Um guia para acompanhar, grupo a grupo, a briga pela repescagem nas Eliminatórias europeias

Desenhamos os cenários possíveis para a definição da última rodada das Eliminatórias na Uefa, com 21 times ainda alimentando os seus sonhos

As vagas diretas nas Eliminatórias europeias estão todas encaminhadas. Alemanha, Bélgica, Espanha e Inglaterra confirmaram a classificação à Copa do Mundo. Suíça e Portugal fazem confronto direto por outra vaga. Já nos demais grupos, apenas uma zebra considerável estraga a festa de França, Islândia, Sérvia e Polônia. Todos elas jogam em casa e apenas os poloneses não enfrentam uma baba mais clara, com a visita de Montenegro. Ainda assim, neste caso, o empate já garante a viagem à Rússia.

No mais, ficam as expectativas para a formação da repescagem, já que o pior segundo colocado entre os nove grupos será previamente eliminado. E algumas seleções precisam pegar a calculadora. A Itália é a única já confirmada nos playoffs decisivos, assim como o perdedor de Portugal x Suíça. Irlanda do Norte, Dinamarca e Suécia são outros três participantes prováveis. No mais, sobrariam três vagas para quatro grupos – onde a dança das cadeiras acontece. A Grécia é a mais ameaçada. Contudo, os gregos podem se salvar através de certos cenários em outras chaves.

Assim, no texto a seguir, tentamos desvendar um pouco da matemática nesta rodada final pela Europa. A base dos cálculos é a Grécia. E por que a Grécia? A seleção grega ainda não está totalmente garantida na segunda colocação, mas para isso depende apenas de uma vitória contra Gibraltar em seu último compromisso, para se confirmar à frente da Bósnia. Além disso, caso confirmem a posição, os gregos já fizeram todos os seus oito jogos contra os times que não ficaram na lanterna da chave. A tabela agregada para a definição dos melhores times para a repescagem descarta os pontos e os gols de ambos os confrontos contra o último de cada chave. Assim, a Grécia tem 13 pontos na tabela agregada e quatro gols positivos no saldo. Uma somatória que não é tão boa, considerando que, se todos os outros vice-líderes vencessem pelo placar mínimo, os gregos seriam justamente os descartados.

Abaixo, apresento um breve quadro considerando todos os times que ainda têm alguma possibilidade de ir à repescagem. Eles foram classificados conforme a probabilidade de figurarem entre os oito melhores segundos colocados, caso sejam mesmo os vice-líderes de suas chaves. Na sequência, explico (ou tento explicar) as situações possíveis em cada grupo. A intenção é que este post seja atualizado ao final de cada rodada, redefinindo o quadro conforme a conclusão dos grupos.

Vale lembrar que a definição do chaveamento da repescagem será baseada no Ranking da Fifa, com os quatro cabeças de chave determinados por sua pontuação em outubro. O sorteio será realizado no próximo dia 17.

PS: Não entendeu alguma coisa ou encontrou algum erro (o que pode acontecer, apesar das revisões)? Por favor, deixe o seu comentário, que responderei à medida do possível.

Se um desses times acabasse na segunda colocação de seu grupo, quais as chances de ir à repescagem?

Atualizado antes do início da última rodada

Garantidos: Itália/G, Suíça/B, Portugal/B, França/A, Suécia/A, Holanda/A, Islândia/I, Polônia/E
Muito próximos mesmo sem vencer: Irlanda do Norte/C, Dinamarca/E, Sérvia/D
Estarão tranquilos se vencerem: Escócia/F, Gales/D, Croácia/I, Ucrânia/I
Risco enorme mesmo vencendo: Grécia/H, Montenegro/E, Irlanda/D, Eslováquia/F
À espera de um milagre: Eslovênia/F, Bósnia/H

Tabela agregada com a pontuação dos segundos colocados

Atualizado antes do início da última rodada

Situação grupo a grupo

Grupos decididos no domingo

GRUPO G

Espanha classificada. Itália garantida na repescagem, independentemente do resultado contra a Albânia, já com 14 pontos somados na tabela agregada.

GRUPO C

Alemanha classificada. Só a Irlanda do Norte pode ir à repescagem, já com 13 pontos na tabela agregada. Um empate contra a Noruega fora de casa será suficiente, chegando aos 14 pontos, embora também avance com derrota simples, se mantendo à frente da Grécia. Pode até ser goleada, desde que: a Escócia não vença; ou que Gales empate; ou que a Croácia empate; ou que a Irlanda vença sem ampliar tanto seu saldo; ou que Montenegro fique em segundo em sua chave sem melhorar tanto o saldo.

GRUPO F

Inglaterra classificada. Escócia, Eslováquia e Eslovênia com chances de repescagem.

A Escócia vai à repescagem com uma vitória simples fora de casa sobre à Eslovênia, chegando aos 14 pontos na tabela agregada. Em caso de empate, precisaria torcer por um milagre da Bósnia. A Eslováquia, se vencer Malta e a Escócia perder ou empatar, teria uma ponta de chances. Chega a 12 pontos na tabela agregada, precisando torcer também por um empate entre Croácia e Ucrânia ou entre Gales e Irlanda para avançar no saldo – ou por um milagre da Bósnia. Já a Eslovênia tem que vencer a Escócia, torcer por um tropeço da Eslováquia e mesmo assim ficaria com 11 pontos, podendo se classificar apenas com a improvável ascensão da Bósnia.

Grupos decididos na segunda

GRUPO I

Islândia quase na Copa, Croácia e Ucrânia devem brigar pela sobra.

