Um dos jogadores mais badalados entre os 25 convocados por Gareth Southgate para defender a seleção inglesa nos primeiros jogos das Eliminatórias da Eurocopa é Jadon Sancho. O atacante do Borussia Dortmund, de apenas 18 anos, saiu do Manchester City em agosto de 2017 para tentar se aventurar na Alemanha, em busca de minutos.

LEIA TAMBÉM: Gündogan se diz aberto a novos desafios e abre porta para saída do Manchester City

Sancho recusou assinar um contrato profissional com o clube de Manchester e foi comprado pelo Dortmund por € 7,84 milhões, valor correspondente à compensação devida ao City. Na sua primeira temporada, 2017/18, alternou entre o time de base do Dortmund e o principal, até tomar o seu lugar, definitivamente, na reta final, quando se tornou titular do time.

Na atual temporada, 2018/19, Sancho é mais do que titular: é um dos destaques do time aurinegro, que faz boa campanha na Bundesliga, na briga pelo título com o Bayern de Munique. São 34 jogos, nove gols, 15 assistências e um lugar entre os destaques da liga.

Perguntado sobre o jogador na coletiva de imprensa, Pep Guardiola falou sobre o jogador ter decidido deixar o Manchester City. “Ele não quis encarar esse desafio, essa oportunidade para descobrir se ele era capaz”, afirmou o técnico do Manchester City. “Ele decidiu ir para lá. Então, perfeito. Ele está indo bem e parabéns pelo que ele está fazendo”, continuou o catalão.

“Ele está tendo um desempenho incrível. Ele está incrivelmente bem nesta temporada. O que teria acontecido nesta temporada aqui? Eu não sei”, disse Guardiola. “Com os jogadores, depende deles o que eles fazem em campo”.

Sancho, em entrevista ao canal do próprio Borussia Dortmund, falou sobre o sucesso ainda muito jovem. “Eu vi muitos talentos jovens apenas desaparecerem porque obviamente veio muito cedo e isso entrou em suas cabeças”, disse o atacante. “Eu vi isso, minha família viu isso, mas eu tive sorte de ter grandes pessoas ao meu redor para me manter com os pés no chão e humilde. Eu sou grato que elas me digam que o que eu tenho feito não é o bastante”.

“Há jogadores como Mbappé fazendo coisas malucas no Paris Saint-Germain e este é o tipo de pessoa que eu tenho que competir, porque eu sou muito jovem e ele é tão jovem”, explicou Sancho. “Sempre me incentiva quando eu vejo Mbappé, Marcus Rashford indo bem, porque eu sei que eles provavelmente estão olhando para mim e o que eu estou fazendo e provavelmente eu também estou os incentivando também”.

Um dos elementos que torna o futebol de Sancho ainda mais interessante é o seu leque de habilidades. E ele atribui isso a um tipo de jogo que se aprende na rua. “Eu acho que o futebol de rua nunca vai me deixar”, afirmou Sancho. “Eu cresci assim, então eu sinto que sempre estará comigo. O que eu aprendi do futebol de rua é o que eu sempre tenho feito. Eu acho que me ajudará a ter um caminho longo na minha carreira, então é algo bom porque é muito diferente dos jogadores normais. O futebol de rua sempre estará comigo”.

Mudar de país tão cedo fez com que Sancho tivesse que se adaptar ao tipo de jogo que se joga na Alemanha. E ele lembra que não foi automático. “Eu lembro do meu primeiro drible na minha estreia e eu fui jogado direto no chão contra o Eintracht Frankfurt”, conta Sancho. “Aquilo foi meio vergonhoso, mas depois disso eu disse a mim mesmo que eu precisava ser mais afiado e mais rápido, porque o futebol alemão é muito difícil e você tem que continuar se movimentando”.

Sancho pode fazer história se conseguir levar o Borussia Dortmund ao título alemão, algo que não acontece desde 2012. O Dortmund está empatado com o Bayern em pontos, mas os bávaros estão à frente pelo primeiro critério de desempate, o saldo de gols. “O Bayern continuará pressionando, então também precisamos”, disse Sancho. “Tem sido uma temporada dura, há altos e baixos. Mas, como nós sempre fazemos, depois de cada jogo nós voltamos ao treinamento, recuperamos 100% e fazemos tudo certo. Então temos que continuar fazendo tudo até o fim, e eu espero que por muito mais jogos”.