Um grupo que tem a Atalanta do técnico Gian Piero Gasperini tem tudo para ser interessante. Ainda mais porque ao seu lado está também o Manchester City, de Pep Guardiola, um dos times mais fortes da Champions e que ainda não tem um título da competição. O clube italiano e o inglês partem como favoritos, mas tem tudo para ser interessante ver o grupo também pelos outros dois integrantes. O Shakhtar Donetsk é bastante tradicional na competição e segue com uma equipe com bons jogadores. O Dinamo Zagreb é sempre um celeiro de bons jogadores e vale ficar de olho nos seus jovens. Há uma característica em comum entre os quatro: todos possuem mentalidade ofensiva, o que pode render excelentes jogos, bem abertos.

Nenhum dos times deste grupo conquistou o título da Champions League.

Manchester City

2018/19: quartas de final (eliminado pelo Tottenham)
2017/18: quartas de final (eliminado pelo Liverpool)
2016/17: oitavas de final (eliminado pelo Monaco)
2015/16: semifinal (eliminado pelo Real Madrid)
2014/15: oitavas de final (eliminado pelo Barcelona)

Atalanta*

2018/19: não participou
2017/18: não participou
2016/17: não participou
2015/16: não participou
2014/15: não participou

*A Atalanta será uma estreante na Champions League

Shakhtar Donetsk

2018/19: fase de grupos
2017/18: oitavas de final (eliminado pela Roma)
2016/17: terceira fase preliminar (eliminado pelo Young Boys)
2015/16: fase de grupos
2014/15: oitavas de final (eliminado pelo Bayern de Munique)

Dinamo Zagreb

2018/19: playoffs (eliminado pelo Young Boys)
2017/18: não participou
2016/17: fase de grupos
2015/16: fase de grupos
2014/15: terceira fase preliminar (eliminado pelo AaB)

Gian Piero Gasperini comemora com jogadores da Atalanta (Foto: Getty Images)

Manchester City

Qualquer coisa que não seja a classificação será um retumbante fracasso para o City. O time tem ambição de percorrer todo o caminho até o título e, por isso, passar até com certa tranquilidade é visto como obrigação. Desde a temporada 2011/12 que não há um campeão inédito na Champions League e o Manchester City quer exatamente isso. Então, o esperado é a classificação com tranquilidade.

Atalanta

O time tem objetivo de se classificar e tem condições para isso. O Manchester City é o grande favorito, mas a Atalanta mostrou um nível de futebol na temporada passada que a coloca em condições de brigar com o Shakhtar Donetsk, que seria outro candidato natural, além do Dinamo Zagreb. Chegar às oitavas de final seria objetivo cumprido para La Dea.

Shakhtar Donetsk

O objetivo é chegar à próxima fase e alcançar as oitavas de final, como o time costuma conseguir. Para isso, terá uma batalha complicada diante da Atalanta, especialmente, mas provavelmente diante do Dinamo Zagreb também. Ir às oitavas de final é o objetivo principal, mas o time precisará mostrar força diante dos adversários, especialmente na Itália.

Dinamo Zagreb

Sonhar é de graça, mas conseguir a classificação seria demais para o clube croata. Tentar ganhar ao menos algum dos jogos é o objetivo e, com alguma dose de sorte e contando com uma eventual má atuação dos rivais, sonha em chegar ao menos à Liga Europa, ou seja, ficar em terceiro do grupo.

Junior Moraes lidera a linha de ataque do Shakhtar (Foto: Getty Images)

Manchester City

Pep Guardiola é a principal estrela do time, mesmo que não seja o jogador e sim o técnico. O grande trunfo do time é o modo envolvente que atua, se impondo de forma como poucos times conseguem fazer no mundo, com um ataque avassalador. Tem um estilo de jogo que prioriza trocas rápidas de passes e inversões de jogo. Entre seus destaques estão o goleiro Ederson, o meio-campista Kevin De Bruyne e os atacantes Sergio Agüero e Raheem Sterling, todos muito importantes para o bom rendimento do time.

Atalanta

Na temporada passada, 2018/19, a Atalanta teve o melhor ataque da Serie A, com 77 gols em 38 jogos, quando terminou em terceiro lugar. Superou o forte Napoli, com 74 gols, e a Juventus, campeã, com 70. É verdade que tomou bem mais gols que os rivais (46, contra 36 do Napoli e 30 da Juventus). O time de Gasperini é rápido e tem uma linha de ataque capaz de causar muitos estragos com os meias Alejandro Gómez e Josip Ilicic e os atacantes Luis Muriel e Duvan Zapata.

