Os dois são jovens, promissores, habilidosos e selecionáveis. E mesmo não tendo características de artilheiros e protagonistas, ambos se converteram nas figuras de seus clássicos no último fim de semana justamente por… gols. Se os dérbis são feitos de personagens que se convertem em heróis justamente nesses duelos, Joao Rojas e Alan Pulido gravaram seus nomes na história de Cruz Azul e Tigres. Com dois gols e grandes exibições, comandaram suas equipes em desempenhos que dissiparam as dúvidas sobre suas capacidades de brigar pela taça.

Cruz Azul x Chivas e Tigres x Monterrey fizeram duelos disputados, contestados e, ainda que nenhum dos quatro esteja brigando pela liderança nesse início de Apertura, contaram com desfechos que podem definir as situações de seus protagonistas daqui em diante na competição. Curiosamente, os vencedores ocupam agora a 9ª e a 10ª colocação, próximos da briga pelo G-8, enquanto os derrotados amargam 14ª e 15ª lugares na tabela.

Promessa?

Na 100ª edição do Clásico Regiomontano, Tigres e Monterrey se enfrentaram com objetivos claros: além de crescer na briga pelo G-8, minar as chances do rival na disputa por vaga no mata-mata. Mesmo com o torneio ainda no início, o começo irregular de ambos os clubes já preocupava quanto às pretensões de Liguilla. Melhor para os felinos, que superaram o atual tricampeão da Concachampions e, com uma partida a menos, ainda devem entrar forte na disputa pelo topo da competição.

Em um duelo equilibrado, dois protagonistas centralizavam as expectativas: o chileno Humberto Suazo, pelo lado dos Rayados, e o argentino Lucas Lobos, pelo lado Universitario, líderes incontestes dos dois clubes e personificações de seus estilos e conquistas nos últimos anos. Ambos não deixaram a desejar. Marcaram gols (o de Lobos, que selou a vitória, uma verdadeira obra-prima) e chamaram a responsabilidade, mas outro personagem decidiu o jogo e monopolizou os holofotes.

Alan Pulido, promessa da base Auriazul, marcou duas vezes e garantiu o triunfo do clube da UANL. Com os tentos anotados, já soma três no Apertura, igualando suas melhores marcas em torneio anteriores em apenas 4 partidas. O amadurecimento de “La Bomba” pode ser uma excelente notícia para “Tuca” Ferretti e para os torcedores felinos. Além de afastar-se da pecha de eterna promessa que já vinha recebendo de alguns jornalistas, Pulido pode se consolidar como o parceiro ideal do argentino Villa, que aos poucos volta de lesão, ou mesmo como opção a dupla Lobos-Villa, de encaixe extremamente eficiente no Clausura.

Retoque

O duelo Cruz Azul x Chivas de Guadalajara, ainda que não some a mesma expectativa quanto aos embates frente aos respectivos rivais locais (UNAM e Atlas) ou América (em ambos os casos), ganhou relevância nas últimas décadas, principalmente graças ao tabu de quase 10 anos ostentado pelo Rebaño Sagrado sem perder na casa do rival. Alguns nem mesmo consideram o duelo um verdadeiro clássico, mas a disposição das duas equipes em buscar o resultado mostrou a importância dos três pontos para qualquer um dos lados.

Enquanto o Cruz Azul buscava retomar a boa fase que culminou no vice-campeonato do Clausura na primeira metade do ano, o clube de Guadalajara jogava pela marca de quase uma década no estádio Azul e pela própria recuperação. Os equilíbrios dos enfrentamentos de outrora ficaram para trás. Com um time mais entrosado, combativo e técnico, a Máquina acuou o adversário no campo de defesa, criou as melhores oportunidades e estendeu o péssimo momento do clube mais popular do futebol mexicano. Mais do que isso. Mostrou que o vice do Clausura e o título da Copa MX não foram acidentes. O elenco é bom e, de fato, tem chance de voltar à briga pela Liga MX.

