Grande trunfo na vitória do Arsenal contra o Watford foi a paciência

Em um intervalo de 12 minutos, Gunners fazem três e garantem vitória por 3 a 0 fora de casa

No último jogo pela Premier League antes da data Fifa, o Arsenal foi muito superior em relação ao então líder Manchester United e conseguiu uma vitória grandiosa por 3 a 0 no Emirates. O futebol empolgante da rodada passada não se repetiu no triunfo deste sábado também por 3 a 0 sobre o Watford, no Vicarage Road, mas outro aspecto dos Gunners entrou em cena para fazer a diferença: a paciência.

VEJA TAMBÉM: A estreia difícil já aponta os problemas que Klopp enfrentará no Liverpool

O placar engana aqueles que apenas se depararam com os números. O Watford foi um adversário difícil durante maior parte do jogo, e a impressão era de que nenhuma das equipes conseguiria sair com a vitória do Vicarage Road. Naturalmente, o Arsenal dominou a partida, com mais posse de bola e limitando as chances do Watford a saídas rápidas para o ataque. Tendo entrado em campo após os concorrentes à ponta da tabela, Manchester City e Manchester United, terem vencido seus duelos da rodada, os Gunners estavam pressionados, mas mesmo isso (ou a demora para o primeiro gol) não desestabilizou a proposta de jogo do time de Wenger.

Os gols só foram sair na metade do segundo tempo, em um intervalo de 12 minutos entre o primeiro e o último, e todos eles com características em comum: troca de passes inteligente e paciência para finalizar a jogada. Aos 17 minutos da etapa complementar, Sánchez iniciou jogada pela ponta, tocou para o meio para Özil, que fez ótima tabela com Cazorla e saiu na cara de Gomes. O alemão foi travado pelo brasileiro, e Sánchez aproveitou a sobra para abrir o placar.

Seis minutos depois, o Arsenal foi girando a bola, em busca do melhor espaço para a finalização, até que a bola sobrou na direita para Özil, que serviu Giroud na pequena área. Três minutos após ter entrado em campo, o francês completou para o gol para fazer 2 a 0. Por fim, Ramsey fechou o placar aos 29 do segundo tempo, penetrando bem na área e batendo na saída de Gomes.

Individualmente, os destaques foram Özil e Sánchez. O alemão estava com o pé calibrado e criou uma série de chances com seus passes, tendo sido o assistente para os dois primeiros gols do duelo. Já o chileno manteve a grande fase que vive e, além de insinuante com a bola, levando o time ao ataque, ainda chegou ao seu 10º gol nos últimos seis jogos por Arsenal e seleção chilena, tendo marcado consecutivamente em todos eles.

A valorização de uma boa troca de passes já é característica do Arsenal há algum tempo, algo um tanto quanto inevitável quando se tem no meio de campo tantos atletas com um bom toque, como Ramsey, Özil e Cazorla. O grande trunfo neste sábado foi se manter fiel ao estilo e confiar que poderia definir o jogo sem afobação. Depois do primeiro gol, os outros vieram com enorme naturalidade. A paciência dos Gunners transformou um jogo travado em, repentinamente, um passeio no parque.