A Libertadores de 2012 pode ter um gostinho de anos 80. Na época, não era tão fácil ver os jogos da competição na TV brasileira, pois ela estava relegada a canais secundários (que nem sempre tinham alcance verdadeiramente nacional). Hoje, muitas partidas ficarão relegadas a um novo canal, que ainda não se sabe em quais operadoras de TV por assinatura estará disponível.

Mas uma coisa é muito diferente de 2012 para 25 anos atrás. Naquela época, a falta de Libertadores era sinal de desinteresse e da ideia geral do torcedor que os brasileiros eram azarões. Hoje, o que deixa a competição longe de muitos torcedores é uma briga ferrenha pelos jogos, justamente pelo excesso de interesse e pela grande possibilidade de o Brasil estar na disputa do título.

A TV transformou a expressão “guerra da Libertadores” em outra coisa. Mas isso é sinal da importância do torneio, e de como ele, cada vez mais, ele caminha para ser não apenas uma grande competição esportiva, mas também em um grande evento de mídia.

Para mostrar esses dois lados, a Trivela não limitou seu tradicional guia a mostrar cada um dos clubes. Isso está presente, claro, mas também é hora de ver os caminhos que o torneio pode tomar do ponto de vista político e econômico. Clique nos links abaixo e aproveite:

TIME A TIME
Grupo 1
Juan Aurich (PER), INTERNACIONAL, SANTOS e The Strongest (BOL)

Grupo 2
Emelec (EQU), FLAMENGO, Lanús (ARG) e Olimpia (PAR)

Grupo 3
Bolívar (BOL), Junior Barranquilla (COL), Unión Española (CHI) e Universidad Católica (CHI)

Grupo 4
Arsenal (ARG), Boca Juniors (ARG), FLUMINENSE e Zamora (VEN)

Grupo 5
Alianza Lima (PER), Libertad (PAR), Nacional (URU) e VASCO

Grupo 6
CORINTHIANS, Cruz Azul (MEX), Deportivo Táchira (VEN) e Nacional (PAR)

Grupo 7
Chivas de Guadalajara (MEX), Defensor Sporting (URU), Deportivo Quito (EQU) e Vélez Sársfield (ARG)

Grupo 8
Atlético Nacional (COL), Godoy Cruz (ARG), Peñarol (URU) e Universidad de Chile (CHI)

NEGÓCIOS
Quanto vale a Libertadores?

HISTÓRIA
Os 15 melhores times que não ganharam a Libertadores

FIQUE DE OLHO
Dez jogadores que podem atrapalhar os brasileiros

PERSPECTIVAS
Estados Unidos, a próxima fronteira