E se o elenco é bom, melhor mexer pouco. Melhor mesmo apenas alterar de maneira pontual. E o retoque não poderia ter sido feito de melhor forma. Recém-contratado junto ao Morelia, Joao Rojas começou a justificar o investimento com um excelente início de campeonato. Autor de dois gols e uma assistência, o equatoriano, que chegou à capital azteca com objetivo declarado de brigar por títulos, algo cada vez mais distante no Morelos, tem tudo para se converter num dos grandes destaques de um time um tanto quanto experiente, mas farto em opções tecnicamente indiscutíveis.

Os triunfos em seus embates mais duros até aqui não garantem boas fases a Tigres e Cruz Azul, mas podem converter-se em ótimos fatores emocionais para arrancadas. Para seus destaques, a capacidade de impulsão é ainda maior. E a prova de que não somente de estrelas são feitos os clássicos, ainda mais emocionantes quando contam com heróis improváveis.

O mesmo não se pode dizer dos derrotados. O Monterrey ainda tem margem para evolução e um entrosamento indiscutível, enquanto o Chivas precisa, antes de tudo, arrumar um norte. Falta elenco, conjunto, comando e projeto. Reflexos que somente os clássicos, sempre eles, são capazes de ampliar.

Curtas

– Seleção do site Mediotiempo da 5ª rodada do Apertura: Oscar Pérez (Pachuca), Jonny Magallón (León), Javier Gandolfi (Tijuana), Francisco “Maza” Rodríguez (América) e Julio Domínguez (Cruz Azul); Carlos Esquivel (Toluca), Lucas Lobos (Tigres UANL), Richard Ortiz (Toluca) e Joao Rojas (Cruz Azul); Alan Pulido (Tigres UANL) e Oribe Peralta (Santos); T: Miguel Herrera (América); 

Costa Rica

– Com uma vitória por 4×2 sobre o Pérez Zeledón na rodada inaugural do Campeonato de Invierno, o Saprissa, contando com uma “tripleta” do jovem Mynor Escoe, lidera a competição. Atual campeão da Primera División, o Herediano estreou com um empate por um gol frente ao Uruguay, em casa. Outro grande que estreou mal foi a Alajuelense, derrotada em casa pelo Carmelita;

Guatemala

– Em busca do tricampeonato nacional, o Comunicaciones bateu o Iztapa pelo placar mínimo e segue na liderança do Apertura da Liga Nacional, com duas vitórias em dois jogos. Os Albos dividem a ponta com o Suchitepéquez, que venceu o Coatepeque na casa do adversário e também manteve os 100% na competição;

El Salvador

– Um triunfo em visita ao Águila, no Clásico Centro-Oriente, foi o suficiente para manter o Alianza como líder e único time com campanha 100% da Liga Mayor. Enquanto isso, o atual campeão Luis Ángel Firpo não passou de um empate contra o FAS e segue sem vencer no Apertura;

Honduras

– Vice-campeão do Clausura, o Real Sociedad estreou de forma brilhante no Apertura da Liga Nacional, derrotando o Real España por um categórico 3×0. Parrillas One, Savio e Victoria também venceram suas partidas e lideram após a rodada inaugural. Já o atual tetracampeão nacional, Olimpia, ficou no empate contra o Platense;

Panamá

– Com um triunfo mínimo no “Clássico do Futebol Panamenho” sobre o Plaza Amador, o Tauro assumiu a liderança do Apertura da Liga Nacional, com 8 pontos em 4 partidas. Único time ainda invicto na competição, os toros são seguidos de perto por Independiente, San Francisco, Chepo e Alianza, todos com 7 pontos;

Haiti

– Maior campeão nacional, o Racing Club Haïtien bateu o Baltimore e lidera o Hexagonal final da Division 1 da Liga Haitiana. Isso por que Mirebalais e Aigle Noir ficaram no empate e o duelo entre Petit-Goâve e Valencia, que completa a rodada inaugural da fase decisiva, será disputado apenas no decorrer da semana;

Nicarágua

– Com uma vitória fora de casa sobre o Chinandega, o atual tetracampeão Real Estelí manteve os 100% no Apertura do Campeonato Nacional, alcançando os seis pontos e liderando a competição ao lado do ART Jalapa, que impôs o primeiro revés ao tradicional Diriangén, maior campeão nacional.