Porto
Porto

Athletic Bilbao
Athletic Bilbao

Shakhtar Donetsk
Shakhtar Donetsk

Bate Borisov
Bate Borisov
O cenário esperado

Sem nenhum grande candidato ao título, o Grupo H é um dos mais equilibrados desta Champions League. Mesmo assim, a chave que tem cara de Liga Europa (com três finalistas das últimas seis edições) possui seus favoritos. O Porto conta com uma camisa pesadíssima nas competições continentais, com dois títulos da Champions. Uma tarimba que pode valer para impor respeito, por mais que o clube não tenha passado aos mata-matas em três das quatro últimas edições do torneio. Quem também desponta como força na chave é o Athletic Bilbao. Os bascos não disputam a competição há 15 anos, mas têm aparecido com frequência na Liga Europa. Para aumentar a confiança, os leones venceram com autoridade nas preliminares o Napoli, adversário mais qualificado naquela etapa. E ainda possuem a força de San Mamés Barria, o novo estádio onde o time mantém ótimo aproveitamento. De qualquer forma, não seria surpreendente se o Shakhtar Donetsk ficasse com a vaga, consolidando a renovação empreendida por Mircea Lucescu e também com jogadores rodados no torneio. A hegemonia que mantêm na Ucrânia é um fator para dar tranquilidade a se dedicarem na Champions.

O cenário possível

Após perder jogadores importantes, o Porto oscilou demais na última temporada. Apesar da imposição contra o Lille nas preliminares, o clube português não tem sido o bicho-papão de outros tempos na Liga dos Campeões. E, com o elenco cheio de novatos montado por Julen Lepotegui, a queda não seria surpreendente. Da mesma forma, o Athletic Bilbao está longe da garantia. O elenco apenas com jogadores bascos pode ser curto demais para as duas competições que o clube enfrenta. Além disso, os leones ficaram muito abaixo de seu nível como visitantes nas últimas participações continentais. O Shakhtar precisa lidar com as questões políticas na Ucrânia, e não conta exatamente com o mesmo elenco forte de dois anos atrás, resultando nas péssimas campanhas da última temporada. E o grande coringa da chave é o Bate Borisov. Os bielorrussos já são figurinha carimbada na Champions, com a quarta participação em sete temporadas. Uma vaga na Liga Europa já estaria de bom tamanho, mas os nanicos são capazes de aprontar. Em 2012/13, por exemplo, venceram o futuro campeão Bayern de Munique logo na fase de grupos.

Jogador-chave
Aritz Aduriz, do Athletic Bilbao (AP Photo/Alvaro Barrientos)
Aritz Aduriz, do Athletic Bilbao (AP Photo/Alvaro Barrientos)

Aritz Aduriz

Ao lado de Jackson Martínez, o centroavante do Athletic Bilbao é o jogador mais decisivo no Grupo H da Champions. E os bascos são bastante dependentes de seu goleador. Na última temporada, foram 16 gols e 10 assistências do veterano, com participação direta em 40% dos gols dos leones por La Liga. Trazido de volta a San Mamés para substituir Fernando Llorente, Aduriz vive ótima forma com a camisa rojiblanca. Por mais que não tenha tanta mobilidade, o atacante demonstra qualidade técnica, além de um grande instinto de matador. Seus principais trunfos são os arremates potentes e a presença de área, com grande eficiência no jogo aéreo. O destino preferido das jogadas pelas pontas e das bolas paradas, duas grandes armas do Athletic de Ernesto Valverde.

Fique de olho
A Donbass Arena, estádio do time, sofreu danos depois de um ataque neste sábado. Jogadores estão jogando perto da capital do país, longe de Donetsk. Foto: divulgação
A Donbass Arena, estádio do time, sofreu danos depois de um ataque neste sábado. Jogadores estão jogando perto da capital do país, longe de Donetsk. Foto: divulgação

A situação política do Shakhtar Donetsk

Durante os últimos anos, a grande fortaleza dos ucranianos foi o seu estádio. Na Donbass Arena, os Kroty mantinham um aproveitamento assombroso, suficiente para classificá-los com frequência aos mata-matas. Precisando mandar seus jogos em Lviv, no entanto, essa supremacia fica em xeque. Pelo menos por enquanto, a campanha na liga nacional não dá sinal de queda do Shakhtar, somando seis vitórias em seis rodadas. O problema é como a tensão política incidirá sobre o time de Mircea Lucescu na Champions. Com a saída de jogadores importantes e a reposição não tão boa, o clube vem com um elenco mais raso para aguentar as duas frentes. Além disso, por conta dos posicionamentos do presidente Rinat Akhmetov, as sedes em Donetsk se tornaram alvo de atentados terroristas. Ainda que os jogadores se mantenham longe do foco de tensão, a instabilidade certamente atrapalha.

O brasileiro
Douglas Costa, do Shakhtar Donetsk (AP Photo/Efrem Lukatsky)
Douglas Costa, do Shakhtar Donetsk (AP Photo/Efrem Lukatsky)

Douglas Costa

O meio-campista foi um dos jogadores que se rebelaram contra o Shakhtar, se recusando a voltar à Ucrânia com a intensificação dos conflitos. Contudo, o brasileiro deu um passo para trás na decisão e foi reintegrado ao elenco. Por mais que a desconfiança o ronde agora, Douglas Costa ainda é um jogador imprescindível ao time, retomando aos poucos o espaço com o técnico Mircea Lucescu. A visão de jogo e a precisão nos pés de Douglas ajudam a gerar oportunidades para os Kroty, seja em passes decisivos ou com gols. Na última temporada, jogando aberto na ponta direita, foi somou 11 assistências. Ao lado de Alex Teixeira, outro rebelado em Donetsk, é a principal fonte de criatividade da equipe.

A contratação
Yacine Brahimi, que jogou a Copa pela Argélia, chegou ao Porto
Yacine Brahimi, que jogou a Copa pela Argélia, chegou ao Porto

Yacine Brahimi

O Porto tem méritos de fazer estourar jogadores antes desconhecidos na Europa. E o argelino de 24 anos pode ser o próximo dessa lista, embora não tão desconhecido assim. Brahimi apareceu bem na Copa do Mundo, sendo importante na histórica campanha da Argélia até as oitavas. As atuações valeram para que os portistas pagassem € 6,5 milhões para tirá-lo do Granada. Um investimento de retorno imediato. O novato logo se encaixou como titular no meio-campo dos Dragões, dando equilíbrio na trinca de Julen Lepotegui ao lado de dois recém-chegados: os garotos Casemiro e Óliver Torres. Dono de ótima condição física e técnica apurada, Brahimi deixa o time mais veloz. Também possui um chute potente, balançando as redes nas preliminares da Champions em bela cobrança de falta.

Veja outros grupos do guia da Champions League