Hora de rever as contas

Chegou ao fim mais uma edição da Premier Liga russa. Para ser mais exato, a 17ª edição do torneio que segue o calendário solar. O título já estava garantido para o Rubin Kazan há três rodadas, mas a última, que foi disputada neste final de semana, reservava brigas interessantes e fundamentais para o planejamento dos clubes para 2009.

Amkar Perm e Zenit St. Petersburg jogavam para se manterem na quarta e quinta colocações, respectivamente, enquanto Krylya Sovetov, Spartak Moscou e Lokomotiv Moscou eram os demais concorrentes às duas vagas na próxima (e nova) Copa Europa, que substitui a Copa Uefa.

O confronto mais aguardado era entre Spartak e Zenit, no estádio Luzhniki, na capital russa. Com uma atuação espetacular do português Danny, autor de dois gols e da assistência para Pogrebnyak, o time de São Petersburgo, empurrado por sua torcida que compareceu em massa, venceu os rivais por 3 a 1 – Pavlenko marcou o gol de honra.

Com esse resultado, e a vitória do Amkar sobre o Khimki por 3 a 1, de nada adiantaram os triunfos do Krylya contra o Terek (4 a 3) e do Lokomotiv sobre o Rubin (2 a 1).

Para o time de Perm, a classificação para a Copa Europa é algo eufórico. Ninguém no clube imaginava, no começo do ano, que a equipe teria condições para alcançar tal feito. Agora precisará reforçar o elenco e já fazer o planejamento para a competição. O Zenit, por outro lado, não fez mais do que a obrigação.

Com um dos melhores elencos do país, o time começou mal a Premier Liga por ter se dedicado, muito bom por sinal, à disputa da última Copa Uefa, na qual sagrou-se campeão. Imaginava que o time recuperaria os pontos perdidos, principalmente após a pausa para a disputa da Eurocopa. Mas não foi o que aconteceu. A vaga na Copa Europa veio na bacia das almas. Para a próxima temporada, muitas mudanças devem ocorrer no elenco, começando com a saída de Andrei Arshavin.

Por fim, nas três primeiras colocações, análises bem diferentes. O Rubin Kazan, campeão, apostou em um elenco de veteranos, deu seqüência ao trabalho de seu treinador Kurban Berdyev e se mostrou quase imbatível ao longo de todo torneio. Liderou desde a segunda rodada e, a despeito da descrença dos adversários e da imprensa, conseguiu manter o ritmo, contou com tropeços bobos dos principais rivais e foi merecidamente coroado com o título, no aniversário de 50 anos do clube.

O vice-campeão CSKA Moscou também tem motivos de sobra para comemorar. No início da competição, poucos apostavam no time, que perdera alguns brasileiros (Jô, Dudu Cearense e Daniel Carvalho), vinha de maus resultados e ainda teve o anúncio do técnico Valery Gazzaev que não continua no clube no próximo ano. No entanto, o treinador conseguiu motivar o elenco, teve um Vagner Love (artilheiro da Premier Liga com 20 gols) inspiradíssimo e ainda descobriu a mais nova jóia do futebol russo, Alan Dzagoev, de apenas 18 anos.

Em terceiro lugar, o Dynamo Moscou espera, agora, retornar aos seus melhores anos. Um dos times mais tradicionais e vencedores da União Soviética, há tempos não fazia uma boa campanha, pelo contrário, sofria constantemente na luta contra o rebaixamento. Fez uma temporada regular, sempre se manteve entre os primeiros e está de volta às competições européias após um longo período (na próxima coluna, com mais calma, trago esse número exato). Sem falar no ressurgimento do meia Igor Semshov, de 30 anos, grande maestro do time. Ele, por sinal, já anunciou sua transferência para o Zenit em 2009.

Liga dos Campeões que vira Copa Uefa

Desde o início já era previsto que Zenit, Shakhtar Donetsk e Dynamo Kiev teriam muitas dificuldades para avançar em seus grupos na Copa Uefa.

O time russo, teoricamente, é o melhor dos três, mas caiu em uma chave com os poderosos Real Madrid e Juventus, logo em sua temporada de estréia na LC. Fez ótimo jogos, mas pecou sempre nas finalizações. Garantiu o terceiro lugar do Grupo H, o que era o mínimo de se esperar desse time, que agora luta pelo bicampeonato da competição – ainda mais porque o outro elemento é o BATE Borisov.

Já o Shakhtar segue com sua sina de não ir bem na principal competição européia entre clubes. Nesse ano não fez tanto alarde, mas tinhas boas chances pelo Grupo C, já que Sporting e Basel estão longe de ser potências, como é o Barcelona. No entanto, tropeços diante do time português selaram suas chances. Ao menos se impôs sobre os suíços nesta semana, fez 5 a 0, com belíssima atuação de Jádson, e também vai para a Uefa.

Por fim o Dynamo Kiev foi o mais surpreendente de todos. Pelo Grupo G, a equipe flertou com a classificação, após sucessivas temporada ridículas na LC. Começou bem, empatando com Arsenal e Fenerbahçe e conquistando uma importante vitória sobre o Porto, fora de casa. O returno, porém, acabou com os sonhos dos ucranianos: derrotas para portugueses e londrinos. Joga por um empate com os turcos na última rodada, pela vaga na Copa Uefa.