Depois de um 2015/16 sem brio, Eden Hazard tem feito um lustroso início de temporada com a camisa do Chelsea. Os números do belga na Premier League não são mera maquiagem e refletem suas ótimas performances. Até então, foram sete gols e uma assistência em 11 jogos que atuou no campeonato. Quantidades que foram substanciais para que os azuis de Londres disparassem na tabela nestas útimas rodadas e atingissem a atual colocação, a vice-liderança. Um desempenho tão bom que para o meia-atacante, ele é o bastante para fazê-lo estar entre os cinco melhores jogadores do mundo.

VEJA TAMBÉM: Em verdadeiro show de seu trio de ataque, Chelsea engole o Everton e assume a liderança

“Espero estar entre os 5 primeiros da Bola de Ouro”, disse o jogador ao Het Laatste Nieuws. “Temporada passada foi difícil para mim. Eu não fui bem. Então foi perfeitamente compreensível que eu não estivesse na lista de melhores do mundo”, acrescentou. “Não estou buscando desculpas. Pela primeira vez na minha carreira, eu não alcancei meu nível máximo. Talvez eu estivesse um pouco cansado depois das centenas de partidas que eu joguei desde quando eu tinha 16 anos. E isso mental e fisicamente. Eu era um pouco disso, um pouco daquilo”.

Em pouco mais de dez jogos, Hazard conseguiu a excelente média de 3,3 chutes a cada 90 minutos. Foram 31 tiros no alvo até o confronto com o Everton, no último final de semana. Estatística só um pouco menor do que ele alcançou na temporada passada, e média muito melhor do que as das quatro temporadas passadas. “As pessoas me diziam que eu não chutava no gol o suficiente. Acho que agora eu tento chutar bastante, porque se você não o fizer, você não tem chances de marcar gols”, falou o camisa 10.

“Quero ser o melhor. Tento atingir esse nível. Como eu já disse anteriormente, estou jogando agora como se eu ainda fosse criança. Tenho curtido bastante minha posição em campo, que é diferente de antes”, comentou ainda o meia-atacante. “Agora eu me infiltro mais vezes. Isso me dá mais liberdade. Conte não mudou muita coisa, só o fato de que agora eu tenho um pouco mais de liberdade com e sem a bola”, revelou. “Não preciso voltar tanto para marcar o lateral-direito, já que Marcos Alonso fica atrás fazendo isso. Só tenho focado em pegar a bola, ir aonde eu quero com ela e, assim, ser decisivo”.