O Barcelona é um dos times que sempre entra na Champions League como um dos tubarões que deve brigar pela taça. O problema é que apesar do orçamento de campeão, dos jogadores de nível de campeão e de um dos maiores craques de todos os tempos no elenco, Lionel Messi, o Barcelona nem sempre está à altura da expectativa. A total ausência de projeto e de ideia do que o clube quer para o seu futuro torna cada temporada do Barcelona uma tentativa e erro. Foi o caso mais uma vez nesta temporada 2019/20, que começou com Ernesto Valverde e desde janeiro tem Quique Setién no cargo de técnico – já questionado e com seu futuro colocado em dúvida.

São cinco anos sem conseguir o principal título da Europa, o que seria até normal, não fosse o grande rival, Real Madrid, ter ganhado três das últimas quatro finais. Além disso, Messi não está ficando mais novo e, aos 33 anos, começa a enxergar o fim da sua trajetória como jogador. O Barcelona sabe que precisa aproveitar o craque para conquistar os títulos, porque sem ele, precisará melhorar ainda mais do que já precisa atualmente.

Enquanto isso, tem o Napoli do outro lado com uma chance única de derrubar um dos times mais poderosos do continente em um momento que não jogam um grande futebol. Perdeu uma chance no primeiro jogo de sair com a vitória, mas terá uma segunda chance. Gennaro Gattuso melhorou o time, ao menos em termos de resultado, mas o desempenho ainda está devendo. Tem, porém, um time experiente como nunca na Champions, com jogadores que, além de bons, são experientes, como Dries Mertens, Lorenzo Insigne e José Callejón. Resta saber se conseguem transformar em um desempenho que os faça bater o Barcelona.

Como foi o primeiro jogo

Sendo bem direto, uma partida bem meia-boca, como descrevemos em fevereiro. Nenhum dos dois times mostrou bom futebol e o empate foi justo diante das circunstâncias. Era um momento que tanto um quanto outro tentavam apresentar mais futebol. O Napoli buscava encontrar o seu caminho com o técnico Gennaro Gattuso, enquanto o Barcelona de Quique Setién tentava exercer o jogo que o treinador queria, mas que não convencia. Foi um retrato perfeito disso naquela partida no San Paolo e, por isso, foi um jogo de baixa qualidade e sem tantas chances de gol.

Como se tornou regra no Napoli, o meio-campo do time tem uma outra cara. Diego Demme foi o titular do time como primeiro jogador do meio-campo, responsável pela marcação. Ele, porém, sofreu muito no jogo e não foi bem. Piotr Zielinski e Fabián Ruiz formam o centro do meio-campo, unindo força e criatividade, respectivamente. A formação parecia um 4-3-3, mas o time de Gattuso se defendeu de forma muito mais compacto, com José Callejón e Lorenzo Insigne recuando até a linha de meio-campo. Só ficou Dries Mertens no ataque e ele conseguiu causar muito problema para a zaga rival.

Naquele jogo, Messi não conseguiu receber a bola com espaço praticamente o jogo todo. Foi também um jogo com desfalque do Barcelona e um dos problemas foi não ter o ataque completo: Luis Suárez ficou fora por lesão. Sem ele, quem atuou foi Arturo Vidal, quase como um atacante, e não foi bem – e ainda foi expulso. Antoine Griezmann foi um dos melhores do Barcelona em campo, mas mesmo assim apareceu pouco no jogo. Ele e Messi acabaram afogados em uma marcação voraz do Napoli. Algo que provavelmente será repetido, ou ao menos tentará ser repetido pelos italianos.

O que aconteceu nos últimos meses

Barcelona

O Barcelona, que era líder de La Liga, viu o título escapar entre os dedos após a retomada do futebol na Espanha. O Real Madrid pulou na liderança e não largou mais. O time de Quique Setién é mais questionado do que nunca e até o capitão Lionel Messi falou à imprensa que o time precisa fazer mais do que tem feito, com palavras fortes. Já são cinco anos desde o último título do Barcelona, que, claro, pelo orçamento e jogadores que tem, almeja fazer mais na Champions League.

O fim de temporada foi melancólico para o Barcelona na sua liga local e, portanto, o time precisa fazer algo mais na Champions para mudar essa impressão. O futuro de Quique Setién é colocado em dúvida, a crise na direção, que envolve também ataques aos jogadores, piorou. Tudo no clube é questionado e até o futuro de Messi foi colocado em dúvida. Ainda mais porque o próximo mercado não deve ter grandes contratações, ou ao menos não deveria ter, já que o clube não vive uma situação confortável e gasta cerca de 70% de toda sua receita só em salários. Haja problema.

Napoli

O Napoli encontrou um caminho com Gattuso. Não foi suficiente para a Serie A, onde o clube sofreu mais e acabou em sétimo na tabela. Foi suficiente, porém, para levar o título da Copa da Itália, que garantiu a equipe do sul da Itália na Liga Europa. O time que era treinado por Carlo Ancelotti deixou de existir. É uma equipe com muito mais marcação no meio-campo, mais forte e que se defende mais.

