A Ferroviária voltou a mostrar sua força na Libertadores Feminina e se credenciou de vez a buscar o bicampeonato continental. Depois de quatro anos, as Guerreiras Grenás retornarão à decisão do torneio. A Ferrinha surgia como ligeira favorita no confronto com o Cerro Porteño e celebrou um resultado dramático na semifinal contra as paraguaias. A vitória por 2 a 1 no Estádio Olímpico Atahualpa terminou definida graças a um golaço, anotado por Aline Milene durante o segundo tempo.

Tanto Ferroviária quanto Cerro Porteño não se classificaram na primeira colocação de suas chaves na fase de grupos. Já nas quartas de final, enquanto as brasileiras despacharam o Atlético Huila, campeão no ano anterior, as paraguaias superaram nos pênaltis as anfitriãs do Deportivo Cuenca. Embora a balança pendesse à Ferrinha, o Ciclón eliminou justamente o time que quebrara a invencibilidade das paulistas. No entanto, a equipe da treinadora Tatiele Silveira provaria sua superioridade nesta noite.

Num jogo intenso e brigado desde seus primeiros minutos, a Ferroviária saiu em vantagem logo aos 12. Num ataque confuso, Aline Milene chutou, a goleira Gloria Saleb rebateu e a artilheira Nathane apareceu para completar a sobra. Foi seu nono gol na competição continental. Ainda assim, o Cerro Porteño conseguiu igualar o marcador aos 29. Uma falta cometida pela goleira Luciana concedeu o pênalti às paraguaias e a capitã Limpia Fretes converteu. Antes do intervalo, o Ciclón ainda mandaria uma bola na trave.

A vitória da Ferrinha seria garantida aos 15 da segunda etapa, graças à obra-prima de Aline Milene. Saleb vinha pegando tudo, mas não teve o que fazer no petardo da brasileira. A atacante encontrou uma brecha na marcação e soltou o pé, num tiro cruzado do bico da grande área. A bola saiu do alcance da goleira e morreu nas redes. Mesmo assim, o final do jogo guardaria seu drama às paulistas. Enquanto Saleb fechava o gol, Luciana se redimiu com um milagre após bola na trave. Já nos cinco minutos finais, as grenás precisaram se segurar com uma jogadora a menos, após a expulsão de Luana. Ao apito final, sobrou emoção na comemoração.

Com a classificação, a Ferroviária disputará a sua segunda decisão na Libertadores Feminina. Em 2015, a equipe do interior de São Paulo eliminou o tricampeão São José na semifinal, antes de derrotar o Colo-Colo para ficar com a taça. E a finalíssima de 2019 poderá ter um encontro entre brasileiras, algo inédito neste estágio da competição. O Corinthians faz a outra semifinal nesta sexta-feira, diante do América de Cali. Se as alvinegras passarem, será a reedição da decisão do Brasileiro Feminino. As Guerreiras Grenás levaram a melhor na ocasião, com a vitória nos pênaltis após dois empates.