Shakhtar Donetsk

Como já é tradicional, algo que chama a atenção no Schalke é o ataque. O time tem diversos brasileiros no elenco, quase todos do meio para frente. Além do capitão Taison, há ainda Dentinho, o jovem meia Marcos Antônio, de apenas 19 anos, Júnior Moraes e Marlos, brasileiros naturalizados ucranianos, Tetê, que veio do Grêmio, e Alan Patrick. Tem ainda o volante Maycon, o atacante Marquinhos Cipriano, o lateral Ismaily e o recém-contratado Vitão, que veio do Palmeiras. O que se pode esperar do time é um ataque bastante perigoso, que pode envolver os adversários.

Dinamo Zagreb

Assim como os demais times do grupo, tem como ponto forte o ataque. E isso ficou claro nas fases preliminares da Champions League, com vitórias no placar agregado com muito conforto diante do Suburtalo Tbilisi, na segunda fase preliminar (2 a 0 e 3 a 0), o atropelamento diante do Ferencváros (1 a 1 e depois 4 a 0) e por fim um avanço tranquilo contra o Rosenborg (2 a 0 no primeiro jogo, 1 a 1 no segundo). Tem três jogadores que são muito perigosos, como Mislav Orsic, Daniel Olmo e Bruno Petkovic.

Dani Olmo é o grande destaque do Zagreb (Foto: Getty Images)

Manchester City: Raheem Sterling

O atacante Raheem Sterling se tornou um dos principais jogadores do Manchester City desde que Guardiola chegou, melhorando significativamente o seu jogo. Além de ser um jogador incisivo pelos lados do campo, passou a ser mais criativo e goleador, o tornando um jogador mais completo que pode até mesmo atuar centralizado no ataque. Na incrível temporada 2018/19, que acabou com o título da Premier League para o Manchester City, ele foi, discutivelmente, o melhor jogador do time. Muitos esperavam, inclusive, que ele vencesse a eleição entre os jogadores de melhor da temporada, o que não aconteceu. Ainda assim, merece as glórias. E ser apontado como o principal jogador.

Atalanta: Alejandro “Papu” Gómez

Papu Gómez não é o artilheiro, mas é o camisa 10, capitão e craque do time. Meia inteligente, veloz e bom finalizador, é um jogador que dá ritmo, algo que é importante para o técnico Gian Piero Gasperini. Na temporada passada, fez 11 gols e 13 assistências em 46 jogos, sendo um dos principais nomes do time na histórica campanha de terceiro lugar.

Shakhtar Donetsk: Júnior Moraes

Júnior Moraes é um nome que você provavelmente já ouviu falar. O Shakhtar tem muitos brasileiros, mas este é, tecnicamente, ucraniano. Se naturalizou e estreou em março, disputando quatro partidas. Na temporada passada, 2018/19, ele foi avassalador: 39 jogos, 26 gols, 12 assistências, contando todas as competições. E já começou a temporada atual no mesmo ritmo. É a principal ameaça, um centroavante que não é alto, nem forte, mas é artilheiro.

Dinamo Zagreb: Dani Olmo

O espanhol Dani Olmo é a grande estrela do time, ainda que haja outros ótimos jogadores na equipe. Transferiu-se da base do Barcelona de graça para o Dinamo Zagreb, inicialmente no time B, em 2014, quando tinha 16 anos. Jogou em diversas seleções de base da Espanha, inclusive no time sub-21 que foi campeão europeu em junho, batendo a Alemanha. Ele foi titular no torneio, com três gols em cinco jogos, além de uma assistência. Foi especulado em diversos clubes, mas ficou no Dinamo Zagreb, o que surpreendeu muitos. O que não surpreenderá é se o meia catalão aparecer em grande clube europeu na próxima temporada.

Fernandinho, do Manchester City (Foto: Getty Images)

Manchester City: Fernandinho

O volante brasileiro é um dos mais veteranos do Manchester City, com 34 anos. E sua experiência na Champions League é bastante vasta. Só jogou em dois clubes na Europa, o Shakhtar Donetsk, de 2005 a 2013, e desde então está no Manchester City. Somando ambos, já disputou 93 jogos pelo principal torneio de clubes europeu e está perto de entrar no clube dos que jogaram 100 partidas. Tem sido reserva do City de Guardiola, com Rodri ocupando o seu lugar, mas é um jogador que deve ganhar minutos ao longo da temporada. Até porque uma experiência como essa pode ser bastante útil.

