O futebol da Nova Caledônia esteve em festa neste sábado. Pela primeira vez, dois clubes do território marino chegaram à decisão da Champions League da Oceania. O Hienghéne Sport sagrou-se o grande campeão ao derrotar o Magenta, por 1 a 0, em Nouméa, com um lance de genialidade do atacante Antoine Roine, que soltou a perna do seu próprio campo de defesa e surpreendeu o goleiro adversário.

Temos que perguntar o que Marcelo Bielsa achou do lance. Porque, no começo da jogada, um atleta do Magenta ficou no chão sentindo dores, depois de uma forte dividida. O árbitro esboçou atendê-lo, mas, quando o próprio Magenta continuou jogando, voltou atrás. A defesa afastou, Roine ganhou a posse na altura do círculo central e teve presença de espírito para encobrir o goleiro com um chutaço.

O ex-jogador da seleção francesa Alain Moizan comanda o Magenta e, antes da partida, havia dito que o campeão seria o time que melhor se concentrasse – e estava certo. O time dele ainda teve uma chance de ouro de empatar, aos 25 minutos do segundo tempo, com um chute de bico à queima-roupa, mas o goleiro Rocky Nyikeine fez uma grande defesa com os pés. Ele já havia sido responsável por barrar um super chute de Jean Christ Wajoka no primeiro tempo. Não à toa, ganhou o prêmio de melhor goleiro do torneio.

“Claro que estou muito tocado por ter sido eleito o melhor goleiro. Eu tenho que estar preparado para jogos assim e eu estava. Por enquanto, acho que ainda não caiu a ficha que nos classificamos para o Mundial de Clubes. Talvez mais tarde, mas, no momento, não”, afirmou Nyikeine, que era goleiro da Nova Caledônia na campanha histórica da Copa das Nações de 2012, quando eliminaram a Nova Zelândia nas semifinais – e perderam do Taiti na decisão.

Os times da Nova Caledônia derrotaram os favoritos neo-zelandeses nas semifinais. O Magenta passou pelo dominante Auckland City, enquanto o Hienghéne despachou o então atual campeão Team Wellington. Foi a primeira vez desde 2010 que o vencedor do torneio continental não é oriundo da Nova Zelândia.

O Magenta, agora, soma dois vices da Champions League da Oceania. Em 2005, quando o campeonato voltou a ser disputado depois do surgimento do Mundial de Clubes, enfrentou o Sydney FC na decisão, na última participação dos australianos e foi derrotado por 2 a 0.

O Hienghéne, cujo único título do campeonato nacional da Nova Caledônia foi conquistado em 2017, entre quatro do Magenta, maior campeão nacional, garantiu participação no Mundial de Clubes, que foi confirmado pela Fifa, mas ainda não tem país-sede.

É, também, obrigatório acompanhar a sequência dos amigos do Impedimento, que acompanharam a partida em tempo real.