A Federação Neo-Zelandesa de futebol anunciou um acordo importante para a luta das mulheres por direitos iguais dentro do futebol. Um novo acordo coletivo com a Associação de Jogadores Profissionais do país determinou direitos e pagamentos iguais para as seleções masculina e feminina. 

LEIA MAIS: Quando o futebol feminino atraiu multidões durante a Primeira Guerra Mundial

O New Zealand Herald acredita se tratar do primeiro acordo dessa natureza “entre os países filiados à Fifa”. Em outubro do ano passado, a Federação Norueguesa havia concordado com bonificações idênticas aos homens e às mulheres da seleção, relativo às atividades comerciais usando as imagens dos atletas

O acordo neo-zelandês vai mais longe. Iguala pagamentos, bonificações, direitos de imagem e também mesmas condições de viagens para representar a Nova Zelândia. Agora, as mulheres também terão acesso à classe executiva dos aviões em viagens de seis horas ou mais. 

“Estamos confiantes que isso acrescentará benefícios positivos para nossos programas de elite, não apenas para os jogadores de hoje, mas para os de amanhã também. O processo de negociação foi conduzido com respeito e uma visão conjunta com a Federação Neo-Zelandesa. A natureza do acordo será o primeiro deste tipo e esperamos que isso encorajará outras organizações a adotar uma abordagem similar”, disse.

A seleção masculina da Nova Zelândia disputou duas vezes a Copa do Mundo e está ranqueada em 133º na lista da Fifa. As mulheres participaram de quatro edições do Mundial (de sete no total) e de três Olimpíadas. Estão em 20º lugar no ranking da Fifa. 

Ano passado, veteranas da seleção brasileira feminina criticaram as condições de trabalho oferecidas pela CBF, um mês depois da demissão da técnica Emily Lima. A seleção feminina dos Estados Unidos, imensamente mais bem sucedida que a masculina, também reclama pagamentos mais equitativos.


Os comentários estão desativados.