Há 25 anos, o São Paulo conquistava o bicampeonato da Libertadores com o brilho de Raí e Palhinha

Ganhar a Libertadores é um desafio que todos os clubes sul-americanos sonham. Ganhar duas vezes seguidas é um feito muito mais difícil de conseguir. O último a conseguir o feito foi o Boca Juniors, em 2000 e 2001. Entre os brasileiros, o último a fazer isso foi o São Paulo de Telê Santana, em 1992 e 1993. Neste dia 26 de maio, a conquista do bicampeonato completa 25 anos. O título veio sob o comando do capitão e craque do time, Raí, em sua última conquista antes de partir para o Paris Saint-Germain, pouco depois. Naquela conquista, brilhou também o talento de Palhinha, que vestia a camisa 9 e era um dos armadores de um time difícil de ser marcado.

LEIA TAMBÉM: São Paulo de 93 era diferente do de 92 e tão bom quanto

Embora fosse um time ofensivo, aquele São Paulo tinha destaques na defesa, a começar pelo goleiro, Zetti, importante demais ao longo da campanha. Os laterais titulares, Vitor e Ronaldo Luiz, eram um perigo para as defesas adversárias. No meio-campo, Válber por vezes atuou de forma decisiva. O time ainda contava com Dinho e Pintado, dois volantes de davam sustentação ao time. E no ataque, um jogador que ficou famoso como camisa 2, mas que naquele time era o 11: Cafu, outro que brilhou ao longo da campanha.

O ano de 1992 tinha sido de toda glória ao São Paulo. Ganhou a sua primeira Libertadores de forma dramática, nos pênaltis, diante do Newell’s Old Boys de Marcelo Bielsa e do então zagueiro Mauricio Pochettino. Ganhou o Mundial de Clubes em uma atuação fantástica contra o Barcelona. Em 1993, o desafio começou com algo comum no Brasil da época, e ainda um problema hoje: o calendário.

O São Paulo jogou até quatro vezes por semana, como em abril daquele ano, que o time jogou 16 vezes em 30 dias. Com tantos jogos a fazer, o clube se recusou a disputar o Torneio Rio-São Paulo, por falta de datas. O que amenizou o problema foi que na época o detentor do título da Libertadores entrava nas oitavas de final da competição, já no mata-mata. A curiosidade é que o primeiro confronto do São Paulo já impôs um jogo cheio de significado: o duelo com o Newell’s Old Boys, finalista derrotado no ano anterior. É claro que os jogos seriam batalhas duras e o jogo de ida, na Argentina, já deixou isso claro.

A Folha de S. Paulo descreveu o São Paulo da estreia na Libertadores de 1993 como “irreconhecível”. Sem Raí, machucado, Telê escalou três volantes, Pintado, Dinho e Válber, e o time foi mal. “O São Paulo do primeiro tempo foi um simulacro do campeão mundial de clubes. Com três médios-volantes, incapaz de atacar, foi esmagado até a paralisação do jogo por queda de energia, aos 37 minutos”, escreveu a Folha. A derrota para o Newell’s teve falha do lateral esquerdo André, então com 18 anos. E gols de Gozzoni e Mendoza no estádio Parque Independência, em Rosario.

Na semana seguinte, o São Paulo recebeu o Newell’s no Morumbi precisando de uma vitória. E ela veio. Raí foi para o jogo no sacrifício, com o pulso quebrado e com uma faixa. O capitão acabou sendo crucial. Dinho marcou 1 a 0 em um chute de fora da área que foi desviado. Depois, foi Raí, com faixa no braço e tudo, que cobrou falta e marcou 2 a 0. Em uma jogada trabalhada entre Palhinha e Cafu (que era atacante na época), a bola foi ajeitada para Raí, que chutou forte e marcou 3 a 0 já no segundo tempo. Por fim, Palhinha deixou Cafu, o camisa 11 do São Paulo naquela Libertadores, na cara do gol para marcar 4 a 0 e ratificar a classificação.

