O primeiro jogo entre equipes da primeira divisão depois da Copa América, cuja pausa deu tempo a todos aprimorarem seus times, foi bem disputado. O Grêmio recebeu o Bahia com a missão de voltar a apresentar o futebol que o tornou um dos melhores times do Brasil, mas teve dificuldades contra a defesa armada por Roger Machado. No fim, o empate por 1 a 1 acabou ficando melhor para os visitantes, que recebem os gaúchos, na próxima quarta-feira, por vaga na semifinal da Copa do Brasil.

A partida começou em um impasse. O Grêmio dominava a posse de bola, mas não conseguia criar chances. O Bahia defendia muito bem. Indício disso é que, das 12 finalizações gaúchas no primeiro tempo, sete foram bloqueadas. No entanto, sem armar contra-ataques

Os visitantes levaram perigo um par de vezes com chutes de fora da área, e o Grêmio respondeu com a mesma moeda, com Everton Cebolinha arriscando de fora da área. A bola passou perto da trave de Douglas Friedrich.

A partir desse lance, o Grêmio passou a ser mais perigoso. Jean Pyerre pegou rebote de cobrança de escanteio da entrada da área e mandou na trave, e André quase marcou na segunda bola. Em cruzamento da esquerda, o atacante gremista teve uma cabeçada na pequena área para abrir o placar, mas não conseguiu colocar muita força, e Friedrich agarrou.

Destaque da seleção brasileira na Copa América, Everton estava afim de jogo e, aos 45 minutos do primeiro tempo, sofreu pênalti de Friedrich. Ele mesmo cobrou e abriu o placar. O Grêmio, porém, não teve tempo para deslanchar. Logo no começo da etapa final, Gilberto apareceu na segunda trave para completar a cobrança de escanteio e empatar a partida.

O jogo voltou a uma dinâmica parecida à do começo do primeiro tempo, com o Grêmio levando mais perigo de média distância. A diferença é que, no outro lado, Artur começou a aparecer. Exigiu uma boa defesa de Paulo Víctor, invadindo a área pela direita, e teve a chance de ouro de dar a vitória ao Bahia, em um contra-ataque. Recebeu no campo de ataque, deixou Kanneman comendo poeira e entrou livre na área. Na hora de bater, mandou por cima.

O Bahia, porém, deu mais uma demonstração da força do seu time, especialmente na questão defensiva, aspecto do arsenal de Roger Machado que vem evoluindo nesta passagem pelo clube nordestino. Conseguiu o empate como visitante e levou à decisão à Fonte Nova, enquanto o Grêmio, por mais que tenha tido bons momentos, não retornou da Copa América muito melhor do que como estava antes.