Uma coisa permanece a mesma: Dries Mertens é a referência no ataque. Um dos problemas do Napoli tem sido justamente o ataque. A equipe de Gattuso não faz muitos gols, o que é um problema para alguém quem precisa de ao menos um gol para não ser eliminado – o empate sem gols dá a vaga ao Barcelona pelo gol fora de casa. O time tem algumas armas no banco que podem ser úteis, mas que não estão rendendo: Hirving Lozano e Milik. Os dois precisam mostrar mais, porque suas continuidade no clube também estão em xeque.

Os problemas que surgiram

Barcelona

Dois problemas surgem já nas suspensões: Sergio Busquets, suspenso por cartões amarelos, e Arturo Vidal, suspenso por ter sido expulso no último jogo, já desfalcam o meio-campo do time. Moussa Dembélé ainda é dúvida, assim como o zagueiro Samuel Umtiti. Pior ainda, o time tem Antoine Griezmann ainda em dúvida por uma lesão muscular. Ficará para momentos antes do jogo. Mas estes são só os problemas com desfalques. O Barcelona precisa melhorar em termos de desempenho. O time tem feito muitos gols, mas também tem sofrido muitos. Ter esse equilíbrio pode ser a diferença entre avançar ou não na Champions – um empate por 2 a 2 com o Napoli, por exemplo, eliminaria o time catalão.

Napoli

A instabilidade do Napoli é um problema que Gattuso viu surgir e não conseguiu resolver. A capacidade do time é inquestionável e o título d a Copa da Itália, diante da poderosa Juventus, nos pênaltis, mostra isso. O problema é que o time pode não ter a sua zaga titular: Kostas Manolas está fora e Nikola Maksimovic é dúvida. Lorenzo Insigne também é dúvida e isso torna ainda mais problemático para o treinador, porque não há um substituto com a mesma característica. O time tem problemas para não sofrer gols, outra questão a ser resolvida por Gattuso.

Um cara que vem em alta

Messi conduz a bola no jogo do Barcelona contra o Sevilla (Reprodução/Twiiter)

Barcelona: Lionel Messi

Quem mais poderia estar em alta no Barcelona? Foram 25 gols em La Liga e o craque do time segue sendo decisivo. Ele é o capitão do time e deu declarações fortes deixando claro que é preciso ir além do que tem feito em termos de desempenho. Ainda que ele tenha marcado apenas dois gols na atual temporada da Champions League, Messi é o jogador que tem aberto os caminhos do Barcelona. “Se queremos ganhar a Champions League, teremos que melhorar bastante, caso contrário, podemos perder contra o Napoli”, disse Messi. Bom, ele sabe o que está falando.

Dries Mertens comemora seu gol pelo Napoli contra a Inter (Reprodução/Twitter)

Napoli: Dries Mertens

Entra ano e sai ano, Dries Mertens segue como um jogador fundamental ao Napoli. Nesta temporada, mesmo sem estar artilheiro como em anteriores, é um jogador de momentos decisivos e foi assim mais uma vez nesta retomada do futebol. Foi dele o gol da classificação do Napoli contra a Inter, na semifinal da Copa da Itália, e seu histórico de gols contra o próprio Barcelona no primeiro jogo e contra o Liverpool no começo da campanha mostram que ele é jogador de jogos grandes. É de se esperar que ele cause problemas para a defesa do Barcelona – que já costuma ter problemas mesmo quando o adversário não é dos mais qualificados.

As chances de sonhar com a Champions

Barcelona

O Barcelona sempre sonha com a Champions League e não seria diferente desta vez. Mais do oque sonhar, o time tem condições de vencer qualquer time, ainda mais em uma partida única. Mesmo times melhores atualmente, como o Manchester City, Bayern de Munique ou PSG, podem sofrer contra um time que tem Griezmann, Suárez e Messi no ataque.

Claro, para isso, o time precisa melhorar coletivamente, o que é um desafio para o técnico Setién. Vencendo o Napoli, o time vai às quartas de final e terá pela frente um desafio ainda maior, possivelmente o Bayern, se os alemães confirmarem o favoritismo. Será um teste duro para Messi e companhia, mas também suficiente para dar a força que o time precisa para ver o sonho da Champions se tornar mais palpável.

Napoli

Em condições normais, o Napoli sonhar com o título da Champions não seria mais do que um sonho. O time não tem um desempenho em alto nível com regularidade e nem consegue atuar com a mesma qualidade dentro e fora de casa. Só que esta é uma temporada atípica. Com jogos únicos em campo neutro já nas quartas de final, o Napoli se torna um adversário perigoso para qualquer time, ainda mais depois de eliminar o Barcelona.

Gattuso tem por costume jogar uma chave de fenda no motor dos adversários, o que trava o jogo e aproxima as condições contra times mais fortes. Ainda mais se o meio-campo estiver bem povoado, como nos melhores momentos do time, e com Lorenzo Insigne e Dries Mertens compondo uma dupla de baixinhos infernais na chegada ao ataque. Não será favorito, mas longe de ser impossível. Só não é provável. O Napoli é uma zebra, e será assim mesmo se passar pelo Barcelona e enfrentar os próximos adversários nas próximas fase, até a final. A não ser que do outro lado, na final, chegue a Atalanta, o que seria inesperado.

Onde assistir

Barcelona x Napoli
Sábado, 8 de agosto, 16h (horário de Brasília)
Facebook Esporte Interativo, EI Plus

VEJA MAIS: Guia da retomada da Champions League: oitavas de final