O Manchester United sofreu sustos, teve dois gols anulados, acertou duas bolas na trave e precisou jogar a prorrogação para derrotar o Copenhague, em jogo único válido pelas quartas de final da Liga Europa, mas conseguiu, por 1 a 0, graças a um gol de pênalti cobrado por Bruno Fernandes.

O goleiro Karl-Johan Johnsson foi um dos principais responsáveis pela partida não ter terminado no tempo normal e pelo placar apertado, com 13 defesas, afastando tudo que conseguia superar a bem organizada barreira defensiva dos dinamarqueses – menos o chute a 11 metros de Bruno Fernandes.

Ofensivamente, o Copenhague não exigiu uma defesa de Sergio Romero, mas levou alguns sustos nos primeiros 20 minutos quando Mohammed Daramy quase alcançou um cruzamento da direita e Brandon Williams teve que cortar um escanteio fechado na boca do gol.

Aos poucos, porém, o Manchester United foi assumindo o controle, mas não contou com um dia dos mais inspirados dos seus principais jogadores, que erraram toques e passes cruciais à medida em que a bola rodava a área do Copenhague, muito bem fechada pelos dinamarqueses. Chegou a abrir o placar com outra finalização extremamente precisa de Mason Greenwood, mas o jovem estava impedido.

No segundo tempo, Greenwood bateu cruzado de esquerda da entrada da área e acertou o pé da trave. Rashford pegou o rebote, mas nem comemorou porque sabia que estava em posição muito irregular. Com um venenoso chute de fora da área, Bruno Fernandes fez a trave de Johnsson balançar novamente, antes de Wan-Bissaka bloquear a tentativa de Oviedo que parecia um gol certo, após boa jogada trabalhada do Copenhague a partir da direita.

Johnsson emendou duas boas defesas em chutes de média-longa distância, espalmando a bomba de Fernandes e depois encaixando a tentativa de Pogba e, com uma única mão, desviou a finalização colocada de Anthony Martial de fora da área. Martial ainda teve a chance do gol da classificação, nos minutos finais, quando entrou ziguezagueando dentro da área, mas preferiu um drible a mais em vez de bater e foi bem desarmado.

O United não precisou de muito tempo de prorrogação para resolver a parada. Martial recebeu de Rashford, foi à linha de fundo e tentou bater sem ângulo. Johnsson bloqueou. No minuto seguinte, Martial invadiu novamente a área e parou em cima do goleiro, que saiu bem do gol. Na sequência, recebeu novamente e foi derrubado, de acordo com o árbitro. Fernandes cobrou bem o pênalti e marcou o único gol da partida.

O United pareceu mais confortável depois do gol. Impossível de ser marcado, Martial fez fila novamente e deixou de calcanhar para Mata, que conseguiu abrir espaço e parou em Johnsson, que ainda fez outras duas defesas antes do primeiro tempo da prorrogação, em bomba de Fernandes e um chute desviado de Mata.

O Copenhague assumiu a posse de bola para os 15 minutos finais e tentou especular um gol de empate, mas não parecia com tanta energia no tanque. Como também o United não parece desde a reta final da Premier League, mas segue vivo na Liga Europa e agora aguarda Sevilla ou Wolverhampton.

.

.

.