Atalanta: Simon Kjaer

A Atalanta jogará pela primeira vez a Champions League e o seu elenco é bastante inexperiente na competição. O jogador que tem mais jogos no torneio é o dinamarquês Simon Kjaer, 30 anos, com. Entrou em campo no principal torneio europeu por Lille, Fenerbahçe e Sevilla. Foi emprestado pelo Sevilla à Atalanta no último dia da janela de transferências deste verão europeu, em 2 de setembro. Dá experiência à zaga e alguma vivência ao ouvir a famosa música do torneio continental.

Shakhtar Donetsk: Andrii Piatov

Aos 35 anos, Andrii Piatov é o jogador mais velho do elenco do Shakhtar Donetsk e participou de todo o processo de crescimento recente do time. É um jogador que acumula títulos e está no clube desde 2007.  São 76 jogos de Champions League para o goleiro, contando fases preliminares e de grupos. É uma figurinha carimbada quando falamos de Shakhtar Donetsk e segue sendo um jogador importante do time e da seleção ucraniana, da qual ainda é importante e capitão. Está em seu último ano de contrato e pode ser a sua última temporada no clube.

Dinamo Zagreb: Izet Hajrovic

Nenhum jogador é realmente experiente quando falamos de Champions League no elenco do Dinamo Zagreb. Como é um clube que briga muito para conseguir chegar à fase de grupos e só conseguiu isso em dois dos últimos cinco anos. Por isso, um dos mais experientes nem é um jogador titular habitual: Izet Hajrovic. O bósnio, de 28 anos, já rodou bastante na carreira ao atuar por Grasshoppers, da Suíça – seu país natal, embora tenha nacionalidade bósnia e tenha defendido a seleção dos bálcãs -, Galatasaray, Werder Bremen, Eibar e chegou em janeiro de 2018 ao Dinamo Zagreb. Antes do clube croata, jogou a Champions pelo Grasshoppers e pelo Galatasaray, antes de jogar também pelo Dinamo Zagreb.

Konoplyanka apresentado pelo Shakhtar (Foto: Getty Images)

Manchester City: Rodri

O meio-campista Rodri chegou por uma quantia recorde ao Manchester City: € 70 milhões, vindo do Atlético de Madrid. Foi uma contratação pinçada por Pep Guardiola, que precisava de outro jogador para a posição de Fernandinho. Aos 23 anos, se tornou titular do time rapidamente e tem sido um jogador importante para o estilo de jogo de muitos passes do Manchester City até aqui.

Atalanta: Luis Muriel

O atacante colombiano chegou para uma posição que, teoricamente, o time já tinha um jogador brilhando. E da mesma nacionalidade: Duván Zapata. Aos 28 anos, chegou por € 15 milhões vindo do Sevilla, onde não foi muito aproveitado. Já marcou três gols em três jogos – mesma quantidade de Zapata, aliás – e parece ter começado voando. Deve disputar a posição com o compatriota, que fez excelente temporada passada e por isso deve começar como titular, mas é um jogador bastante perigoso e deve ganhar minutos na Atalanta ao longo dos jogos.

Shakhtar Donetsk: Yevhen Konoplyanka

Depois de três temporadas atuando pelo Schalke 04, o ponta volta ao país natal aos 29 anos. Formado pelo Dnipro, saiu em 2015 para o Sevilla, onde só ficaria um ano antes de ir para o Schalke. Sempre foi um jogador que prometeu muito, mas nunca esteve à altura das expectativas criadas. De volta à terra natal, em um time forte, tentará retomar o caminho do sucesso. Uma aposta barata, contratado por apenas € 1,5 milhão, uma quantidade quase simbólica no mercado de elite da Europa, que pode ser interessante para o bom time do Shakhtar.

Dinamo Zagreb: François Moubandje

O lateral esquerdo de 29 anos é camaronês e estava no Toulouse na temporada passada, sendo titular na maior parte dos jogos. Veio de uma grande liga de graça para o Dinamo Zagreb depois do fim do seu contrato com o clube francês e reforça o setor. Ainda tenta ganhar espaço no clube croata e só jogou na liga nacional até aqui, e não nos jogos preliminares da Champions League. De qualquer forma, é um jogador experiente que pode ganhar espaço ao longo da temporada.

VOLTAR AO INÍCIO DO GUIA