O Arsenal atravessou semanas difíceis na Premier League. Se a classificação contundente contra o Napoli nas quartas de final da Liga Europa serviu para elevar o moral dos Gunners, o time precisou descer dos ares rapidamente em seus compromissos no Campeonato Inglês. A bem da verdade, os londrinos se esborracharam no solo, diante das dolorosas derrotas contra Crystal Palace, Wolverhampton e Leicester. Mais do que uma oportunidade, a semifinal do torneio continental se tornou uma necessidade. E no primeiro duelo contra o Valencia, enfim, a torcida londrina respirou aliviada. O time sofreu no começo e flertou com outro desastre, mas contou com suas estrelas no ataque para buscar uma boa vitória. O triunfo por 3 a 1 no Estádio Emirates recupera a confiança e oferece uma condição interessante para o reencontro no Mestalla.

A maior queixa sobre o Arsenal nestes vexames recentes se concentrou na defesa. Foram nove gols sofridos em apenas três partidas, muitos deles permitidos por falhas grotescas. Unai Emery confiava em uma linha com Laurent Koscielny, Shkodran Mustafi e Sokratis Papastathopoulos, além de Sead Kolasinac e Ainsley Maitland-Niles nas alas. A experiência no setor, porém, parecia não servir de nada aos Gunners. Os primeiros minutos foram tenebrosos, com o Valencia criando perigo a cada chegada.

O primeiro gol não saiu aos sete minutos porque, quase em cima da linha, Ezequiel Garay fez o mais difícil. Dani Parejo cobrou falta em direção à área, Rodrigo Moreno cruzou rasteiro e o zagueiro, sabe-se lá como, mandou por cima do travessão. Era uma tragédia anunciada, que se confirmou aos 10, com o gol dos Ches. Após cobrança de escanteio, Rodrigo ajeitou de cabeça no segundo pau e Mouctar Diakhaby completou na pequena área, mesmo cercado por três marcadores adversários. Pior, os Gunners sentiram o tento e acumularam erros. Deram sorte que Gonçalo Guedes não aproveitou uma entregada de Maitland-Niles, após Petr Cech espalmar o chute de Dani Parejo.

Somente depois disso é que o Arsenal acordou. E foi muito importante a reação imediata da equipe. O empate saiu em contragolpe aos 18 minutos. Alexandre Lacazette enfiou a Pierre-Emerick Aubameyang e o gabonês fez uma jogadaça. Arrancou, invadiu a área, puxou a marcação, chamou o goleiro. Facilitou demais o trabalho de Lacazette, que reapareceu para receber o passe de volta e concluir às redes escancaradas. O gol voltou a acalmar os Gunners, que também não tardaram a confirmar a virada. O segundo tento saiu oito minutos depois. A defesa do Valencia cochilou e Lacazette teve espaço para completar o cruzamento de Granit Xhaka. Neto ainda não foi bem na bola, espalmando com a mão mole, sem se recuperar a tempo de evitar que ela entrasse.

Melhor, o Arsenal manteve o domínio no final do primeiro tempo. Não criou tantas chances, mas controlou um pouco mais a posse de bola e não se expôs tanto na defesa. Já na etapa complementar, o duelo ficou mais aberto. Koscielny fez um corte providencial aos nove. Do outro lado, as respostas vieram com Lacazette – que, apesar dos créditos pelos dois gols, desperdiçou lances claros. Furou uma cabeçada de frente para o crime e depois viu Neto se agigantar no mano a mano, antes que Gabriel Paulista travasse o francês. E por mais que o Valencia tentasse pressionar nos 20 minutos finais, com Cech realizando grande intervenção contra Kevin Gameiro, os Gunners encontraram o caminho para matar a partida. Aos 45, em bombardeio contra a meta espanhola, Aubameyang apareceu para concluir o cruzamento de Kolasinac no segundo pau. O terceiro gol, que aumentou o alívio.

Obviamente, o Arsenal não tem permissão para relaxar. O desempenho ruim como visitante e os erros constantes da defesa indicam que os 2 a 0 necessários ao Valencia não são tão difíceis assim. De qualquer forma, até pela pressão anterior ao jogo, o lucro aos Gunners é considerável. Conseguiram se acertar na defesa e viram sua dupla de ataque resolver. Com os Ches precisando do resultado, talvez sobrem mais espaços para Lacazette e Aubameyang acelerarem também no Mestalla. Foi um caminho decisivo nesta quinta, no Emirates.