Há um ano sem jogar, Essien encontra um novo clube: o Persib Bandung, da Indonésia

O meia de 34 anos acertou com o último campeão indonésioa para dar sequência a sua careira gloriosa (e cheia de lesões)

Como Roger Milla e Mario Kempes, Michael Essien emprestará toda sua experiência para o futebol da Indonésia. Sem clube desde que deixou o Panathinaikos, no final da última temporada, o meia ganês de 34 anos assinou contrato de um ano com o Persib Bandung, da primeira divisão indonésia, com a opção de estendê-lo por mais 12 meses. A reta final de uma carreira recheada de glórias, títulos e, infelizmente, problemas físicos.

LEIA MAIS: Sem perdão! Jogador do Shenhua pode ficar até sem salário por pisão violento em Witsel

O Persib Bandung é o último clube que venceu o Campeonato Indonésio, mas faz tempo. Foi em 2014, mesmo ano em que a Fifa suspendeu o país por causa de interferência governamental no futebol. A federação nacional e o Ministério do Esporte estavam em meio a uma disputa pelo controle do esporte. A seleção foi excluída das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 e da Copa Asiática de 2019.

O ponto central da discussão era um decreto do governo que, segundo a Fifa, constituía interferência indevida no futebol indonésio. Em maio do ano passado, esse decreto foi rescindido e a entidade de Gianni Infantino levantou a suspensão. O Campeonato Indonésio será retomado em 2017, já com uma grande estrela para chamar a atenção. “Eu espero ser o prelúdio de outros jogadores mundiais vindo para a Indonésia”, afirmou Essien ao site oficial do clube. “Espero que este seja um bom começo para o futebol da Indonésia e para o Persib”. Segundo a imprensa de Gana, Essien será o jogador mais bem pago da Indonésia, com um contrato de € 800 mil por ano.

Ele usará a camisa 5, a mesma que vestiu para fazer história durante os oito anos em que defendeu o Chelsea, conquistando duas edições da Premier League, três da Copa da Inglaterra e uma da Champions League. Foi peça chave da equipe inglesa até sofrer uma séria lesão de ligamentos no joelho, em 2008, que foi o começo de uma série de problemas físicos. Disputou a temporada 2010/11 quase inteira antes de sofrer outra lesão debilitante no joelho. Ficou no banco de reservas durante os últimos cinco jogos da campanha europeia de 2012, mas conseguiu dar sua contribuição: atuou os 120 minutos da volta contra o Napoli, nas oitavas de final.

Essien foi para o Real Madrid, na temporada seguinte, a última em que conseguiu passar dos 30 jogos disputados. Em janeiro de 2014, foi para o Milan, clube que defendeu durante um ano e meio, com apenas 22 atuações. Jogou pelo Panathinaikos, em 2015/16, a maior parte do tempo como reserva, embora tenha tido uma sequência de nove jogos como titular na liga grega. No geral, entrou em campo apenas 15 vezes, em todas as competições, e sua última partida foi em 13 de março, com 19 minutos na derrota por 3 a 1 para o Olympiakos.

Jogador da seleção ganesa desde 2002, Essien disputou três Copas do Mundo e tem 58 partidas pelo time nacional. Seu último jogo foi contra os Estados Unidos, na primeira rodada do Mundial do Brasil. Ele ficou no banco durante outras duas partidas da fase de grupos.