Lá no Pará, metade dos fanáticos por futebol já estava chamando de Copa Azul. Tudo parecia encaminhado para o título do Remo na Copa Verde e a vaga na Copa Sul-Americana de 2016, após a goleada por 4 a 1 no Mangueirão cheio. Mas se te disserem que o futebol é uma caixinha de surpresas, por mais clichê que seja, acredite. Porque o Cuiabá ignorou o moral remista para protagonizar uma das maiores viradas da história do futebol brasileiro. Impossível de reverter na Arena Pantanal? Não com os 5 a 1 no placar, que deram a taça aos mato-grossenses e a vaga na competição continental. Um feito para a história.

O primeiro tempo já foi suficiente para o milagre do Cuiabá. Raphael Luz encarnou as esperanças do time e marcou dois gols em 34 minutos. O primeiro saiu em cobrança de pênalti, enquanto o atacante aproveitou a tentativa de bicicleta de Nino Guerreiro para balançar as redes outra vez. E o Cuiabá já tinha um placar suficiente para o título, graças ao gol fora de casa, aos 42 minutos: Dadá mandou contra as próprias redes e deu o terceiro tento de graça aos mato-grossenses.

O drama do Remo se tornou ainda maior no começo do segundo tempo. Raphael Luz completou fez o terceiro aos cinco, em mais uma cobrança de pênalti. E, para piorar, Max recebeu o segundo amarelo e deixou os paraenses com um a menos. Só que, apesar da noite letárgica dos remistas, ainda havia esperança. Val Barretos completou cruzamento e fez o de honra dos visitantes na Arena Pantanal, em resultado que levaria a decisão aos pênaltis. Só que, definitivamente, a sorte estava do lado dos cuiabanos.

O gol do título do Cuiabá aconteceu ainda no tempo normal. Em uma jogada de Felipe Blau, Nino Guerreiro apareceu dentro da área para completar de cabeça. Um nome emblemático para a postura dos mato-grossenses após o baile no Mangueirão. Para coroar a maior partida da história do clube e garanti-lo pela primeira vez em uma competição continental.

Ao longo da campanha, o Cuiabá passou por Cene, Estrela do Norte e Luverdense. Mas nenhuma vitória foi mais dramática do que a vivida diante do Remo. Os cuiabanos mantêm a hegemonia do Centro-Oeste na Copa Verde, após o título do Brasília na primeira edição, e ainda por cima “vingam” a derrota do Paysandu na decisão de 2014. Isso, porém, é detalhe. O momento é de desfrutar a virada fantástica e o título mais importante que o clube já conquistou.