Guia de La Liga 2020/21 – Villarreal

Este texto faz parte do Guia de La Liga 2020/21. Clique aqui e veja todos os clubes.

Por Daniel Souza e Guilherme Bianchini

Cidade: Villarreal (Valencia)
Estádio: Estadio de la Cerámica (23.500)
Técnico: Unai Emery (Espanha)
Posição em 2019/20: 5º (60 pontos)
Títulos: 0
Projeção: briga por Champions League
Principais chegadas: Rulli (G, Real Sociedad), Coquelin (V, Valencia), Parejo (MC, Valencia) e Takefusa Kubo (MD/MEI/ME, emprestado pelo Real Madrid)
Voltaram de empréstimo: Jaume Costa (LE, Valencia), Pedraza (LE/ME, Betis) e Dani Raba (MD/MEI/ME, Huesca)
Principais saídas: Andrés Fernández (G, Huesca), Mariano Barbosa (G), Quintillà (LE, emprestado ao Norwich), Zambo Anguissa (V/MC, pertence ao Fulham), Bruno Soriano (V/MC, aposentado), Morlañes (MC, emprestado ao Almería) e Cazorla (MC/MEI/ME, Al Sadd)
Time-base (4-4-2): Asenjo; Rubén Peña, Raúl Albiol, Pau Torres e Jaume Costa; Kubo (Chukwueze), Coquelin, Parejo e Moi Gómez; Paco Alcácer e Gerard Moreno.

Em uma janela marcada pela escassez de transferências, o Villarreal conseguiu o que parecia impossível: aumentar expectativas que já eram altas. A equipe também nadou contra a maré quando a bola voltou a rolar após a paralisação pela COVID-19: enquanto vários times apresentaram queda de rendimento, os castellonenses conseguiram uma arrancada que garantiu o honroso quinto lugar, de classificação direta para a Liga Europa, em uma temporada que prometia ser apenas de meio de tabela.

Ninguém contratou melhor que o Submarino Amarelo para La Liga 2020/21. À exceção de Rulli, goleiro de nível duvidoso que chega para a reserva de Asenjo, a diretoria buscou só jogadores com status de titular: Coquelin, Parejo e Kubo. A aquisição da dupla do Valencia, por sinal, foi um golpe de mestre: o volante francês custou apenas 6,5 milhões de euros, e o espanhol saiu de graça. Reposições na medida para as perdas significativas de Zambo Anguissa e Santi Cazorla, pilares da última campanha. Sem contar a aposentadoria de Bruno Soriano, ídolo que sofreu com lesões no fim de carreira.

Kubo também se transformou em uma ótima oportunidade de mercado. Enquanto ainda não ganha uma chance no Real Madrid, sente-se cada vez mais à vontade na Primeira Divisão. No limitado Mallorca, destoava dos companheiros. Agora cercado de bons jogadores, e em um esquema que potencializa suas virtudes, o japonês de 19 anos tem tudo para se firmar entre os maiores talentos do futebol espanhol. Para isso contará com um dos melhores treinadores do país, Unai Emery, outra aquisição que evidencia a ambição do projeto do Villarreal.

Sobram opções de alto nível para o tricampeão da Liga Europa, sobretudo no ataque. A maior esperança, é claro, se concentra em Gerard Moreno, vencedor do último Troféu Zarra — prêmio dado ao jogador espanhol com mais gols em La Liga. Como centroavante ou aberto pela direita, ele já mostrou estar em sintonia com Chukwueze e Paco Alcácer, outras figuras importantes na rotação do sistema ofensivo. Diante de tantas opções e de atletas polivalentes (Kubo é um deles), Emery pode escolher a disposição tática conforme suas necessidades.

Uma parte da defesa é tão confiável quanto o ataque, já que Asenjo é um ótimo goleiro e Raúl Albiol e Pau Torres formam uma das melhores duplas de zaga do campeonato. Mas a diretoria busca uma contratação na lateral esquerda, pois Alberto Moreno rompeu o ligamento cruzado do joelho esquerdo e ficará no estaleiro por ao menos seis meses. Apesar de Jaume Costa e Pedraza darem conta do recado, o Villarreal sonha com Estupiñán, do Watford. O equatoriano foi uma das revelações do último Campeonato Espanhol, quando estava emprestado ao Osasuna. Seria mais um reforço digno de uma equipe que faz de tudo para voltar à Champions League.