As quartas de final tiveram um duelo doméstico: o Flamengo, campeão brasileiro do ano anterior. No jogo de ida, no Macaranã, empate por 1 a 1. A manchete na Folha de S. Paulo no dia seguinte foi “São Paulo deixa a vitória escapar”. Palhinha marcou um golaço por cobertura no primeiro tempo, mas Nélio, camisa 10, conseguiu o empate em um passe magistral de Júnior. Isso porque o Flamengo teve um jogador expulso aos 24 minutos do primeiro tempo, mas conseguiu manter o empate diante de 60 mil pessoas. “Não se pode perder gols assim. Eles estavam mortos. É um absurdo”, disse Telê Santana depois do jogo.

Se no jogo de ida o Flamengo escapou da derrota no Maracanã, no jogo de volta não teve jeito. O Flamengo, porém, dificultou muito a tarefa são-paulina. No Morumbi, fez um jogo de gente grande, como campeão brasileiro que era, e obrigou o goleiro Zetti a pelo menos quatro defesas difíceis. O Flamengo tinha, além de Júnior e Nélio, que brilharam já no jogo de ida, Marcelinho e também Djalminha, que entrou no segundo tempo da partida. Mas o São Paulo abriu o placar no primeiro tempo. Palhinha, decisivo, fez uma grande jogada e tocou para Muller driblar o goleiro de forma característica e tocar para o fundo da rede. O segundo gol, marcado já no segundo tempo, teve a jogada de Vítor, pela direita, cruzando para Cafu pegar de primeira e marcar 2 a 0. Se no primeiro tempo o São Paulo perdeu muitos gols, no segundo o Flamengo foi quem desperdiçou chances. A vitória classificou o tricolor à semifinal do torneio.

A semifinal seria contra um time com muitos jogadores que se tornaria conhecidos. O Cerro Porteño tinha Paulo César Carpegiani como treinador e nomes como Francisco Arce, que depois brilharia por Grêmio e Palmeiras, e Carlos Gamarra, zagueiro que desfilou seu talento no Brasil por Internacional, Flamengo, Corinthians e Palmeiras, além do famoso goleiro colombiano Faryd Mondragón. Em um jogo difícil, com o Cerro Porteño conseguindo se defender bem, o São Paulo arrancou uma vitória magra, 1 a 0, gol de Raí, depois de ótima jogada de Palhinha, outra vez decisivo.

O jogo de volta seria no sempre temido Estádio Defensores Del Chaco. Telê Santana armou o time deixando Raí mais à frente, junto com Muller, com Cafu fechando do lado esquerdo, Dinho do lado direito e Pintado fazendo a proteção pelo meio. O Cerro Porteño não conseguiu ser criativo e acabou não saindo do zero, mas não sem alguma dose de sofrimento. O empate por 0 a 0 garantiu o São Paulo na sua segunda decisão de Libertadores consecutiva.

Veio então o maior jogo do São Paulo naquela Libertadores. O jogo de ida da final foi contra a Universidad Católica, que tinha eliminado do América de Cali, da Colômbia. E foi um massacre no Morumbi. Só que o placar talvez engane, porque a Universidad Católica passou longe de fazer um jogo ruim, especialmente no primeiro tempo. O goleiro Zetti fez várias defesas importantes que não deixaram o time chileno sair na frente, mesmo jogando fora de casa. Quando o São Paulo marcou o primeiro, aos 30 minutos, foi com um gol contra. Palhinha foi lançado, acertou um chute na trave e a bola bateu em Lopez e entrou. O segundo gol também contou com a defesa da Católica: vitória chutou, a bola desviou e entrou: 2 a 0.

