O Guangzhou Evergrande conquistou o seu oitavo título no Campeonato Chinês neste fim de semana, mas o time pode estar em meio a mudanças, apesar disso. A vitória por 3 a 0 sobre o Shanghai Shenhua garantiu o topo da tabela, com 72 pontos em 30 jogos disputados contra 70 pontos do Beijing Gouan, de Renato Augusto. Mesmo com o título, há um certo clima de instabilidade no clube. O técnico Fabio Cannavaro chegou a ser afastado durante a temporada, mas voltou na reta final para garantir a taça.

A última rodada foi emocionante. Como dois times tinham a chance de título, o Beijing Gouan dependia de um tropeço do líder Guangzhou Evergrande. A vitória tranquila dos primeiros colocados tornou a vitória do Beijing Gouan sobre o Shandong Luneng por 3 a 2, com gol no final, absolutamente inócua para a disputa do título. O time de Renato Augusto deu uma arrancada no final, com quatro vitórias nos últimos quatro jogos, colocando pressão no líder.

Um aspecto curioso foi o afastamento de Fabio Cannavaro do cargo ao longo da temporada. Ele foi publicamente questionado pela direção por sua “fraca habilidade para corrigir os erros”. Foi tirado temporariamente do cargo para “treinamento da cultura corporativa” na sede do clube, depois de resultados decepcionantes, inclusive com a eliminação na Champions League da Ásia diante do Urawa Red Diamonds, do Japão, com duas derrotas. Depois, ele ainda empatou por 2 a 2 com o Henan Jianye no dia 27 de outubro, quando foi tirado do cargo.

Cannavaro voltou ao comando do time em novembro, antes dos três últimos jogos. Ele foi alertado que era preciso “trabalhar mais duro, melhorar o nível da sua comissão técnica, aumentar o nível de habilidade de lutar do time para vencer a Super Liga Chinesa”. O time vinha mal, com apenas uma vitória nos nove jogos anteriores.

No dia 23 de novembro, depois da volta da data Fifa, ele retomou o comando do time para emplacar três vitórias seguidas: 2 a 0 sobre o Shanghai SIPG, campeão no ano anterior; 3 a 1 fora de casa contra o Hebei Fortune; e, por fim, os 3 a 0 sobre o Shanghai Shenhua. Termina como campeão, o que é um alívio para alguém que viveu tanta pressão. Só que está longe de ser uma tranquilidade duradoura.

Os jogadores parecem o apoiar. Quando Park Ji-soo marcou o segundo gol do time na vitória sobre o Shenhua, ele foi direto para o técnico e o abraçou. Ao final do jogo, os jogadores comemoraram muito com o técnico, o levantando para o alto.

Os relatos são que Cannavaro e a direção do clube se desentenderam. Aos 46 anos, depois de conquistar o seu primeiro título, o ex-jogador não parece viver um grande prestígio no clube que dirige. A pressão sobre ele segue grande e é bastante possível que o técnico do Guangzhou Evergande seja outro quando a temporada 2020 começar, em março.

Foram 23 vitórias, três empates e apenas uma derrota. Curiosamente, o time teve o vice-artilheiro da liga, que não é um atacante: é Paulinho, com 19 gols em 29 jogos, que na China atua muito mais solto. O brasileiro naturalizado chinês Elkeson, também do Guangzhou Evergande, fez 18 gols em 28 jogos. O artilheiro foi Eran Zahavi, com 29 gols em 28 jogos. Outro brasileiro, Alex Teixeira, do Jiangsu Suning, também fez 18 gols, em 30 jogos. Renato Augusto, do time vice-campeão, Beijing Gouan, fez 15 gols em 30 jogos. Outro brasileiro do campeão Guangzhou Evergrande é Anderson Talisca, que fez 11 gols em 18 jogos.

A China ainda terá a decisão da Copa da China entre Shandong Luneng e Shanghai Shenhua, na próxima sexta-feira, dia 6 de dezembro, às 8h35 (horário de Brasília). O Shandong Luneng é o time de Roger Guedes, Graziano Pellè, Marouane Fellaini e Moisés. O Shanghai Shenhua tem como estrelas o nigeriano Odion Ighalo e colombiano Giovanni Moreno, além do sul-coreano Shin Wook Kim e do italiano Stephan El Shaawawy.