Antoine Griezmann chegou ao Barcelona buscando aprovação. Em meio a especulações de que jogadores importantes do Barça não o queriam, foi contratado e falou sobre Messi em suas primeiras entrevistas como um garoto que de repente joga ao lado do ídolo e deseja ser seu amigo. Neste domingo (25), no que pareceu uma audição de aprovação, um rito de passagem, o francês passou no teste e liderou o show do Barcelona sobre o Betis: 5 a 2, com dois gols e uma assistência do camisa 17.

Leo Messi e Luis Suárez, no clima mais familiar possível, assistiram ao jogo da arquibancada, cercados por seus filhos. A preocupação do primeiro tempo se transformou em encantamento e diversão na segunda etapa, diante do show protagonizado pelo time e guiado por Griezmann.

No primeiro tempo, o Betis abdicou da bola, se fechou em duas linhas compactas e apostou no contra-ataque. Enquanto rebatia bem as chegadas de Barça, subia ao ataque com velocidade e perigo. Não demorou para abrir o placar: aos 15 minutos, Morón acertou passe por trás de Piqué e encontrou Nabil Fékir. O francês, recém-chegado ao time de Sevilha, bateu cruzado, com qualidade, para superar Ter Stegen e fazer 1 a 0.

O Barça, com 75% de posse de bola na primeira etapa, manteve seu domínio em campo e buscou o empate. Finalizava, mas pouco ao alvo, enquanto o Betis era mais incisivo. Até que, aos 41 minutos, Sergi Roberto encontrou Antoine Griezmann por cima, e o camisa 17 se esticou para completar para o gol e empatar a partida. Diante da torcida culé, o francês marcava seu primeiro tento oficial com a camisa do clube.

O segundo tempo passou a impressão de que toda aquela tensão da primeira etapa, à espera da igualdade no placar, foi de fato quebrada com o gol do empate. Pois após o intervalo, a rede do Betis não queria parar de balançar. Com cinco minutos do segundo tempo, Sergi Roberto mais uma vez tocou para Griezmann, que, de esquerda, bateu colocado, com curva, para fazer um golaço e buscar a virada.

Na comemoração, amante da NBA que é, deu uma de LeBron James, mas com papel picado, nas cores azul e grená, conferindo ao jogo o toque final de espetáculo e estabelecer o tom para o que vinha a seguir.

Cercados pelos filhos, Suárez e Messi curtiram a atuação de Griezmann (Reprodução)

Seis minutos depois, Semedo fez boa jogada pela linha de fundo e tocou para trás, para Carles Pérez. O garoto da base barcelonista dominou, limpou a marcação e bateu com precisão para fazer o 3 a 1. Pérez havia jogado durante apenas 17 minutos na temporada passada pelo time principal. Em seu segundo jogo na atual temporada, o ponta foi um dos destaques de uma equipe que teve desempenho ofensivo muito bom, sobretudo no segundo tempo.

O quarto gol trouxe à luz outro dos protagonistas do duelo. Sergio Busquets, que desde a primeira etapa coordenava diversas jogadas perigosas do Barça, deu a assistência para Jordi Alba, sozinho na área, fazer o 4 a 1, aos 15 do segundo tempo.

Griezmann envolveu-se em, virtualmente, todos os ataques do Barça, com movimentação excelente fora da área. Aos 32 minutos, deu seu toque final ao, de carrinho, servir Arturo Vidal, que fez 5 a 1 para o time de Valverde.

Dois minutos depois, Loren Morón aproveitou erro de passe do Barcelona e acertou uma bomba de longe, no ângulo esquerdo superior de Ter Stegen, fazendo um golaço para fechar o placar em 5 a 2.

Para completar a festa, Junior Firpo fez sua estreia pelo Barça, entrando justamente contra seu ex-clube. E, com mais destaque ainda, o ponta Ansu Fati, de apenas 16 anos, também pisou no gramado pela primeira vez pela equipe principal. O guineense naturalizado espanhol se tornou o segundo jogador mais jovem da história a entrar em campo com a camisa do Barcelona, com 16 anos e 300 dias, apenas 20 a mais que o recordista Vicenç Martínez, na longínqua temporada 1941/42.

Nas cadeiras, Suárez e Messi se divertiram com a atuação de encher os olhos de Griezmann. Os sinais de aprovação ao francês estavam todos lá. O time de Valverde, sem seus principais jogadores de ataque, viu o novo candidato a protagonista, o “Principito”, dar o cartão de visitas perfeito ao torcedor, essencial para a reação necessária depois da derrota na rodada de abertura.