O primeiro turno espetacular de Eden Hazard na Premier League não teve sequência nos últimos meses. O camisa 10 caiu de rendimento junto com o resto da equipe e até sinalizou sua insatisfação com a posição na qual vinha sendo escalado. Até fez algumas ótimas partidas recentemente, mas esparsas, também sucumbindo nas doloridas derrotas contra Manchester City e Manchester United. Ainda assim, o belga ainda é o protagonista dos Blues e salva pontos. Neste domingo, o time de Maurizio Sarri só evitou sua derrota contra o Wolverhampton graças ao craque, que tirou o coelho da cartola e anotou o gol do empate por 1 a 1 já nos acréscimos do segundo tempo. Não é o resultado esperado em Stamford Bridge, embora mantenha as pretensões rumo à zona de classificação à Liga dos Campeões.

O Chelsea parecia retomar os trilhos nas últimas semanas, sobretudo depois da acachapante goleada sofrida contra o Manchester City no início de fevereiro. O time vinha de três vitórias consecutivas e esperava confirmar a boa fase em um duelo difícil na Premier League, recebendo em casa o matreiro Wolverhampton. Não seria fácil. Apesar do domínio ao longo do primeiro tempo, os Blues encontravam dificuldades para finalizar. A insistência rendeu apenas arremates tortos nos primeiros 25 minutos, sobretudo com Gonzalo Higuaín. Rui Patrício mal precisou trabalhar. O lado bom era que, apesar da solidez dos Lobos na defesa, eles também não investiam no ataque. Não conseguiram uma mísera finalização ao longo dos 45 minutos iniciais.

O Wolverhampton, de qualquer maneira, jogava por uma bola. E ela surgiu de maneira magistral aos 11 minutos do segundo tempo, em um contra-ataque de manual. Após ganhar a bola no campo de defesa, os visitantes partiram a um contragolpe fulminante, arrombando a defesa do Chelsea. Diogo Jota teve ótima participação na entrada da área, ao limpar a marcação e entregar o presente para Raúl Jiménez. O centroavante chutou prensado e, mesmo assim, conseguiu vencer o goleiro Kepa Arrizabalaga. Com a vantagem aos Lobos, a missão dos londrinos se tornava ainda mais difícil em Stamford Bridge, precisando destrancar a área rival.

Hazard já era importante desde o início da partida, por sua movimentação. De qualquer maneira, o volume ofensivo do Chelsea dependeu das alterações de Maurizio Sarri. Logo após o tento, o treinador progressivamente mandou a campo Ruben Loftus-Cheek, Callum Hudson-Odoi e Willian, deixando a equipe mais agressiva. Faltava encontrar mais brechas, que fizessem o gol parecem próximo. Willian exigiu a melhor defesa de Rui Patrício aos 39 minutos, em tiro cruzado que o goleiro espalmou. Antes, ele já havia frustrado Pedro e Higuaín. A perseverança precisou se manter até os acréscimos, quando finalmente aconteceu o empate. Hazard recebeu na entrada da área e viu um clarão em seu caminho, com uma finalização rasteira que venceu o arqueiro português. Alívio (mas nem tanto assim) aos Blues.

O Chelsea soma 57 pontos na Premier League, na sexta colocação. Com os mesmos 29 jogos disputados, vê Arsenal (57 pontos) e Manchester United (58) logo à frente, embora os concorrentes façam o confronto direto neste domingo. Além disso, o Tottenham tem 61 pontos na terceira posição, mas um jogo disputado a mais que os Blues. As chances no G-4 permanecem abertas, mesmo que o time de Maurizio Sarri não apresente um futebol que alimente a confiança. Ter cartas na manga como Hazard, porém, pode fazer a diferença. Logo abaixo na tabela, o Wolverhampton é o sétimo, a 13 pontos de distância dos londrinos. Já é um desempenho ótimo que permite sonhar com a Liga Europa, justamente na temporada em que os Lobos retornam à primeira divisão.