Raí comemora (Foto: reprodução revista Placar)

Foi no segundo tempo que o São Paulo conseguiu impor uma vantagem maior. Gilmar, em uma jogada individual, marcou um golaço e ampliou para 3 a 0. O São Paulo manteve o bom ritmo e aumentou. Palhinha tocou para Cafu, que cruzou para Raí, de peito, marcar 4 a 0. E a conta aumentaria mais ainda. Muller aproveitou a trapalhada da defesa da Universidad Católica para tocar de pé esquerdo, por cima do goleiro, marcando um golaço. No final, Zetti evitou o primeiro gol dos chilenos em uma sequência de defesas. Mas o árbitro deu um pênalti aos 40 minutos, Almada cobrou e diminuiu. A vantagem enorme deixava o São Paulo próximo de gritar bicampeão.

No jogo de volta, no dia 26 de maio, em Santiago, o São Paulo só precisava administrar depois da goleada. O São Paulo vinha de uma maratona naquele semestre. O jogo contra a Universidad Católica na decisão da Libertadores era o 51º no ano, que estava só em maio. E os chilenos causaram um susto. Aos nove minutos, abriram o placar com Lunari. Aos 14 minutos, Pintado fez pênalti e Almada cobrou para aumentar o placar para 2 a 0. Tensão no estádio Nacional. Os brasileiros viam sua vantagem cair muito em 15 minutos de jogo. O São Paulo melhorou o seu posicionamento e impediu que os chilenos marcassem mais gols, ficando assim com a taça.

Raí iria para o Paris Saint-Germain logo depois, vendido por US$ 2,7 milhões. Capitão, destaque e ídolo, o jogador marcou aquela época vencedora do São Paulo. A conquista daquela Libertadores teve um outro jogador como destaque, como se viu ao longo da campanha: Palhinha. O camisa 9 não era um centroavante. Nem poderia, com seu 1,74 metro de altura. Mas o meia-atacante ajudava a compor uma linha de frente móvel com Raí e Muller, tornando o camisa 10 por vezes um centroavante, ou mesmo Muller entrando para marcar os gols. A falta de referência tornava o time imprevisível e com laterais bastante ofensivos, Vitor e Ronaldo Luís. Muller já era consagrado como ídolo do São Paulo.

Aquele 26 de maio de 1993 entrou para a história do São Paulo por novamente ter um brasileiro como bicampeão, 30 anos depois do Santos em 1962 e 1963. Desde então, nenhum clube brasileiro conseguiu o bicampeonato.

FICHA TÉCNICA

Universidad Católica 2×0 São Paulo

Data: 26/05/1993
Local:
Estádio Nacional, em Santiago (CHI)
Árbitro: Juan Francisco Escobar (Paraguai)
Gols: Lunari aos 9’/1T, Almada aos 15’/1T (Universidad Católica)
Público: 45.000 pessoas

Universidad Católica: Wirth, Romero, Vasquez, Barrera e Contreras (Cardoso); Parraguez, Lepe (capitão) e Lunari; Tupper (Reinoso), Almada e Perez. Técnico: Ignácio Prieto

São Paulo: Zetti; Vítor (Toninho Cerezo), Válber, Gilmar e Marcos Adriano; Pintado, Dinho, Cafu e Raí (capitão); Palhinha e Müller. Técnico: Telê Santana.

Campanha

Oitavas de final

07/04/1993 – 0x2 – Newell’s Old Boys (Parque Independência)
14/04/1993 – 4×0 – Newell’s Old Boys (Morumbi)

Quartas de final

21/04/1993 – 1×1 – Flamengo (Maracanã)
28/04/1993 – 2×0 – Flamengo (Morumbi)

Semifinais

05/05/1993 – 1×0 – Cerro Porteño (Morumbi)
12/05/1993 – 0x0 – Cerro Porteño (Defensores del Chaco)

Finais

19/05/1993 – 5×1 – Universidad Católica (Morumbi)
26/05/1993 – 0x2 – Universidad Católica (Estádio Nacional)