O treinador do Manchester City, Pep Guardiola, falou nesta terça-feira sobre o caso de Raheem Sterling, que teria recebido ofensas racistas no jogo contra o Chelsea, no fim de semana passado. Para o catalão, o racismo é um problema muito além do futebol: é uma questão da sociedade.

LEIA MAIS: Após novas ofensas raciais, Sterling critica imprensa por alimentar racismo e pede tratamento igual

“O racismo está em todos os lugares, não apenas no futebol”, afirmou o técnico do Manchester City. “Nós temos que combate-lo para fazer um futuro melhor para todos, não apenas na Inglaterra, mas em todos os lugares”, continuou o catalão em entrevista coletiva nesta terça-feira.

Um dos torcedores identificados por ter supostamente dito ofensas racista a Raheem Sterling se defendeu dizendo que usou a palavra “Manc” (uma referência a quem é de Manchester), e não “preto”. “Eu estou profundamente envergonhado com o meu próprio comportamento”, afirmou Colin Wing, que tem 60 anos. Eu quero me desculpar sem reservas a Raheem e espero que ele possa ser um homem melhor do que eu fui ao aceitar minhas desculpas”.

Um comunicado divulgado pelo Chelsea condena qualquer atitude discriminatória. “O Chelsea Football Club considera todas as formas de comportamento discriminatório repugnante”, diz o texto, que ainda afirma que o clube “irá apoiar totalmente qualquer processo criminal”. O técnico do Manchester City agradeceu. “Eu agradeço o que o Chelsea fez e se isso tivesse acontecido no meu clube, nós teríamos feito o mesmo”, disse Guardiola.

Depois do acontecido no sábado, Sterling criticou o acontecido e o comportamento da imprensa em relação a jogadores negros, que na visão dele, acaba alimentando o racismo. A Associação de Jogadores Profissionais (PFA) disse em comunicado que a cobertura negativa de Sterling “encoraja a retórica racista” e diz que o ex-jogador do Liverpool frequentemente é destacado desta forma.

“Raheem é uma pessoa incrível, um ser humano incrível”, conta Guardiola. “Estamos no século 21, é difícil entender o que acontecia há alguns anos para as pessoas negras. Você tem que proteger o quanto somos iguais e nos ajudar e nos tornarmos melhores”, continuou o técnico.

Quando perguntado diretamente se Guardiola achava que Sterling recebe tratamento negativo da imprensa, ele tergiversou. “Eu não sei. Quando cheguei aqui, falei com ele porque eu sei o quanto ele é ativo nas redes sociais. Eu disse a ele para proteger a sua vida privada e ficar fora desse tipo de situação. Espero que ele tenha feito isso”.

“Você até espera isso [a negatividade] quando o jogador é ruim, mas por causa da cor da pele? Não. O poder real no mundo hoje está na mídia, não nos políticos, então eles têm uma responsabilidade”, disse Guardiola.

“É triste que isso ainda aconteça”, afirmou o ponta Leroy Sané, alemão e negro, como Sterling, sobre a suposto ofensa racial. “Nós estamos ao lado de Raheem. Ele é um garoto forte, um cara bom, ele sabe como lidar com isso. Ele ainda está focado, quer jogar um bom futebol e está focado no jogo. Isso é o mais importante”, continuou o camisa 19 dos Citizens.

O Manchester City enfrenta o Hoffenheim nesta quarta-feira, pela última rodada da fase de grupos da Champions League. O time já está classificado para as oitavas de final.

NA TV
Manchester City x Hoffenheim
Quarta (12), 18h00
TNT, EI Plus