleiro do Olimpia, que soltou a bola, o Olimpia quase marcou, mas mandou fora.

O Flamengo diminuiu o ritmo. Viu o Lanús crescer no jogo e passar a ficar mais com a bola. Até os jogadores do Fla pareciam querer ver o jogo do Olimpia. E mesmo jogando de azul, quem marcou pelo Flamengo foi o Emelec. Em um levantamento para a área, Marcos Mondaini mandou para a rede. Era o gol de empate em Assunção. O gol que poderia dar a classificação ao Flamengo.

Só que o jogo não estava definido. Ao contrário, o Defensores Del Chaco tinha um jogo aberto. O Emelec quase chegou ao segundo gol em um lance inacreditável, com direito a bola na trave e pipocando dentro da pequena área, mas o Emelec não conseguiu colocar para dentro. E o Olimpia, sentindo o desespero da eliminação se aproximar, foi para cima.

Em contra-ataque, chegou perto do gol, mas Marín, principal jogador do time, fez um passe impreciso, a zaga tirou e em um chute de fora da área, quase o time da casa marcou novamente. E em contra-ataques, o time visitante levava muito perigo. Os paraguaios mostravam nervosismo em campo.

O jogo no Engenhão já tinha acabado. Os jogadores, porém, ficaram em campo para saber sobre o jogo do Olimpia contra o Emelec. Àquela altura, 2 a 1 para o Emelec. A torcida do Fla pelo time paraguaio acabou dando resultado. Pablo Zeballos, em uma cobrança de escanteio, empatou o jogo. Loucura no Defensores Del Chaco: 2 a 2. Fla, assim, levaria a vaga. Só que no lance seguinte, o inacreditável entrou em campo novamente.

Em outro escanteio, José Quiñónez subiu de cabeça e mandou para a rede. Inacreditável e incrível. Olimpia 2, Emelec 3. Foi o gol da classificação dos equatorianos, que estavam quase eliminados até a rodada passada.

Os jogadores do Flamengo, em campo, lamentavam, depois de comemorarem o gol de empate do Olimpia. O rubro-negro está eliminado da Libertadores.