Para terminar como líder, a Islândia só precisa vencer Kosovo em Reykjavík. A Croácia assume a liderança com uma vitória sobre a Ucrânia em Kiev e ao menos um empate dos islandeses. O mesmo para a Ucrânia, que precisa bater a Croácia e tirar um gol de saldo dos islandeses ou superá-los no total de tentos marcados.

Mesmo que sofra uma hecatombe na última rodada e perca para Kosovo, caindo para o segundo lugar, a Islândia se classificaria à repescagem, com 16 pontos da na tabela agregada. Já se os islandeses confirmarem a liderança, Croácia ou Ucrânia precisaria vencer o confronto direto para se garantir, alcançando os 14 pontos na tabela agregada. Um empate talvez não seja suficiente, estacionando nos 12. Torceriam por um tropeço da Escócia ou pelo empate de Gales, desde que marcassem mais gols do que os galeses na tabela agregada.

GRUPO E

Polônia mais próxima da Copa, Dinamarca correndo por fora, Montenegro com chances apenas de repescagem.

A Polônia vai à Copa com pelo menos um empate contra Montenegro em Varsóvia. Caso perca, precisa torcer por um tropeço dos dinamarqueses em Copenhague, contra a Romênia. A Dinamarca irá à Copa com uma vitória simples e uma derrota simples dos poloneses.

Em relação ao segundo lugar, mesmo se perder para Montenegro e for ultrapassada pela Dinamarca, a Polônia vai à repescagem, com 16 pontos na tabela agregada. Caso os poloneses confirmem a classificação direta, um empate contra a Romênia será suficiente para a Dinamarca se confirmar na repescagem, com 14 pontos. Derrota por até três gols de diferença também já vale, desde que Montenegro não vença. Se os escandinavos perderem, Montenegro precisa vencer e superá-los no saldo para ficar em segundo. Com no máximo de 13 pontos, os montenegrinos também estarão em risco na tabela agregada. Para superar a Grécia, têm que vencer por dois gols de diferença. Ou então torcer por um empate em Ucrânia x Croácia; ou por um empate em Gales x Irlanda; ou por uma vitória da Irlanda sem fazer grande saldo; ou por um tropeço da Escócia; ou por um milagre da Bósnia.

GRUPO D

Sérvia quase na Copa. Gales e Irlanda brigando pela repescagem, correndo por fora na vaga direta.

A Moldávia ainda poderia deixar a lanterna, mas para isso precisaria vencer a Áustria e tirar uma diferença de 13 gols no saldo em relação à Geórgia. Nem vou considerar este cenário.

Para se garantir no Mundial, a Sérvia precisa apenas de uma vitória sobre a Geórgia em Belgrado. Um empate também serve, desde que Gales e Irlanda empatem em Cardiff ou que os irlandeses vençam sem tirar a diferença de quatro gols no saldo. Derrota vale aos sérvios com um empate em Cardiff. Para Gales ser líder, precisa vencer e torcer por um tropeço da Sérvia. Para a Irlanda ser líder, precisa vencer e a Sérvia preferencialmente perder, a menos que goleie Gales, tornando o empate dos sérvios suficiente.

Quanto à repescagem, a Sérvia só correrá riscos se ficar em segundo e perder, chegando aos 12 pontos, precisando de um milagre da Bósnia ou de tropeços de Escócia e Eslováquia. Gales vai à repescagem se ficar em segundo e vencer, com 14 pontos na tabela agregada. Em caso de empate, somando 12 pontos, precisa secar a Escócia e a Eslováquia, ou torcer por um milagre da Bósnia, ou terminar com mais gols que a Croácia em caso de empate em Kiev. A Irlanda, por sua vez, chegaria no máximo aos 13 pontos. Para se classificar nestas condições, teria ou que superar a Grécia no saldo; ou superar Montenegro no saldo, em caso de segundo lugar dos montenegrinos; ou que torcer por um empate entre Croácia e Ucrânia; ou por um milagre da Bósnia; ou por um tropeço da Escócia.

Grupos decididos na terça

GRUPO H

Bélgica classificada. Grécia e Bósnia com chances de repescagem.

Se a Grécia vencer Gibraltar, confirma a segunda colocação, os 13 pontos na tabela agregada e terá que secar a concorrência – Escócia, Irlanda, Gales, Montenegro, Croácia ou Ucrânia. Caso os gregos tropecem e a Bósnia bata a Estônia, os bósnios precisam de um milagre, somando 11 pontos e torcendo por uma situação excepcional no Grupo F, com a Eslováquia ressurgindo.

GRUPO B

Suíça e Portugal são os únicos times com chance de classificação. Quem vencer o confronto direto no Estádio da Luz garante a vaga na Copa, com o empate dando vantagem aos suíços. O derrotado vai à repescagem impreterivelmente, com pelo menos 18 pontos na tabela agregada.

GRUPO A

França quase na Copa, Suécia correndo por fora, Holanda com chances mínimas de repescagem.

A França garante a liderança com vitória sobre Belarus no Stade de France. Caso empate, torce por um tropeço da Suécia na visita a Amsterdã. Com uma derrota, os Bleus dependeriam de uma vitória da Holanda sobre os suecos. À Suécia, resta vencer e torcer por um tropeço da França.

Quanto à repescagem, por mais que Luxemburgo e Belarus não tenham decidido quem será o último, o cenário permaneceria igual. Se a França ficar em segundo, vai à repescagem mesmo perdendo na rodada final. A Suécia também estaria tranquila, até perdendo por seis gols de diferença da Holanda, com 13 pontos e amplo saldo sobre a Grécia. Já a Holanda carimba seu lugar na repescagem se ganhar da Suécia por sete gols de diferença.