A Copa América Centenário chega nesta sexta-feira para reunir os melhores times de todas as Américas. Esta é justamente a novidade desta edição. A Concacaf, desta vez, não é só uma convidada. A edição comemorativa vem em um mau momento, é verdade, e desfalca os clubes brasileiros. Mesmo assim, tem tudo para ser um torneio interessante.

O modelo tradicional da Copa América traz as 10 seleções da América do Sul e tem trazido também dois times convidados. Estados Unidos e México já disputaram a competição desta forma algumas vezes. Agora, porém, a competição será realizada em solo americano e com a Concacaf co-organizando.

Com isso, seis seleções da América Central e do Norte entram no torneio. A classificação foi feita baseada na última edição da Copa Ouro, torneio continental da Concacaf, que assim como a Copa América, foi realizada em 2015. A Copa América Centenário traz uma série de implicações e trazemos algumas delas neste especial.

HISTÓRIA

Como a Copa América moldou a identidade do futebol sul-americano ao longo dos últimos 100 anos

Tradição é algo que a Copa América tem muito mais do que qualquer outro torneio de seleções do mundo. Só para ter uma ideia, a Copa da Ásia foi disputada pela primeira vez em 1956. A Eurocopa só começou a ser disputada em 1960.

Em 1916, foi a primeira competição de seleções do mundo, então chamada de Campeonato Sul-Americano. Nesta matéria, Leandro Stein conta como o torneio ajudou a moldar o que conhecemos como futebol sul-americano.

MUDANÇA DE PATAMAR

Copa América Centenário significa desafio técnico mais alto para seleções da Concacaf

A entrada dos times da Concacaf na Copa América, ao menos nesta edição comemorativa, representa uma subida de nível em relação à Copa Ouro ou a torneios menores da Concacaf, como a Copa do Caribe. Nesta matéria, Nathalia Perez explica que tanto para as grandes seleções, como México e Estados Unidos, quanto as menores, como Haiti e Panamá, jogar com algumas das melhores seleções do mundo é uma mudança de patamar. Assim como a Austrália ao mudar da Oceania para a Ásia, os times da Concacaf tendem a aproveitar o melhor nível técnico de um torneio que conta com três campeões mundiais e nove taças da Copa do Mundo.

POLÍTICA

Política: o que os países da Conmebol tem a ver com os Estados Unidos

Os escândalos do Fifagate criaram uma relação intensa do futebol das Américas com os Estados Unidos. Politicamente, os Estados Unidos possuem uma forte ligação com o continente sul-americano. Nesta matéria, Bruno Bonsanti mostra um traço que liga cada um dos 10 países da América do Sul aos Estados Unidos, a maior economia do mundo – e a maior potência do planeta desde o século 20.

CONTEXTO E FUTURO

Como a Copa América Centenário pode unir Concacaf e Conmebol para além das seleções

A Copa América Centenário une Concacaf e Conmebol como organizadores, mas pode ser mais do que isso. Os mexicanos já participam da Libertadores desde 1998 e os americanos e mexicanos já figuram constantemente na Copa América. O Fifagate fragilizou Concacaf e Conmebol, que perderam prestígio e poder político. Cada vez mais faz sentido unir as duas confederações e a Copa América pode ser o primeiro passo.