Guia de La Liga 2020/21 – Real Sociedad

Este texto faz parte do Guia de La Liga 2020/21. Clique aqui e veja todos os clubes.

Por Daniel Souza e Guilherme Bianchini

Cidade: San Sebastian (País Basco)
Estádio: Anoeta (32.076)
Técnico: Imanol Alguacil (Espanha)
Posição em 2019/20: 6º (56 pontos)
Títulos: 2 (último: 1981/82)
Projeção: briga por Champions League
Principais chegadas: David Silva (MEI, Manchester City)
Voltaram de empréstimo: Sola (LD, Numancia), Sagnan (Z, Mirandés), Kévin Rodrigues (LE, Leganés), Guridi (MC, Mirandés), Merquelanz (ME/MD/MEI) e Bautista (A, KAS Eupen)
Principais saídas: Zurutuza (MC, aposentado) e Ødegaard (MEI/MD, pertence ao Real Madrid)
Time-base (4-3-3): Álex Remiro; Zaldúa (Gorosabel), Le Normand, Diego Llorente e Monreal; Zubeldía, Mikel Merino e David Silva; Portu (Januzaj), Isak e Oyarzabal.

A Real Sociedad teve um 2019/20 extremamente positivo. Não é absurdo dizer que se não fosse a pandemia, pelo futebol que jogava, poderia ter disputado até mesmo a classificação para a Champions com mais força, apesar da dura concorrência. Entretanto, a Real foi uma das equipes que mais sofreu após a volta da paralisação. A equipe de San Sebastián teve apenas duas vitórias nos 11 jogos finais da temporada. Acabou garantindo a classificação para a Europa League apenas na última rodada.

Apesar disso, foi um ano bem-sucedido para uma equipe que vinha de temporadas frustrantes. Além dos bons resultados, a equipe mostrou um excelente futebol. Reforçou-se bem para o último campeonato, mas não se pode tirar os méritos de Imanol Alguacil, profissional de muitos anos no clube que recebeu a oportunidade de comandar a equipe principal em dezembro de 2018. Ao ganhar a chance de trabalhar desde o início da temporada, o trabalho trouxe frutos.

Com Ødegaard, Oyarzabal e Isak brilhando, a Real apresentou um dos melhores níveis de futebol do campeonato, sobretudo nas semanas pré-pandemia, conseguindo inclusive chegar à final da Copa do Rei sem que isso afetasse a performance no campeonato nacional, com destaque para a vitória por 4 a 3 contra o Real Madrid, na capital espanhola. Com o acordo firmado com o Athletic para que a final basca seja jogada somente quando for possível ter torcida, teremos esse encontro valendo taça em algum momento da temporada.

Como é o caso da grande maioria das equipes na Espanha e na Europa, com uma janela muito curta, a base do último ano foi mantida. A única mudança substancial ocorreu no setor de meio-campo. Como se imaginava, o norueguês Ødegaard foi chamado de volta pelo Real Madrid. Mas o reforço que chega não deixa por menos: David Silva, jogador da geração de ouro da Espanha, vai a Donostia após um surpreendente desfecho de uma negociação que parecia certa com a Lazio.

Apesar dos 34 anos, Silva certamente tem muito futebol a oferecer. O modelo do clube de mescla de veteranos, como Illarramendi, Nacho Monreal e, agora, David Silva, com jogadores jovens em franca evolução, casos de Oyarzabal, Mikel Merino e Isak, é muito interessante. Para não falar de Portu, que aos 28 anos vive o auge e é uma peça essencial para o funcionamento do time de Imanol. Além disso, a base tem revelado frutos importantes para a equipe principal, como o zagueiro Le Normand, titular absoluto, e o extremamente promissor Ander Barrenetxea, de 18 anos, candidato a explodir nesta temporada. A equipe terá um calendário ainda mais pesado com a Europa League, o que implica uma temporada desafiadora para o talentoso elenco txuri-urdin.