Semana de Champions League é sempre uma preocupação para os técnicos. Poupar ou não poupar os jogadores? Na Europa, os grandes clubes costumam rodar o elenco, mas não jogar com um time inteiro reserva. O Paris Saint-Germain resolveu ir com tudo contra o Caen, porque a disputa do título francês está apertada. Só que o prejuízo foi grande.

LEIA TAMBÉM: A queda do Marseille passe pelos pecados de Payet

O PSG abriu o placar com um golpe de kung fu de Ibrahimovic logo no primeiro minuto e ampliou a vantagem para 2 a 0 ainda no primeiro tempo. Mas as lesões vieram, a boa atuação não, e o time foi sendo pressionado. No final, tomou um gol que parecia o de honra do Caen, mas não foi: nos acréscimos sofreram o gol de empate. E as más notícias não terminam aí. Foram quatro lesionados e muitos problemas para o jogo contra o Chelsea.

O gol de Ibra foi típico: Aurier cruzou da direita e o sueco deu uma patada na bola para empurrar ela para o gol como se fosse uma luta. O problema é que na comemoração ele tirou a camisa para mostrar as muitas tatuagens e recebeu cartão amarelo, que o suspende do próximo jogo. Mas era só a primeira má notícia do jogo.

Um gol logo a um minuto é sempre a melhor forma de começar um jogo. Só que a atuação do time não era lá grande coisa, na verdade. Mesmo assim, arrancou um segundo gol ainda na primeira etapa, em uma boa jogada trabalhada por Lucas, Ibrahimovic e que terminou na finalização precisa de Lavezzi. Os 2 a 0 deixaram o PSG tranquilo no jogo. Talvez tranquilo demais.

Há quem diga que 2 a 0 é um resultado perigoso, em uma dessas místicas inexplicadas do futebol. Bom, talvez só mesmo a mística sirva para explicar o que aconteceu com o PSG. A atuação não era boa, é verdade, mas o time conseguiu vencer muitas vezes nesta temporada assim, sem grandes atuações, mas com eficiência no último terço do campo. O problema é que as lesões se tornaram um adversário duro demais.

Logo aos 16 minutos de jogo, com o placar em 1 a 0 para os parisienses, Yohan Cabaye teve que deixar o campo machucado, substituído por Adrien Rabiot. O jogador entrou mal no jogo, errando muitos passes e quase levando ao gol de empate do Caen em seus erros individuais. O gol no final do primeiro tempo pareceu acertar as coisas, mas no intervalo o time teve novo problema: o zagueiro Marquinhos deixou o campo, machucado, e foi substituído por David Luiz. Depois, aos 23 minutos, Blaise Matuidi também deixou o campo, também machucado, e deu lugar a Gregory van der Wiel.

A coisa se complicou quando Aurier caiu no chão, machucado, e teve que deixar o gramado. Assim, o PSG ficou com um jogador a menos. Mas a situação ficaria ainda pior quando Lucas começou a sentir. Sem substituições no PSG, o brasileiro tentou ficar mais um pouco, mas o técnico Laurent Blanc resolveu tirá-lo de campo e não correr mais riscos. O PSG ficava com nove em campo e o drama começava.

Os torcedores pareciam sentir e David Luiz convocou as arquibancadas a participarem mais do jogo, apoiarem. Aos 44 minutos, Emiliano Sala marcou o gol do Caen. Um gol que não parecia que iria de fato alterar a partida. Eis que aos 46 minutos, falta na entrada da área. Tensão no estádio. Herve Bazile cobrou com categoria, no ângulo, e marcou um belo gol para empatar o jogo.

Um jogo terrível para o time da casa, porque a diferença para o líder Lyon pode aumentar para quatro pontos, caso os lioneses vençam o Lorient, fora de casa, neste domingo. O PSG tem 49 pontos, mesma pontuação do Olympique de Marseille, que empatou por 2 a 2 com o Stade de Reims na sexta.

Depois do jogo, Blanc deu outra má notícia aos torcedores do PSG. Marquinhos, Aurier, Cabaye e Lucas estão fora da partida de terça-feira contra o Chelsea, jogo de ida das oitavas de final da Champions League, em Paris. Quatro desfalques certos. E mais: Matuidi é outro que está em dúvida, depois de também se machucar. Muitos problemas para um confronto que tende a ser tão difícil, já que o Chelsea vem em grande temporada na Inglaterra. A missão, agora, parece ainda mais difícil.

Gols do jogo: