O Manchester City é o maior candidato a ser o novo integrante dos vencedores de Champions League. O clube dirigido por Pep Guardiola é o favorito à conquista do título nas casas de apostas com uma cotação de 4.33, à frente de grandes potências como Barcelona (6.50), o atual campeão Liverpool (8.00). Guardiola admite que a conquista europeia é o próximo passo para o clube, mas que é preciso seduzir os torcedores a verem o quanto a competição é importante. Segundo o treinador, a competição não é vista da mesma forma pelos torcedores do seu clube como acontece com os rivais Manchester United e Liverpool.

O fato de ter Guardiola é um  dos principais fatores que leva o time a ser favorito nas casas de apostas. E a pressão é para que o treinador consiga entregar este título ao Manchester City, algo que o catalão já viveu, talvez até com mais intensidade, quando dirigia o Bayern de Munique. Apesar disso, ele diz que lidará com tranquilidade caso a sua passagem pelo clube inglês não tenha uma taça da principal competição europeia.

“Se eu não vencer, eu não vou me matar, eu tentarei o meu melhor. Na minha primeira coletiva de imprensa aqui, foi a mesma pergunta. As pessoas dizem: ‘Você está aqui para ganhar a Champions League’. Eu disse, ‘Okay’. Mas eu falo com Ferran [Soriano, CEO], Khaldoon[al-Mubarak, presidente], e eles não me dizem isso. Eles me disseram que eu estava aqui para continuar o projeto, para tentar ganhar um jogo e então outro e ver o quão longe nós podemos ir”, afirmou Guardiola.

“As pessoas querem que nós vençamos. Os torcedores, sem eles é impossível, sem o sentimento que nós queiramos fazer isso, e nós somos capazes de fazer isso. Com apenas 11 jogadores não é possível. Nós iremos tentar seduzir nossos torcedores e dizer: ‘Okay, podemos fazer isso’”, continuou o técnico.

“O único modo é vencendo jogos e jogando bem. Todo dia nós trabalhamos. Eu sei pelos torcedores que é a Premier League, esta é a mais empolgante”, justificou o técnico. “Nós sabemos como clube, nós fizemos enquetes, eu sei o quanto é especial. Mas esta competição é boa também. Eles precisam viver isso como um sonho. Nove vezes consecutivas [participando da Champions League]”.

Os torcedores do Manchester City possuem uma relação conturbada com a Uefa. Com as punições que o clube sofreu pelo Fair Play Financeiro, em 2014, muitos torcedores passaram a vaiar o hino da competição nos jogos no estádio Emirates. Por isso, levará algum tempo para que os torcedores criem uma tradição na competição, como já existe no Manchester United e Liverpool.

“Isso é verdade”, afirmou o técnico. “Mas esta é a realidade do nosso clube, nós temos que aceitar isso. Nós temos que seduzi-los para então eles perceberem o quanto é importante. Eu acho que é porque no passado eles não estavam lá no nosso clube [assistindo ao time na competição]”.

“Nós estávamos em casa nos bares, tomando cerveja e assistindo Liverpool e United. Esta é a cultura do nosso clube. Nós estamos dando passos. Eu não gostaria de chegar à final uma vez e depois desaparecer por cinco anos. Eu tenho uma sensação que estamos mais perto, mas esta competição é de alto nível. Tudo pode acontecer. Tudo que eu posso dizer aos nossos torcedores é: Venham para ficar conosco e nos apoiar. Estes caras merecem isso”, disse o treinador.

A melhor campanha do Manchester City na história da Champions League foi em 2015/16, quando chegou à semifinal, ainda sob o comando do chileno Manuel Pellegrini. Naquela edição, o time foi eliminado pelo Real Madrid, que se tornaria o campeão. Depois de vencer todas as competições locais, um triplete interno com Copa da Liga, Copa da Inglaterra e Premier League, Guardiola concorda que o próximo passo é conseguir algo na Europa.

“Sim, é isso. Definitivamente. Mas às vezes não é possível, algumas vezes leva alguns anos, outras vezes demora um pouco mais”, disse o treinador, campeão da Champions League duas vezes pelo Barcelona, em 2008/09 e 2010/11. “O Barcelona é o clube do meu coração, mas 1992 foi o primeiro [título] e o Barcelona foi fundado muito, muito tempo atrás. Eles deveriam estar nesta competição em todas as temporadas desde nasceram”, afirmou Guardiola.

Curiosamente, o Manchester City foi fundado antes do Barcelona. Os Citizens nasceram em 1880, enquanto o Barcelona só seria fundado em 1899. A história dos dois, porém, diferencia demais os dois times. Os ingleses não passaram nem perto das conquistas que o Barcelona conseguiu ter ao longo da sua história.

Guardiola ainda aproveitou para avaliar o adversário, Dinamo Zagreb, campeão croata. Os croatas estrearam na competição vencendo a Atalanta por 4 a 0 em casa. “Não foi nada mal jogar com uma linha de cinco atrás e vencer por quatro gols”, afirmou Guardiola.

“Honestamente, eu não sei como eles vão jogar [quatro ou cinco atrás]. Nós iremos nos preparar para as duas opções [quatro ou cinco na defesa]. A Itália é uma liga forte, muito forte eles conseguiram vencer um time de lá por 4 a 0. Foi um alerta para nós. Nós dizemos: tenham cuidado, rapazes”, continuou o técnico.

Com uma crise de lesões, Guardiola possivelmente precisará usar novamente o meio-campista Fernandinho como zagueiro. “Se ele se sentir bem fisicamente, sim, ele pode jogar. Na última temporada, ele começou a sentir isso no fim da temporada passada, então ele joga a cada três dias”, explicou o treinador.

NA TV
Manchester City x Dinamo Zagreb
Terça-feira, 1º de outubro, 16h
Space, EI Plus